População desrespeita decreto de isolamento

Publicação: 2020-03-22 00:00:00
A+ A-
A medida de contenção do coronavírus no Rio Grande do Norte que restringiu as praias somente em casos de atividades físicas não adiantou neste sábado, 21, primeiro dia em vigor. Em Ponta Negra, principal praia de Natal, o movimento de pessoas foi menor do que o usual, mas ainda havia quantidade significativa nas barracas, fechadas em parte. A Polícia Ambiental estava no local, mas não atuou para conter o fluxo de pessoas porque, segundo informaram, não receberam nenhuma ordem do comando da Polícia Militar.

Créditos: Alex RegisPonta Negra registrou menor movimento de pessoas na manhã do sábado, mas a orientação era para uso restritivoPonta Negra registrou menor movimento de pessoas na manhã do sábado, mas a orientação era para uso restritivo


O trabalho da Polícia Ambiental na Praia de Ponta Negra é evitar que as pessoas subam no Morro do Careca. Policiais conversaram com a reportagem sem se identificar e afirmaram que essa era a única responsabilidade neste sábado, 21, apesar do decreto de restrição das praias emitidos pelo Governo do Estado.

Entre as pessoas presentes em Ponta Negra, algumas se preocupam com o vírus e outras miniminizam a situação da pandemia, que vitimou mais de 10 mil pessoas no mundo em três meses. Luana de Góes, turista de São Paulo chegou em Natal na quinta-feira, 20, e disse que “não acredita nessas coisas”. “Decidi vir à praia porque acho que está tudo tranquilo. Em São Paulo, no bairro onde eu moro não tem nenhum caso”, afirmou.

A mãe de Luana, Maria Cirlene da Silva, também minimizou o coronavírus disse estar despreocupada com a situação. Ela acredita que na praia o risco é ainda menor por se tratar de um local arejado. “Não sei explicar porque estou despreocupada, mas não estou em pânico”, contou. Paulista, ela mora em Natal com o marido. Ambos trabalham em uma empresa de transportadora e não pararam as atividades.

Trabalhadores informais também continuam na praia. A principal justificativa é a que não possuem outra fonte de renda e por isso é difícil interromper o trabalho. Eles se preocupam inclusive com a queda de movimento na praia. “Eu tirava R$ 100, R$ 150 por dia, agora estou tirando R$ 30”, afirmou o garçom Walter Julião. Ele se desloca da zona Norte de Natal para Ponta Negra e precisa pegar dois ônibus. Com o fechamento das estações de transferência, anunciado pela Prefeitura de Natal, gasta R$ 16 por dia com transporte. “Não tenho cartão de passagem, então não tem mais integração. Tenho filhos para criar e contas para pagar, não posso, se não houver ajuda do governo, parar de trabalhar”, informou.

Ônibus
O transporte público de Natal vai funcionar com 30% da frota a partir desta segunda-feira, 23, por causa da pandemia do coronavírus. A decisão foi tomada neste sábado, 21, durante a reunião da Prefeitura de Natal, representantes de Saúde e do setor lojista e empresarial. O número de passageiros está limitado à ocupação de cadeiras dos veículos, proibindo passageiros em pé.

Na noite da sexta-feira, a Prefeitura anunciou a suspensão de todas as viagens de ônibus por 15 dias, mas voltou atrás após repercutir mal entre o setor empresarial e lojista e anunciou a reunião deste sábado para “buscar um consenso”.

Decreto prevê restrições a comércio e serviços no RN
O Governo do Rio Grande do Norte publicou decreto, na edição do Diário Oficial deste sábado (21), tratando sobre as restrições temporárias direcionadas ao enfrentamento do novo coronavírus. Além das medidas já anunciadas anteriormente, como redução da frota de transportes intermunicipais e fechamentos de estabelecimentos, o decreto também trata sobre fiscalização, prazo para as restrições e até multas em casos de descumprimento.

Pelo decreto, o funcionamento de todos os restaurantes, lanchonetes, praças de alimentação, praças de food trucks, bares e similares, no Rio Grande do Norte deverão permanecer o dia 25 de março. As demais medidas têm como prazo inicial o dia 2 de abril.

Não serão suspensas as atividades dos estabelecimentos que possuam acesso externo e independente aos shopping centers, desde que sejam padarias, supermercados e farmácias, e também os refeitórios das empresas que estiverem com o funcionamento autorizado. Aos restaurantes e lanchonetes em hospitais, deverão manter o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as mesas e até quatro cadeiras por mesa, ficando proibido o acesso de público externo.

Já para o funcionamento de mercados, supermercados e farmácias, deverá existir o controle de acesso a uma pessoa por família, de preferência fora do grupo de risco, limitação do número de clientes a uma pessoa a cada 5 metros quadrados do estabelecimento, assim como deverá ser limitada a quantidade de itens essenciais à saúde, à higiene e à alimentação, sempre que a medida for necessária para evitar o esvaziamento do estoque.

Apesar das restrições de acesso ao público, ficam assegurados aos estabelecimentos e respectivos funcionários e lojistas o funcionamento exclusivamente interno e o acesso aos respectivos estoques para realizar a vendas através de entregas em domicílio. Sobre as empresas de teleatendimento e call centers, deverá ser observada a distância mínima de dois metros entre as mesas de trabalho, além de proibir a utilização compartilhada de objetos e equipamentos de trabalho de uso pessoal, como headsets e microfones.

O descumprimento das medidas restritivas previstas no decreto poderão gerar multa diária de até R$ 50 mil, além de também haver a possibilidade de apreensão, interdição e emprego de força policial, bem como da responsabilização penal, pela caracterização do crime contra a saúde pública.

Fiscalização
A Polícia Rodoviária Estadual também está autorizada, através do decreto, a inspecionar veículos privados ou de transporte rodoviário coletivo que entrarem no estado, para averiguar a existência de passageiros com sintomas de contaminação pelo novo coronavírus, inclusive aferindo a temperatura dos passageiros. Caso detectados os sintomas, o Estado vai encaminhar o indivíduo de volta ao seu estado de origem, "observando-se os cuidados necessários para preservação da saúde do passageiro e para evitar a disseminação da doença."

Isolamento social
Veja normas para fechamento de estabelecimentos e restrição de serviços:

Supermercados e farmácias
Deverá existir o controle de acesso a uma pessoa por família, de preferência fora do grupo de risco, limitação do número de clientes a uma pessoa a cada 5 metros quadrados do estabelecimento, assim como deverá ser limitada a quantidade de itens essenciais à saúde, à higiene e à alimentação, sempre que a medida for necessária para evitar o esvaziamento do estoque.
Apesar das restrições de acesso ao público, ficam assegurados aos estabelecimentos e respectivos funcionários e lojistas o funcionamento exclusivamente interno e o acesso aos respectivos estoques para realizar a vendas através de entregas em domicílio.

Empresas de teleatendimento e call centers
Deverá ser observada a distância mínima de dois metros entre as mesas de trabalho, além de proibir a utilização compartilhada de objetos e equipamentos de trabalho de uso pessoal, como headsets e microfones.

Shoppings
O funcionamento de todos os shopping centers e similares está suspenso, com a exceção dos que possuírem sistema de circulação natural de ar. Já os estabelecimentos comerciais localizados nos shoppings poderão funcionar exclusivamente para entregas em domicílio. A suspensão é até 2 de abril.

Bares e restaurantes
Está suspenso o funcionamento de todos os restaurantes, lanchonetes, praças de alimentação, praças de food trucks, bares e similares no estado. No entanto, os estabelecimentos também poderão funcionar exclusivamente para entrega em domicílio e como pontos de coleta. A suspensão não se aplica a bares e restaurantes que funcionem em hotéis, desde que os serviços sejam prestados exclusivamente a hóspedes e que sejam observadas as recomendações da autoridade sanitária de distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as mesas e de até quatro cadeiras por mesa. A medida vale até 25 de março.

Boates e casas de eventos
O funcionamento de todas as boates, casas de eventos e de recepções, salões de festas, inclusive privados, clubes sociais, parques públicos, parques de diversões, academias de ginástica e estabelecimentos similares está suspenso. A suspensão vale até 2 de abril.

Cultura
Os centros de artesanato, museus, bibliotecas, teatros, cinemas e demais equipamentos culturais no estado, públicos ou privados, também deverão suspender suas atividades até 2 de abril.

Religião
Nenhum templo religioso ou loja maçônica está autorizado a funcionar até 2 de abril.

Bancos
Todo o atendimento presencial ao público em bancos e demais instituições e financeiras está suspenso, mas o autoatendimento em caixas eletrônicos e demais canais de atendimento não presencial seguem autorizados a funcionar. Os bancos ficam obrigados a fornecer atendimento virtual ou telefônico, por meio de aplicativos, sites e telefones, além de garantir a disponibilização ininterrupta de álcool em gel aos usuários de caixas eletrônicos, em locais fixos de fácil visualização e acesso, proceder a higienização regular do ambiente e garantir o abastecimento de todos os caixas eletrônicos para saques em dinheiro e demais operações, de modo a evitar qualquer prejuízo ao usuário.
Pelo decreto, no entanto, a suspensão não se aplica aos atendimentos referentes aos programas bancários e governamentais destinados a aliviar as consequências econômicas do novo coronavírus, bem como os atendimentos de pessoas com doenças graves ou os casos considerados urgentes. A medida vale até 2 de abril.
 
Praias
A utilização das áreas de praia fica limitada à prática de atividades físicas individuais, como caminhadas e corridas, observadas as recomendações da autoridade sanitária de distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas. Está proibida a disponibilização de mesas e cadeiras. A medida vale até 2 de abril.

Serviços públicos
Fica suspenso o atendimento ao público externo, resguardando-se o teleatendimento quando possível, em todas as Centrais do Cidadão e nas unidades do Departamento de Trânsito do Estado do Rio Grande do Norte (DETRAN/RN). Os servidores públicos lotados nos órgãos cumprirão expediente interno. A medida também vale até 2 de abril.

Feiras
Os municípios do Estado deverão reorganizar as feiras livres e similares, de modo a assegurar o distanciamento social, evitando aglomeração de pessoas e contatos, mantendo as condições de higiene dos ambientes de acordo com as recomendações da autoridade sanitária. O mesmo se aplica às Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Norte S.A. (CEASA) e à Central de Comercialização da Agricultura Familiar e Economia Solidária (CECAFES).

Transportes
Os transportes intermunicipais terão redução de 50%  da frota nos dias úteis e suspensão integral do serviço em feriados e fins de semana. Fica proibida a utilização de ventilador ou ar-condicionado e deverá haver a limitação de passageiros ao número de cadeiras existentes.

Já para o serviço de transporte individual de passageiros, por táxi e por aplicativo, também fica proibida a utilização de ventilação artificial, sendo recomendada a circulação com vidros abertos.

Escolas
A governadora já havia determinado a suspensão das aulas das redes municipais, estadual e privada no estado. A medida foi do dia 18 de março e vale até 2 de abril.












Deixe seu comentário!

Comentários