Potiguares avançam como franquias

Publicação: 2014-02-23 00:00:00
Ter o próprio negócio é o sonho de boa parte dos brasileiros. A última pesquisa da agência européia Eurobarometer, especializada em empreendedorismo, mostrou que 76% dos brasileiros gostariam de empreender. O número deixou os brasileiros somente atrás da Turquia quanto à vontade de ser o próprio chefe. Esse cenário, junto com a ascensão da classe C e a expansão do crédito no Brasil, que favorece o varejo, tem alavancado as buscas por oportunidades de negócios e franquias têm sido apontadas como opção para começar a empreender de uma forma simples e orientada. No sistema de franquia, o franqueador cede o direito de uso da sua marca e know-how, por exemplo. O franqueado paga em troca.
O setor de alimentação é um dos que mais crescem como franquia, mas áreas como vestuário e hotelaria também são promissoras
Empresários potiguares começaram a se preparar para a expansão de seus negócios através desse modelo. É o caso do Gourmet Burguer, rede de sanduíches e lanches rápidos que irá inaugurar a sua primeira franquia em Mossoró no mês de março e já conta com mais uma unidade em construção na Av. Abel Cabral, em Parnamirim.  “Nosso negócio, que começou com um carrinho na Av. Eng. Roberto Freire, se mostra hoje lastreado sob um forte conceito de produto, o que nos permite expandir nacionalmente com facilidade”,  contou José Newton, proprietário da marca.

Expansão
Outra marca potiguar em  expansão é a rede de quiosques de frango frito Fritss – Best Hot Chicken, projetada para fácil instalação em áreas sobressalentes de postos de combustíveis. O modelo do negócio chamou a atenção de investidores cearenses e pernambucanos, onde o Fritss já negocia a instalação de suas próximas unidades. “Hoje temos 3 unidades abertas, a meta é estar com 10 quiosques operantes ainda em 2014”, conta o empresário Pedro Melo, responsável pela criação do conceito e operação dos quiosques e da franqueadora.

Aproveitando também o crescimento da busca por alimentação saudável, o restaurante Flor de Sálvia, hoje em operação na av. Afonso Pena, iniciou sua padronização para o modelo de franchising a partir dos constante questionamentos de clientes quanto a possibilidade de abertura de uma nova unidade em outras cidades e estados. “Entendemos que temos um produto diferenciado. Bastava aprender como replicar o nosso conceito sem perder a qualidade.” disse Marina Pantoja, cheff proprietária da marca que já olha para João Pessoa e Recife como cidades-alvo das próximas unidades.

Natal entrou também na rota de marcas internacionais que escolheram o modelo de franquias para inicio dos trabalhos no país, é o caso da Lifestyle – Kitchen Collection, quiosque de utensílios domésticos instalado no Natal Shopping. Logo a marca percebeu a necessidade e oportunidade de uma rápida expansão pelo Nordeste através do franchising.

 “Nosso segundo e terceiro quiosque serão instalados em Recife, a cidade tem um alto mercado endereçado e complementará Natal como uma excelente vitrine para o resto do país”, citou o espanhol Juan Garcia, dono da marca.

Com matriz na avenida Prudente de Morais, em Natal, o Pittsburg conta com 14 franquias em funcionamento. Há lojas na capital potiguar, em Parnamirim, Campina Grande (PB), Mossoró, Aracajú (SE) e Maceió (AL). Segundo a empresa, outras oito franquias devem inaugurar ainda neste semestre fora do Estado. “O plano é chegar a todo o país”, diz a empresa.

Samuel Gondim, responsável pela linha de franquias da SGS Soluções, consultoria  especializada em  padronizações e otimização de processos,   frisa que o mercado tende a continuar aquecido. “Muitos empreendedores estão procurando oportunidades de investimento”.

O MERCADO NA CAPITAL
Uma pesquisa editada pela Consultoria Rizzo Franchise mostra Natal como a 26ª cidade entre as 100 mais promissoras para franquias no país. O levantamento considera nove ramos de atuação das redes e, a partir deles, aponta as melhores cidades para cada tipo de empresa, considerando indicadores de consumo e a demanda de cada setor por localidade. Os dados foram divulgados em 2012. Saiba mais sobre o mercado na capital:

Segmentos com maior concentração de franquias em Natal:
Educação e treinamento
Livrarias
Infantil
Automotivo
Construção e Mobiliário
Alimentação
Saúde e beleza
vestuário e acessórios
Hotelária e Turismo

Segmentos que deverão ter maior crescimento, nos próximos cinco anos, em Natal:
Alimentação
Vestuário e acessórios
Hotelaria e Turismo

Ranking Nordeste             
Participação Mercado - % (em relação ao total de franquias na região – Dados de 2012)
PE     31%
CE    24%
BA    22%
PB     8%
RN    6%
AL    4%
MA     2%
SE     1%
PI     1%
Fonte: Rizzo Franchise

Especialistas recomendam cautela aos investidores
O valor de investimento em uma franquia varia e especialistas recomendam cautela antes de apostar no setor.  “Não se iluda com pequenos investimentos que prometem grandes lucros. Todo lucro é proporcional ao valor investido. Você jamais investirá R$ 10 mil e lucrará R$ 100 mil. Desconfie de promessas de grandes ganhos”, diz a advogada Melitha Novoa Prado, consultora jurídica de varejo e franchising e autora do livro ‘Franchising Na Alegria e Na Tristeza’.
Fugice Jr: É preciso analisar exigências da franqueadora
O consultor e especialista em franquias e varejo José Carlos Fugice Jr, observa que há diferentes perfis de franquias e é importante ter ciência de qual delas mais se encaixa com o seu perfil e com os seus objetivos pessoais e profissionais.

“É importante saber quais são as exigências que a franqueadora possui quanto à dedicação ao negócio. Pode ser somente um franqueado investidor? Precisa ter algum conhecimento técnico ou de mercado para operar o negócio? Pode ter outras atividades em paralelo? Pode ter outras lojas franqueadas no futuro?”, orienta.

As empresas que desejam expandir o alcance de suas marcas por meio de franquias também precisam ter cuidado na hora de escolher o franqueado e na hora de dar “apoio”. “Infelizmente, a escolha de um franqueado inadequado para uma franquia causa um custo alto de gerenciamento.No caso de um franqueado sem perfil adequado, a insatisfação com a operação, por mais que seja superavitária.Também há a falta de profissionalismo do franqueador quando não presta o apoio necessário à gestão do negócio e na escolha do ponto”, disse o consultor da Associação Brasileira de Franchising (ABF), Alexandre Barreiro, em entrevista à Agência Sebrae de Notícias, no Rio Grande do Norte, sobre os casos de insucesso após investimento nesse setor.

Leia também: