Projeto de vida: o que as crianças pensam sobre o futuro

Publicação: 2018-10-12 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ícaro Carvalho
Repórter

A “pureza da resposta das crianças” foi a expressão escolhida pelo cantor Gonzaguinha quando ele compôs um dos seus maiores sucessos. Afinal, ser puro num mundo tão caótico é uma dádiva que apenas as crianças, em constante processo de evolução e conhecimento do ambiente que habitam, podem alcançar. Pensando nisso, no dia em que se comemora o dia das crianças, a reportagem da TRIBUNA DO NORTE procurou crianças para conhecer um pouco de suas rotinas e também para responder a pergunta: “o que define o futuro para você em uma palavra?”

As respostas são das mais diversas. Dividindo-se entre a timidez, a espontaneidade e o famoso “hmmm, deixe eu pensar”, as crianças registraram num papel, em uma palavra, o que veem e almejam para um futuro não tão distante, mas também não tão próximo.

A história aponta que o dia em que se comemora a existência dos pequenos surgiu na década de 20, quando o Brasil sediou o Congresso Sul-Americano da Criança, em 1923, sediado na data. Após a ocasião, o então deputado federal Galdino do Valle Filho (1879-1961) criou um projeto de lei para instituir o dia 12 de outubro como o dia das crianças, que só foi ser sancionado no dia 5 de novembro de 1924, após sanção do então presidente da República, Artur Bernardes.

Mesmo entrando no calendário oficial brasileiro, o dia das crianças só ganhou força na década de 1950, quando as marcas Johnson & Johnson e a fábrica de brinquedos Estrela lançaram a campanha “Semana do Bebê Robusto”. A ideia era aumentar as vendas e estimular a compra dos produtos dos pais para as crianças no dia em que se comemorava a data.  

Entre desejos pessoais e sentimentos coletivos, as crianças ouvidas pela reportagem tem rotinas parecidas e se desdobram entre aprender, brincar e principalmente, crescer. Alunos das escolas Over Kids e da Municipal Professor Carlos Bello Moreno, eles conversam com a reportagem sobre o que gostam de fazer e claro, o que esperam para as suas vidas.

Guilherme de Castro - Idade: 6 anos - Série: nível 4
.

Guilherme foi o primeiro a falar com a reportagem. “Eu vou ser logo o primeiro?”, comentou inocentemente. O pequeno de 6 anos gosta de jogar futebol, ficar com os pais. Mesmo com a pouca idade, ele já tem uma disciplina preferida: matemática. “Porque eu gosto de números e de contar, mais ou menos, menos ou mais”, revela. É torcedor do Corinthians, fã de Lionel Messi e tem um sonho: ser jogador de futebol. Sobre o futuro, Guilherme respondeu que quer um país vencedor: em todos os âmbitos, tanto no futebol, quanto como nação.

Maria Cecília - Idade: 5 anos - Série: nível 5
.

Cecília, como gosta de ser chamada, sentou na cadeira já mostrando de cara um pouco do seu jeito de criança: extrovertida e de personalidade forte. Gosta de ir à praia, caminhar com a mãe e principalmente, “brincar e comer doces”. Sobre o futuro, Cecília quis falar um pouco do que quer ser quando crescer: modelo e atriz. Até o jeito de sentar na cadeira mostra que a pequena parece ter isso em mente para o futuro.

Kauã Farias - Idade: 9 anos - Série: 3º ano
.

Samuel Nicolas tem apenas 7 anos e é um garoto com gostos diversos: jogar futebol, assistir desenhos animados e estudar. Simpático, mas sem esconder a timidez típica de uma criança, o pequeno natalense gosta ainda de matemática e de ler no tempo livre. Sobre o futuro, Samuel hesita um pouco em falar, mas fala que gosta de criar jogos em casa com seus brinquedos, além de jogar futebol. Sobre o futuro, Samuel conta que o mais importante é ser feliz, mas logo revela: quer ser jogador de futebol, pelo simples fato de gostar do esporte.

Anne Kaline - Idade: 8 anos - Série: 2º ano
.

Anne Kaline, de 8 anos, é uma menina sorridente, simpática e falante, que gosta de nadar, assistir e estudar. Morando com os pais e a  irmã, Ana Beatriz, de apenas 1 ano, Anne conta que tem todo um cuidado com a nova moradora de sua casa. É uma forma de se preparar para o que quer fazer no futuro: cuidar. “Quero ser médica”, responde. Os motivos são simples, para a jovem natalense: “porque consulta as pessoas e ajuda os outros”, respondeu.

Daniella Mellado Castillo - Idade: 11 anos - Série : 5º ano
.

Natural de Madrid, Espanha, Daniella Mellado veio morar no RN por vontade da mãe. Nas horas vagas, Daniella tem um hobby inusitado e diferente: ouvir músicas e ler trava-línguas na internet. “Não tenho um preferido”, revela. Ela também joga xadrez e recentemente foi bicampeã de um torneio realizado na cidade. Na escola, Daniella gosta de ciências e matemática e quer ser veterinária quando crescer. “Eu amo bichos, amo muito”, conta. Sobre o futuro, em uma palavra, Daniella pensou e escreveu: quer a vida. Assim, simples mesmo. Profundo? Talvez. Para Daniella, o futuro sem vida não é futuro.




continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários