Economia
Procon Natal constata aumento de 8,42% na cesta básica no primeiro quadrimestre do ano
Publicado: 10:49:00 - 12/05/2022 Atualizado: 10:50:22 - 12/05/2022
O Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor – Procon Natal, realizou pesquisa da cesta básica, no mês de abril em 25 estabelecimentos comerciais da capital e constatou que houve alta pelo quarto mês seguido, com um acumulado de 8,42%. O preço médio desse mês analisado foi de R$ 409,95; no mês anterior, o preço médio da cesta básica era de R$ 402,79, registrando uma variação entre um mês e outro de 1,75%, e isso representa um aumento no custo para o consumidor de R$ 7,16.
Aléx Régis

O Núcleo de pesquisa como sempre fez a comparação do custo em Reais da cesta básica, assim como a diferença e a variação entre os segmentos pesquisados para uma melhor orientação aos consumidores. O preço médio da cesta básica mais cara é de 426,90 nos hipermercados e supermercados em relação aos supermercados de bairro com preço de R$ 410,57, equivalente a uma variação de 3,98%, e uma diferença em Reais de R$ 16,33. Fazendo a mesma comparação com os atacarejos, a pesquisa encontrou um preço médio esse mês de R$ 391,70, então a variação é bem maior de 8,99% e a diferença em Reais é de R$ 35,20. Os maiores preços encontrados pela pesquisa da cesta básica foram de R$ 460,76, nos hipermercados e supermercados, R$ 439,22, nos supermercados de bairros e de R$ 414,13 nos atacarejos. Já os preços mais baratos de cesta básica encontrados pelos pesquisadores na mesma ordem foram: R$ 399,63; R$ 385,92 e R$ 378,45.

O Núcleo de pesquisa realizou nas quatro semanas do mês de abril, junto a oito hipermercados, seis atacarejos, como também 11 supermercados de bairro denominados de mercadinhos, contemplando assim as quatro zonas da cidade, e divulga em seu site: www.natal.rn.gov.br/procon/pesquisa, o resultado da cesta básica mais barata, variação de maior e menor preço, e os preços médios das categorias pesquisadas que são: mercearia, açougue, higiene/limpeza e hortifrúti, compondo assim os quarenta produtos pesquisados. Em posse desses dados o consumidor natalense pode buscar vantagem no melhor preço para comprar. 

Comportamento dos preços
A cesta básica no mês de abril teve variação positiva em relação ao mês de março de 1,75%, e em março a variação do mês foi de 2,13%. Dos 40 quarenta itens pesquisados nas quatro categorias que compõem a cesta básica, todas tiveram variação positiva.
Na categoria de mercearia, a variação foi de 4,44% em relação ao mês anterior, todos os produtos dessa categoria tiveram variação positiva, as maiores variações foram: feijão-carioca com 7,83%, farinha de mandioca com 6,10%, o macarrão com 5,95%, o pão francês com 5,55% e o óleo de soja com o maior percentual de 7,71%. O valor médio dessa categoria no mês foi de R$ 83,40, na primeira semana o valor médio foi de R$ 82,62 e na última semana a pesquisa encontrou o valor médio de R$ 84,31, variação de 2,04% durante o mês.

Na categoria de Açougue, a variação foi positiva em 0,45% no entanto dois produtos tiveram variação negativa a carne de primeira e carne de segunda de (-0,41%) e (-0,24) e mesmo com essa redução estão caros uma vez que o preço médio de R$ 48,69 e R$ 32,46, respectivamente, no mês anterior o preço médio desses produtos foi de R$ 42,89 e R$ 32,34. Já o frango congelado e ovos tiveram variação positiva de 3,19% e 4,13% respectivamente, esses produtos sofrem interferência do mercado internacional e no custo do mercado interno.

A categoria higiene e limpeza teve variação positiva de 2,11%, os produtos dessa categoria não possui tanta interferência na cesta básica apesar de fazer parte dos produtos que a compõe, em destaque com variação negativa de (-0,79%) o sabonete de 85 g com preço médio de R$ 2,24 e um destaque com variação positiva nessa categoria foi o sabão em pó com 500 g de 6,73% e um preço médio de R$ 3,57.

Por fim, a categoria de hortifrúti teve variação positiva de 3,14%, dos treze produtos três estão com variação negativa, em destaque o chuchu com (-22,14%) nesse mês o preço médio encontrado pela pesquisa foi de R$ 3,36 e no mês de março o preço médio desse produto foi de R$ 4,11. Com variação positiva os produtos em destaque dessa categoria foi: O tomate com variação 9,86% com o preço médio de R$ 8,57, a alface com 5,19% e um preço médio de R$ 2,31, o repolho com a maior variação encontrada nessa categoria de 12,65% e a laranja 6,08%.

Avaliação
Após avaliar os dados dos preços dos produtos da cesta básica nos quatro primeiros meses deste ano de 2022, o Núcleo de pesquisa do Procon Natal observou que a tendência nos preços observados no ano passado, que foi de alta, segue a mesma tendência para esse ano, como comprovam os dados observados pela pesquisa. As causas para isso são noticiadas na área de economia como: guerra da Ucrânia e Rússia, grandes produtores de grãos que abastecem o mercado internacional, produção do país negociada em commodities. Enquanto isso, no mercado interno temos uma oferta menor, o que incentiva a taxa de câmbio e favorece as exportações da produção.

O Núcleo de pesquisa também orienta aos consumidores natalenses que pesquisem antes de sair para as compras. Os dados analisados pelo núcleo de pesquisa apresentam preços que variam durante determinadas semanas do mês assim como diferentes dias determinados da semana, ou seja, estratégias promocionais dos comércios para atraírem clientes, por isso é importante a pesquisa. O Procon Natal informa ainda que o objetivo da pesquisa é orientar o público sobre onde procurar esses produtos da cesta básica com os menores preços, e que a planilha está disponível no endereço eletrônico www.natal.rn.gov.br/procon/pesquisa, acessível aos consumidores para consulta na íntegra aos dados obtidos na pesquisa. Alerta também para que os consumidores fiquem atentos aos preços praticados nos estabelecimentos uma vez que estes produtos têm seus preços conforme o porte do estabelecimento e a variedade desses produtos disponíveis aos consumidores.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte