Produtos são “Bens imateriais do RN”

Publicação: 2020-02-13 00:00:00
A+ A-
Depois da Ginga com Tapioca da Redinha e o Grude de Extremoz, três novos produtos da culinária potiguar ganham títulos de patrimônio imaterial. Desta vez é a Carne de Sol, o Queijo de Coalho de Caicó e o Pastel de Tangará que ganharam titularidades de “Patrimônio Cultural Imaterial do Rio Grande do Norte”. As leis foram sancionadas ontem (12) pela governadora Fátima Bezerra. A proposição foi do deputado Albert Dickson (PROS). Na justificativa da proposta, o deputado defendeu que "as iguarias são um patrimônio importante dado a uma tradição nesses dois municípios". O deputado Francisco do PT foi o relator das matérias na comissão de Desenvolvimento Econômico e Social da Assembleia e enalteceu a proposta. Ele disse que “quem viaja pela BR-226 sempre para em Tangará para comer o pastel. O queijo de coalho e a carne de sol de Caicó têm a mesma importância para aquela cidade e seus visitantes”. Vale lembrar que o título difere daquele concedido pelo IPHAN à Festa de Santana de Caicó, considerada um “Bem Cultural Imaterial do Brasil” desde 2010. Para especialistas, é mais importante salvaguardar os modos de fazer (receitas, métodos)  e  seus criadores.