Policiais querem proposta assinada

Publicação: 2011-07-07 00:00:00
Representantes do policiais civis estiveram ontem com o secretário chefe do Gabinete Civil Estadual, Paulo de Tarso Fernandes. Na reunião, os grevistas deixaram claro que querem a garantia, através de um documento, de que a proposta do Governo Estadual de iniciar o pagamento do aumento salarial em quatro parcelas a partir de setembro seja, de fato, realizada.  Sem se prolongar na discussão, Paulo de Tarso garantiu que as diferenças salariais serão pagas. “Se você recebe hoje R$ 1 mil, a partir de setembro você receberá R$ 1.250 até chegar aos R$ 2 mil que será o seu salário com o aumento”, exemplificou. A lógica, de acordo com Vilma Marinho, não é assim tão simples. Visto que, existem aumentos diferenciados dentro da Polícia Civil que variam de acordo com o tempo de serviço de cada servidor e o nível no qual eles serão enquadrados.  “Nós queremos que o Governo apresente uma tabela com todos os valores para que possamos avaliar junto com os demais policiais e discutirmos o fim da greve”, comentou Vilma Marinho. A presidenta do sindicato confirmou que os policiais civis estão dispostos a repor os dias que permaneceram parados.

O secretário garantiu que apresentará o documento, conforme solicitação do Sinpol, após consultar e solicitar a confecção da tabela ao secretário estadual de Administração, Anselmo Carvalho. O secretário não confirmou se a apresentação ocorrerá hoje ou amanhã.

Paulo de Tarso disse, porém, disse que irá encaminhar um ofício ao Sinpol detalhando a posição da Governadoria em relação ao que foi discutido. “É ilegal assinarmos um contrato”, disse Paulo. O vice-presidente do Sinpol, Djair Oliveira não concorda. Governo pode assinar um termo de acordo assim como fez com técnicos do Itep no início do ano.

Trabalhadores rurais levam reivindicações à Governadoria

Ontem, os representantes da Federação  dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Norte (Fetarn) foram recebidos pela governadora Rosalba Ciarlini na Governadoria.   “Nós havíamos recebido a pauta há cerca de 30 dias. Nós elaboramos um documento de resposta. De certa forma, as solicitações já faziam parte do nosso plano de governo. O problema, porém, é a falta de dinheiro”, disse o secretário estadual de Agricultura, Betinho Rosado.

As reivindicações dos trabalhadores rurais do Rio Grande do Norte, vão desde a construção de cisternas ao aumento dos técnicos em instituições como a Emater e Seara.

 A audiência com a governadora e representantes do Executivo Estadual se deu no  mesmo dia em que os ruralistas comemoraram o 13º Grito da Terra, que consiste num dia dedicado às manifestações em defesa de melhores condições de trabalho no campo. Rosalba Ciarlini fez a entrega de um documento respondendo aos questionamentos e requisições dos representantes da Fetarn e solicitou que um novo encontro seja realizado em 30 dias.

O Governo do Estado apresentou documento contendo seu posicionamento sobre o pleito do movimento rural. Entre os pontos abordados no documento estão as ações permanentes para Convivência com o semi-árido norte-rio-grandense, como a construção de 2 mil cisternas, já asseguradas para este ano, na arquidiocese de Natal e dioceses de Mossoró e Caicó. Quanto às reivindicações da política agrária e meio ambiente, o Governo dará atendimento prioritário aos agricultores familiares no que se refere à conclusão dos serviços de georreferenciamento e cadastros de imóveis rurais.

Uma nova reunião entre Governo do Estado e representantes do movimento Grito da Terra 2011 ficou agendada para o início de agosto, após apresentarem aos companheiros de causa as propostas apresentadas no documento.

Prefeitura pedirá ilegalidade da greve dos agentes

A Prefeitura de Natal divulgou nota oficial sobre a greve dos agentes de endemias, iniciada na última terça-feira. No documento, anunciou que pedirá a ilegalidade da paralisação. Na nota, a Prefeitura lembra que nos dois últimos anos, concedeu uma série de benefícios à categoria, como exemplo o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos, que garantiu melhorias salariais reais. “Outro avanço considerável foi a conquista da estabilidade no emprego com a transformação da função de celetista para estatutária”. A nota também detalha a principal revindicação dos agentes: a implantando do auxílio alimentação, que já foi aprovado pela Câmara Municipale está sendo garantido para a folha de pagamento de julho. “A Prefeitura de Natal lamenta a atitude dos agentes que, antes de buscar uma conciliação, deflagraram greve, sem qualquer aviso preliminar à Secretaria Municipal de Saúde, no momento em que a cidade vive uma epidemia de dengue”.

Em Parnamirim, agentes voltam ao trabalho

Os agentes comunitários de saúde e os agentes de endemias de Parnamirim suspenderam no final da manhã desta quarta-feira a greve iniciada na segunda-feira passada.  A decisão foi tomada depois de uma reunião do comando de greve com o prefeito Maurício Marques, secretário municipal de Saúde, Marciano Paisinho, e procurador-geral Fábio Pinheiro. Na reunião ficou acertado o envio de um projeto de lei complementar à Câmara Municipal, convertendo o regime jurídico dos agentes de saúde, de celetistas para estatutário. Além da conversão do sistema jurídico, a prefeitura assumiu o compromisso de conceder vale-refeição aos agentes de saúde que trabalham em regime de 40 horas semanais, e a distribuição de fardamento e equipamentos de proteção – protetor solar, protetor labial etc. A procuradoria ficou de fazer uma análise para concessão de auxílio transporte aos agentes de endemias que ainda não recebem o benefício. Os agentes de saúde e os de endemias voltam ao trabalho nesta quinta-feira (7).

Leia também: