Natal
Professor vê reflexos da pobreza extrema nos índices de violência
Publicado: 00:00:00 - 17/04/2018 Atualizado: 14:50:41 - 17/04/2018
O crescimento do número de pessoas que vive abaixo da linha de pobreza extrema no Rio Grande do Norte reflete, “diretamente”, nos índices de violência. A afirmativa é do professor Cláudio Roberto de Jesus, do curso de Gestão de Políticas Públicas da Universidade Federal do RN, que traça paralelos entre o aumento de 25,2% dos casos de CVLI (Crimes Violentos Letais Intencionais) no RN – de 2016 para 2017 – com o avanço da miséria no Estado.

De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgados no último dia 11 de abril pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a condição de pobreza extrema aumentou 18,45% no RN e 129,41% em Natal – no final do ano passado, cerca de 398 mil potiguares (destes, 78 mil natalenses) viviam com uma renda per capita de até R$ 137 por mês.

Leia Mais

    “Se cruzarmos os índices de pobreza extrema com os casos de violência, veremos que há uma relação direta. Essas informações dialogam com outros dados preocupantes, como o desemprego, a precarização das relações de trabalho e o aumento da informalidade”, observou Cláudio de Jesus, que é Mestre Economia Social e do Trabalho pela Unicamp e Doutor em Geografia pela UFMG.

    Para o professor, “não é difícil fazer ligações” entre o índice de miséria e o aumento de atividades ilícitas “e da própria violência”: “É uma relação preocupante, e um fenômeno eminentemente urbano em um País marcado por desigualdades sociais profundas, que poderiam ser amenizadas com a adoção de políticas públicas adequadas”, frisou o professor de Gestão de Políticas Públicas.

    Cláudio de Jesus ainda chama atenção para a necessidade de se fazer uma leitura mais humanizada dos números. “Quando falamos em pessoas abaixo da linha de pobreza extrema e taxas de desemprego, estamos falando de famílias, pessoas que estão procurando trabalho e não encontram. Nas cidades maiores essa questão representa um drama social, de famílias que estão vivendo em condição de miséria, e não de pessoas que estão passando por dificuldades devido à seca”, afirma o professor.


    Leia também

    Plantão de Notícias

    Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

    Jornal Impresso

    Edição do dia:
    Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte