Previdência, o que muda?

Publicação: 2019-02-03 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Previdência, o que muda?

Analistas afirmam que as dúvidas que ainda persistem sobre a reforma da Previdência Social começam a provocar desconfiança no mercado. A eleição ontem no Senado e na Câmara dos Deputados podem mudar tudo. A proposta de reforma do sistema previdenciário vai mesmo abranger o os militares, reduzir a contribuição das empresas e instituir o regime de capitalização individual para os trabalhadores? A equipe do governo Bolsonaro ainda discute, porém, com quantos anos as pessoas poderão se aposentar, se com 62 ou com 65 anos. O fato é que o mercado aguarda uma reforma que descortine um horizonte de médio ou longo prazo buscando o equilíbrio das contas públicas.

Futuro

Pela proposta de reforma enviada ao Congresso pelo governo de Michel Temer, que pode ser absorvido por Jair Bolsonaro, seria fixada idade mínima de 65 anos para os homens e de 62 anos para as mulheres.  No ano passado, o rombo na Previdência dos estados ficou em R$ 93,9 bilhões, insustentável, segundo os economistas.

Estados 

“O grande problema dos estados não é a dívida, mas pessoal”, vem repetindo e alertando o Secretario Mansueto Almeida, do Tesouro Nacional. No RN, se fizesse um levantamento desse aumento de custo na folha, de duas décadas para cá, encontraria absurdos vindo de vários poderes , segundo um especialista.  Foram despesas jogadas no Orçamento sem a devida fonte para a sua cobertura, como determina a lei.

Regra

O governo Bolsonaro deverá solicitar autorização do Congresso Nacional para a emissão de um crédito suplementar para cobrir o rombo de R$ 258,2 bilhões para cumprir  a Regra de Ouro. Muitas despesas deixarão de serem pagas a partir do segundo semestre. Prevista na Constituição a norma proíbe que a União emita títulos da dívida para cobrir despesas correntes, como salários e benefícios previdenciários.

Modernização

As novas diretrizes estimulam a modernização dos currículos de engenharias no país, avalia a CNI. O texto aprovado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) tornará o ensino mais moderno e conectado com a Indústria 4.0. A mudança fortalecerá a indústria e a agenda de inovação no país.

Energia e agricultura

Agora em fevereiro o Brasil terá alta de 7% na carga de energia e chuvas abaixo da média, prevê o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). A carga de energia representa a soma do consumo com as perdas na rede elétrica. O sinal ou a bandeira amarela não será adotada para remunerar a geração de energia com o acionamento das termelétricas. No Sudeste, onde se concentram os grandes reservatórios, as precipitações foram estimadas em 71% da média histórica, enquanto que no Sul os volumes deverão atingir 80% da média. Para o Nordeste, a previsão do ONS é de chuvas em apenas 18% do esperado para o mês, e no Norte a estimativa é de 83% da média.

Agronegócios

As inscrições para feiras internacionais no setor do agronegócios estão abertas. As missões comerciais organizadas pelos ministérios da Agricultura e de Relações Exteriores visam atrair investimentos e ampliar pauta de exportações do agro. As empresas e entidades interessadas em integrar as missões comerciais devem acessar o link “Participar de feiras de agronegócio”, no Portal de Serviços do Governo Federal.

1 - A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) quer a revogação do decreto que reduz os descontos sobre energia no meio rural. A medida vai impactar principalmente a irrigação e a aquicultura com elevação de até 43% no custo da energia.  O decreto publicado no ano passado  reduz gradualmente os descontos sobre a tarifa básica de energia nas propriedades rurais.  Segundo a entidade, a medida vai elevar o custo de produção e dos preços.

2 - O Ministério de Minas e Energia publica os estudos de apoio para elaboração do Plano Nacional de Energia 2050 (PNE 2050). As análises foram realizadas ao longo de 2018 em conjunto com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e seguiram recomendações e diretrizes da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético (SPE). O conjunto reúne 23 documentos e abrange os registros de quatro workshops e de notas técnicas e estudos da EPE desenvolvidos no ano.

3 - A Mitsubishi deverá explorar gás na Amazônia. A Amazonica Energy, empresa criada em 2016 por técnicos do setor elétrico, negocia com uma companhia internacional da área de gás natural parceria para implantar sistema de movimentação de gás natural liquefeito (GNL) na região amazônica. O plano é usar as hidrovias da região. O gás será um combustível a ser usado pelo mundo por muitos anos, com enormes reservas.

Publicidade

O mercado publicitário do País está otimista para o ano de 2019 acompanhando o otimismo de todos os setores da economia. Os investimentos chegaram a R$ 7,67 bilhões no primeiro semestre de 2018. A publicidade é sinalizadora de crescimento.

Construção

Ainda em baixa, o mercado da construção civil do RN tem  aumentada a procura de investidores por prédios construídos através de obra de condomínio, com o metro quadrado barateando em cerca de 20%. O edifício Solar Sinatra, de alto padrão, com 27 andares, em Areia Preta, em Natal está sendo organizado pelas imobiliárias Aliança e Peres&Peres.

Aviação

A companhia portuguesa TAP cresceu 7,8% e transportou 1,7 milhão de passageiros no Brasil em 2018. Globalmente a TAP atingiu a marca de quase 16 milhões de passageiros transportados e o crescimento em relação a 2017 foi de 1,5 milhões de passageiros. As rotas do Brasil continuam a ser determinantes para a TAP.

Oportunidade

A Cosern, grupo Neoenergia, está oferecendo bolsas em pos-graduação na Espanha e Grã Bretanha.  As inscrições estão abertas até 29 de março. As bolsas de pós-graduação são para o ciclo 2019-2020 são para as áreas de Energia, Meio Ambiente e Tecnologia da Informação e da Comunicação.






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários