Preocupados, times do Brasil discutem lesões em excesso

Publicação: 2020-11-24 00:00:00
A paralisação de três meses no futebol causada pela pandemia do novo coronavírus e a maratona de jogos neste segundo semestre têm feito o número de lesões nos jogadores subir. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ainda vai compilar todos os dados ao final da temporada, em fevereiro, mas a entidade e os profissionais de clubes ouvidos pela reportagem acreditam que os casos serão muito superiores em relação a anos anteriores.

Créditos: Atlético/MGExcesso de contusões teria relação com o calendário apertadoExcesso de contusões teria relação com o calendário apertado

Na volta dos treinos em junho, os trabalhos foram focados na prevenção de lesões. Os jogadores realizaram atividades durante a pausa do futebol, mas em casa, acompanhados de forma virtual pelos profissionais dos clubes. Mesmo com a preparação antes do reinício dos campeonatos, os atletas sentiram o pouco tempo entre uma partida e outra. A CBF acordou com a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) a redução do tempo mínimo de descanso entre os jogos, passando de 66 horas de intervalo para 48 horas. Tudo por causa do calendário espremido até o fim da temporada.

O coordenador científico do Palmeiras, Daniel Gonçalves, ainda aponta outro fator para o desgaste dos jogadores: as viagens para outros Estados e para outros países para a disputa de torneios continentais, como Copa Libertadores e Copa Sul-Americana. Agora, com as fases decisivas das competições de mata-mata, o desgaste mental também acaba influenciando. "Já prevíamos isso e fizemos um controle específico de carga desde a quarentena, com os trabalhos virtuais. Projetamos atividades não só para fortalecimento, como também de prevenção. Mas são medidas paliativas. Com o acúmulo de jogos e viagens, pelo fato de o Brasil ter dimensões continentais e também deslocamentos para fora do País, os atletas inevitavelmente jogam sem estarem plenamente recuperados. Tem agora o componente emocional, que acaba aumentando a fadiga. Tudo isso influencia para o acontecimento de lesões", afirmou Gonçalves.

O preparador físico Flávio de Oliveira, do Corinthians, disse que tem trabalhado cada vez mais próximo do departamento de fisioterapia para montar atividades de prevenção de lesões. Ele acredita que rodar o elenco é fundamental durante a maratona de jogos para evitar perder atletas machucados.

"A gente vê que o acúmulo de jogos está sendo excessivo. A partir do momento que você joga dois, três, quatro partidas seguidas, o índice de lesão aumenta muito. Por isso que, quando mais equilíbrio tiver, melhor. É preciso visualizar o atleta que está mais desgastado, saber o usar o grupo. Sou favorável a rodar o elenco, senão o atleta acaba só recuperando e jogando", disse o preparador. "A lesão é multifatorial. A sequência de jogos, a falta de sono, sobrecarga de treinos, alimentação e por aí vai. São vários fatores", acrescentou.

No Santos, com a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil, a comissão técnica passou a ter mais dias para preparar o elenco para as partidas. O fisiologista Marcelo Takayama explicou a diferença no trabalho passado aos jogadores quando há a semana cheia para treinar. O time chegou a emendar viagens para Equador, onde atuou pela Libertadores, e Ceará, para enfrentar o Fortaleza.

"Com os jogos em sequência, pensamos mais na recuperação dos atletas. Quem precisa mais de 'recovery' (técnica de recuperação muscular)? Fazemos análise de CK (níveis sanguíneos de creatina quinase que, quanto mais altos, maior o risco de lesão), a percepção de fadiga. Quando tem a semana cheia, pensamos em ganho de performance, com ganhos importante de força, velocidade e aceleração, além da parte técnica. Só conseguimos isso com dias de preparação. Com dois ou três jogos na semana, fica difícil", afirmou.

O assunto que tem tomado conta das conversas via WhatsApp dos integrantes das comissões técnicas dos clubes é justamente o que fazer para recuperar os jogadores em tão pouco tempo.