Policial militar mata colega de farda

Publicação: 2010-10-23 11:18:00
O soldado da Polícia Militar Edson Carvalho de Queiroz se encontra foragido desde a madrugada deste sábado (23), depois de ter confessado, por telefone, ser o responsável pela morte de um colega de farda, o também soldado Geraldo Cleusimar da Costa, 35 anos. O crime aconteceu na cidade de Tenente Ananias, a 402 quilômetros de Natal. O motivo do assassinato seria legítima defesa: Edson teria matado Geraldo para se defender de um ataque, motivado por ciúmes, do colega.

A informação é da Delegacia de Tenente Ananias. Segundo o titular de lá, o delegado Clécio, o crime teria sido motivado pelo ciúmes de Geraldo pela ex-mulher dele, a dona-de-casa Maria Lucélia. "Os dois tiveram relacionamento com essa mulher em momentos distintos. Primeiro, foi Geraldo. Depois que eles terminaram, Edson começou. Contudo, parece que Geraldo nunca aceitou o fim da relação", afirmou o delegado.

Segundo o que foi conseguido pela polícia, Geraldo, inconformado com o fim do relacionamento com Maria Lucélia, teria ido até a casa dela e ficado do lado de fora, esperando a chegada do colega de farda. Quando Edson chegou, houve troca de tiros entre os dois e a Polícia Militar foi chamada. "Quando chegamos ao local encontramos Geraldo ainda com vida, mas ele não disse quem tinha atirado. Entraram em contato com Edson para ele ajudar na ação de busca ao bandido, mas ele pediu para falar com o superior dele e confessou ter matado Geraldo", afirmou o delegado.

A justificativa dada por Edson é de que teria matado o PM por legítima defesa. No entanto, ela não deve ser aceita pelo delegado Clécio. Segundo Edson, assim que chegou a casa de Maria Lucélia, Gustavo disparou cinco vezes contra ele e foi obrigado a responder aos tiros para não morrer. "Isso não justifica o fato dele ter se evadido do local e levando a arma do colega", afirmou o delegado Clécio, acrescentando que Edson não teria feito menção de se entregar.

Além do PM Edson, Maria Lucélia ainda não foi encontrada para prestar depoimento. A Polícia trabalha com a hipótese deles terem fugidos juntos.