Policiais Civis suspendem paralisação e aguardam contraproposta do Governo

Publicação: 2019-10-22 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Os policiais civis do Rio Grande do Norte votaram por suspender a paralisação que havia sido deliberada no último dia 7 pela categoria. Em uma nova assembleia, que aconteceu na manhã desta segunda-feira (21) na sede do Sindicato, o policiais decidiram que vão aguardar o resultado da reunião entre os dirigentes da entidade e representantes do Gabinete Civil do Governo para deliberar as próximas ações. A paralisação estava programada para acontecer ao longo desta semana, mas apenas na manhã da segunda-feira, quando aconteceu a assembleia, as delegacias tiveram as atividades suspensas.

Assembleia dos policiais foi realizada na manhã desta segunda-feira e delegacias não abriram
Assembleia dos policiais foi realizada na manhã desta segunda-feira e delegacias não abriram

As negociações entre Governo e Sindicato, que estavam paradas, serão retomadas na quarta-feira (23), na reunião com o chefe do Gabinete Civil. De acordo com o Sindicato, a expectativa é de que o Governo apresente uma contraproposta para as reivindicações que foram apresentadas anteriormente pela categoria. A principal demanda dos policiais civis é a reestruturação do plano de carreiras de agentes de polícia e escrivães.

No modelo proposto pelo Sindicato, ao invés do modelo atual, no qual as promoções acontecem a cada cinco anos e o aumento salarial é dado unicamente ao fim desse período, os policias defendem um modelo de progressão anual dessas promoções. “Assim, o valor total que seria dado ao fim desses cinco anos seria diluído ano a ano”, explica o presidente do Sinpol, Nilton Arruda. Além da mudança na estruturação do plano de carreiras, os policiais pedem a alteração de alguns pontos no estatuto que rege as regras da polícia civil.

A decisão de interromper a paralisação foi acatada por unanimidade pelos policiais presentes na assembleia. De acordo com o Sinpol, há um prazo para a conclusão das negociações, que vai até o dia 31 de outubro. "Temos praticamente uma semana para construir um entendimento satisfatório, e esperamos que o Governo honre com sua palavra. A reestruturação da carreira do policial civil é urgente", diz Arruda.

Na quinta-feira (24), depois da reunião com o Gabinete Civil, os policiais voltam a se reunir em assembleia para que os resultados das negociações sejam apresentados aos agentes e escrivães.

Delegacias fechadas
Durante a manhã dessa segunda-feira (21), enquanto acontecia a assembleia geral dos policiais civis, as delegacias da capital fecharam para atendimento à população. O professor Renan da Ponte, 29, foi um dos que tentou se dirigir a uma delegacia especializada para registrar um Boletim de Ocorrência, mas se deparou com as portas fechadas. "Primeiro fui a uma  Delegacia especializada, que estava fechada, inclusive na portaria. Não havia avisos comunicando por quanto tempo estaria assim, e nem o motivo", relata. Em seguida, Renan se dirigiu à Central de Flagrantes, na Delegacia de Plantão da zona Sul, em Cidade da Esperança. Lá, também não conseguiu fazer o registro do Boletim. "Lá, havia um homem que falou que a polícia estava com as atividades paralisadas, e era melhor que eu voltasse no dia seguinte", completa.






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários