Pressão por leitos críticos para a covid-19 recua no RN

Publicação: 2020-07-10 00:00:00
A+ A-
Luiz Henrique Gomes
Repórter

A pressão de pacientes com  quadro grave da covid-19 por leitos críticos na rede pública de saúde do Rio Grande do Norte diminuiu entre o dia 1º de julho e esta quinta-feira, 9. A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN) tem informado desde a segunda-feira, 6, que o número de leitos críticos (Unidade de Terapia Intensiva ou semi intensivo), é maior que o número de pessoas em estado grave na fila de espera por um deles. Às 14h45 desta quinta-feira, por exemplo, o número de leitos vagos chegou a 23, e o de pacientes na fila de espera, 12.

Créditos: Elisa ElsiePetrônio Spinelli destacou que o momento, apesar de passível de comemoração, não representa afrouxamento das medidas da SesapPetrônio Spinelli destacou que o momento, apesar de passível de comemoração, não representa afrouxamento das medidas da Sesap


No primeiro dia de julho, a Sesap/RN informou que 42 pessoas estavam na fila de espera por um desses leitos, número praticamente quatro vezes maior que o atual. Apenas 15 leitos estavam disponíveis no mesmo dia. Segundo a Sesap/RN, a redução observada no período está ligada à taxa de transmissão, que reduziu na segunda quinzena de junho e começa a se refletir agora, com um número menor de infectados, e ao aumento da oferta de leitos. Por outro lado, a taxa de ocupação dos leitos públicos específicos para a covid-19 permanece alta e semelhante a da semana passada: 90,6% nesta quinta-feira, contra 93,2% no dia 1º de julho.

O secretário adjunto de Saúde do Estado, Petrônio Spinelli, afirmou nesta quinta-feira, 9, durante a coletiva de imprensa diária da Sesap/RN que a diminuição de pacientes na fila de espera é uma “esperança” para a assistência em saúde dos pacientes acometidos pela covid-19. Entretanto, para Spinelli, ainda é preciso cuidado com a pandemia para a situação não regredir e a pressão voltar a aumentar. “Apesar de todos os nossos esforços, o que garante efetivamente a estabilização desse quadro, a não-piora dos leitos de UTI, são as medidas de prevenção com o distanciamento social”, disse.

Ele citou diretamente a situação de Natal, que não seguiu as últimas recomendações do Estado em adiar por mais uma semana a nova fração da reabertura gradual da economia. Além disso, é na região metropolitana da capital que se encontra a maioria dos pacientes em estado grave que aguardam a transferência para um leito crítico. A taxa de ocupação dos leitos de UTI nos hospitais públicos da região chega a 92,8%. “Do mesmo jeito que ficamos alegres, esperançosos com os números atuais, nós ficamos preocupados ao saber, por exemplo, que o Alecrim está da mesma forma que a pré-pandemia [com aglomerações]”, lamentou Spinelli.

Oeste e Seridó
Apesar de externar preocupação com a região metropolitana de Natal, Petrônio Spinelli também afirmou que nas regiões Oeste e Seridó, os leitos específicos para a covid-19 voltaram a ter uma ocupação maior. Ela é total nos hospitais públicos da região Oeste, que ficam localizados em Mossoró, mesmo com a abertura de mais cinco leitos na última semana. “É um fenômeno que precisamos observar. Nos chama a atenção e precisamos ficar de olho para entender o que pode estar acontecendo na região”, disse.

A ocupação no Seridó cresceu nas últimas 24 horas. O Hospital do Seridó, localizado em Caicó, passou de 21 leitos ocupados para 25, de 30 existentes. Essa região, assim como Pau dos Ferros, serve principalmente de retaguarda para pacientes do Oeste, uma área sensível à pandemia desde o início.

Sesap/RN investiga 188 mortes
Também durante a coletiva de imprensa desta quinta-feira, a Sesap/RN afirmou que o número de infectados pelo novo coronavírus chegou a 37.046, e o de mortes, 1.344. O aumento em 24 horas foi de 535 novos casos e 18 mortes, sendo seis das mortes ocorridas no período - as outras mortes ocorreram anteriormente, mas estavam em investigação.

 Outras 51 mil pessoas são consideradas suspeitas de estarem com o vírus e 188 mortes permanecem em investigação. O número de pessoas que realizaram o teste e tiveram o resultado descartado para covid-19 alcançou 58,3 mil nesta quinta-feira. Já as mortes descartadas, que ficaram como suspeitas e foram investigadas, chegam a 288.