Projeto do RN conquista uma premiação nacional

Publicação: 2009-11-15 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
Com o projeto Oficina de Tecnologia Assistida, o Programa de Internação Domiciliar (PID/RN) da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) conquistou, neste mês de novembro, o prêmio “Talentos da Maturidade e Programas Exemplares”, do Banco Real Santander.

O projeto foi idealizado pelas terapeutas ocupacionais Lorena Pimentel de Souza (Hospital Santa Catarina) e Lorena Lopes Diniz de Araújo (Hospital Deoclécio Marques). “A ideia surgiu das atividades junto ao PID. Trabalhamos com uma equipe multidisciplinar que procura avaliar o paciente como um todo. Nossa intervenção acontece no campo da Terapia Ocupacional, em especial na reabilitação”,  diz Lorena Diniz.
DivulgaçãoAlguns dos produtos adaptados com criatividade e baixo custo para ajudar quem precisaAlguns dos produtos adaptados com criatividade e baixo custo para ajudar quem precisa

A ideia consiste em desenvolver oficinas com o fim de capacitar o cuidador de idosos, dando destaque à produção de equipamentos e utensílios voltados para lhes restituir a independência funcional. “Este ano realizamos duas oficinas, capacitando um total de 100 cuidadores”, diz Lorena Lopes. Trata-se de projetar e montar instrumentos como apoios, bengalas, suportes, extensores, adaptadores que vão auxiliar o paciente a superar limitações de movimentos. “Tal é o caso de alguém que não consegue segurar um copo e precisa de um suporte para auxiliá-lo nessa tarefa”, explica Lorena Pimentel. O detalhe é que essas adaptações são feitas utilizando-se de materiais de baixo custo.  A matéria-prima é a cola, o papelão, o PVC, o emborrachado EVA entre outros materiais recicláveis. “Esse aspecto foi um diferencial nesse projeto, pois leva em consideração os pacientes de baixa renda”, destaca Lorena Lopes. Essas adaptações existem no mercado, mas costumam ter um custo elevado. “Com soluções criativas e acessíveis a equipe consegue os mesmos benefícios”, enfatiza Lorena Pimentel.

Equipe ganhará prêmio de R$ 70 mil

O Prêmio “Talentos da Maturidade” do Banco Real Santander foi criado em 1999 com o intuito de despertar a sociedade para uma nova reflexão sobre o envelhecimento. Além de três categorias artísticas há uma categoria especial chamada “Programas Exemplares”, cuja proposta é reconhecer e apoiar iniciativas inovadoras que promovam o bem-estar e a qualidade de vida dos idosos.

Esse ano, foram inscritos 600 trabalhos em todo o país. O Rio Grande do Norte foi o único vencedor na região Nordeste. A cerimônia de premiação será realizada no dia 30 de novembro em Campinas, SP. A equipe será contemplada com o valor de R$ 70 mil a ser investido na realização da oficina durante um ano. Com esse recurso, a equipe do PID/RN pretende capacitar gratuitamente 50 pessoas por mês em 2010. A previsão é de que as oficinas tenham início em janeiro do próximo ano. O público-alvo são os agentes de Saúde e acompanhantes de idosos.

Beneficiado

João Batista, 60 anos, é um dos beneficiados pelo PID. Diabético, teve um dedo do pé esquerdo e outro da mão esquerda amputados.  Desde então, deixou de realizar atividades comuns ao dia-a-dia. Como é canhoto, era difícil segurar um copo, um talher e mesmo sua barba era feita por sua esposa. “Tudo ficou mais difícil, dependia de minha mulher para tudo”, conta João.

Maria Lúcia, a esposa, relata que o drama começou depois da amputação. “Os outros dedos da mão doente perderam um pouco os movimentos”. Após o procedimento cirúrgico realizado no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, ele foi encaminhado para o PID do Hospital Santa Catarina já que reside no Jardim Progresso, na Zona Norte. “Aí ele foi atendido por uma assistente social e depois veio a equipe, a nutricionista, as meninas da terapia ocupacional, um monte de gente”, conta Lúcia.

Durante mais de um mês os curativos no pé eram feitos na residência, enquanto isso as terapeutas Lorena Lopes e Lorena Pimentel faziam os equipamentos para que ele voltasse a ter independência. “Verificamos que ele precisava de adaptações. Agora ele já consegue ter certa autonomia para realizar as atividades do cotidiano”, diz Lorena Pimentel.

“Quando usava a faca tinha medo de cortar a mão. Com o adaptador que trouxeram posso cortar. Apoio aqui, olhe, e corto igual um serrote. A escova de dente era outro problema, agora consigo pegar bem. Agora tudo fica de primeira”, conclui João Batista.

Programa pode atender 1.800 idosos por ano

Segundo a coordenadora do Programa de Internação Domiciliar da Sesap, Riudete Martins, além do baixo custo, esses materiais se adéquam ao ambiente onde o idoso vive, sendo facilmente encontrados. Ela salienta ainda que proporcionar ao paciente condições para que ele recobre sua saúde e tenha qualidade de vida é um dos objetivos do PID. “Enquanto que um idoso internado em um hospital gera um consumo de aproximadamente R$ 3,5 mil, no PID necessita de um investimento de pouco mais de R$ 2 mil”, complementa.

Isso acontece, segundo ela, porque os idosos, em condições clínicas de alta, mas que necessitam ainda de cuidados, passam a ser assistidos em casa por uma equipe multidisciplinar de profissionais da saúde como assistente social, médico, nutricionista, enfermeiro, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, psicólogo, técnicos de enfermagem mobilizados em função das necessidades do paciente. Além de evitar uma sobrecarga desnecessária nos hospitais, tem-se ainda a diminuição do risco de infecções hospitalares.

O PID foi criado em setembro de 2005, pelo então secretário estadual de Saúde Rui Pereira. Até agora, segundo dados da Sesap, beneficiou cerca de seis mil pacientes. Anualmente, o estado do Rio Grande do Norte investe cerca de R$ 2 milhões no Programa de Internação Domiciliar, que tem capacidade para atender 1.800 idosos. O PID funciona nos hospitais Santa Catarina, Monsenhor Walfredo Gurgel, Gizelda Trigueiro e Deoclécio Marques, em Parnamirim.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • ceci.parente

    Boa noite!!!!!! Adorei o engrossador de lápis, estou precisando saber com fazer pois em procedimento cirúrgico perde a sensibilidade de três dedos e com isto não consigo escrever e nem desenhar pois sou estudante de moda. Desde de janeiro que estou fazendo fisioterapia e terapia ocupacional que tem mim ajudado muito. Sou de Fortaleza-Cê. Abraços!!!!!!