Economia
Preço médio da gasolina comum recua 2,62% no RN
Publicado: 00:00:00 - 30/11/2021 Atualizado: 23:53:46 - 30/11/2021
O preço médio da gasolina comum no Rio Grande do Norte teve um recuo de 2,62% em um intervalo de 27 dias. Em números absolutos, os valores saíram de R$ 7,228 na semana de 31/10 a 06/11 para R$ 7,038, nesta última semana da pesquisa, de 21/11 a 27/11. O número de postos pesquisados no Estado no período foi de 54 e 34. Apesar da queda no valor, o preço comum da gasolina no RN é o 5º maior do Brasil.

Magnus Nascimento
ANP pesquisou, na semana de 21 a 27 de novembro, o preço dos combustíveis em 34 postos

ANP pesquisou, na semana de 21 a 27 de novembro, o preço dos combustíveis em 34 postos


Os valores foram divulgados na pesquisa semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), publicada nesta segunda-feira (29). Do dia 31 de outubro até o dia 27 de novembro, o preço médio variou entre R$ 7,228; R$ 7,208; R$ 7,123 e R$ 7,038. O preço mínimo nesta recente pesquisa da ANP no RN foi de R$ 6,849 e o máximo foi de R$ 7,199.

Nesta última semana da pesquisa, do dia 21 ao dia 27, o Rio Grande do Norte ficou atrás apenas de Rio de Janeiro (R$ 7,258); Goiás (R$ 7,251); Rio Grande do Sul (R$ 7,096) e Acre (R$ 7,068). De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Rio Grande do Norte (Sindipostos/RN), Antônio Cardoso, que reforça que o sindicato não monitora nem interfere na política de preço dos associados, a redução no valor médio pode estar atrelada a promoções de fim de ano.

“Não tivemos nenhuma movimentação da Petrobras que justificasse essa redução. O que eu imagino é que é final de ano, as despesas aumentam, existe necessidade de capital, caixa, e as empresas adotam promoções para trazer mais clientes. É a liberdade que o posto tem de fazer a promoção, definir quanto tempo vai durar”, cita.

“O sindicato não acompanha nem monitora essa política de preço dos nossos associados. Não interferimos nessa política e nem temos como precisar qual justificativa em relação a isso. Queremos crer que seja algo ligado às promoções”, reforçou. 

O último reajuste da Petrobras nas refinarias foi no dia 25 de outubro. O litro da gasolina vendido pela empresa às distribuidoras passou de R$ 2,98 para R$ 3,19, o que representou um aumento de R$ 0,21 ou de cerca de 7%. Já o litro do diesel passou a ser vendido a R$ 3,34 nas refinarias da Petrobras, o que representou um aumento de cerca de 9% sobre o preço médio atual, de R$ 3,06. 

A Petrobras justifica que os reajustes no preço garantem que o mercado "siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento". "O alinhamento de preços ao mercado internacional se mostra especialmente relevante no momento que vivenciamos, com a demanda atípica recebida pela Petrobras para o mês de novembro de 2021. Os ajustes refletem também parte da elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo, impactados pela oferta limitada frente ao crescimento da demanda mundial, e da taxa de câmbio", afirmou a empresa à época.

Cenário nacional
O preço dos combustíveis ficaram perto da estabilidade na semana passada, com alguns cedendo ou subindo ligeiramente em relação à semana anterior, cenário que pode mudar esta semana após mais informações sobre a nova variante do coronavírus, Ômicron, cujo impacto já levou ao adiamento da reunião da Organização Dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) e do Réveillon em Salvador, Bahia.

Segundo a ANP, a gasolina ficou estável na semana de 21 a 27 de novembro contra a semana anterior, custando em média R$ 6,748 o litro no País. O maior preço encontrado pela agência foi de R$ 7,962/l, no Sul, e o mais baixo de R$ 5,279/l no Sudeste. Nas três semanas anteriores, o preço da gasolina chegou a atingir R$ 7,999 o litro na região Sul.

O óleo diesel teve leve alta no preço médio, de 0,18%, para R$ 5 366/l, sendo o preço mais elevado no Norte do País, R$ 6,700/l e o mais baixo no Sudeste, R$ 4,119/l. O Gás Natural Liquefeito (GLP) de 13 quilos, ou gás de cozinha, subiu 0,3%, mantendo o preço máximo de R$ 140 no Centro-Oeste e subindo o preço mínimo para R$ 80,00, de R$ 77,99 da semana anterior, informou a ANP. 

O etanol hidratado também registrou ligeira queda, de 0,3% na semana passada, para um preço médio de R$ 5,395, sendo R$ 4,399 o mais baixo, na região Sudeste, e R$ 7,899 o mais alto,no Sul do Brasil. O metro cúbico do Gás Natural Veicular (GNV) caiu de uma média de R$ 4,354 para R$ 4,307, ou menos 1%. O preço mais alto ficou em R$ 5,859, no Sudeste, e o mais baixo, R$ 3,179,no Centro-Oeste.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte