'Projeto Padrinhos' é esperança para jovens que vivem em instituições de acolhimento

Publicação: 2019-09-11 17:22:00
A+ A-
Em parceria com o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), Ministério Público (MPRN) e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) o Projeto Acalanto Natal apresenta o Projeto Padrinhos, uma política de atendimento direcionada às crianças e adolescentes que hoje vivem em instituições de acolhimento, os 'abrigos'. O projeto será lançado às 14h deste sábado, 14, no auditório da Procuradoria Geral de Justiça do Estado, no MPRN.

O grande objetivo do Projeto Padrinhos é garantir às crianças e aos adolescentes acolhidos os seus direitos fundamentais, tais como: educação, saúde, lazer e esporte, de forma a beneficiá-los com memórias e referências afetivas, despertando o sentimento de pertencimento, promovendo a construção da autonomia, e o desenvolvimento nos aspectos social, moral, físico, cognitivo, educacional e financeiro.

De acordo com o Acalanto Natal, existem três modalidades disponíveis de padrinhos:

Afetivo:
possibilitará ao infante a convivência comunitária e familiar, revelando-se como uma figura de referência afetiva, que proporciona experiências gratificantes. Ex.: Proporcionar um almoço em família, ida ao parque ou cinema.

Profissional:
poderá ser pessoa física ou jurídica, que, conforme sua especialidade profissional, atenderá as necessidades das crianças e adolescentes, por meio de ações de responsabilidade social, junto às instituições de acolhimento. Ex.: Um professor poderá dar aulas de reforço em disciplina de sua especialidade.

Provedor: poderá ser pessoa física ou jurídica, que oferecerá suporte material ou financeiro, para suprir alguma demanda específica do infante, ou de acordo com suas possibilidades. Ex.: Doação de material escolar, prover curso de idiomas, práticas esportivas ou assistência médica.

Nas modalidades de apadrinhamento profissional e provedor poderão ser apadrinhadas qualquer criança ou adolescente que esteja institucionalizado, mediante autorização judicial. Já na modalidade de apadrinhamento afetivo, poderão ser apadrinhadas as crianças acima de 8 anos de idade, e adolescentes institucionalizados, que sejam órfãos ou tenham sido destituídos do poder familiar, desde que estejam autorizados judicialmente ao apadrinhamento.

Poderão ainda ser apadrinhadas na modalidade afetiva, as crianças menores de 8 anos de idade, que apresentam condições de saúde especiais que tornam remotas suas chances de adoção por família substituta – desde que, estejam com o poder familiar suspenso, ou destituído, e devidamente autorizadas judicialmente.

Para mais informações sobre o Projeto Padrinhos, preencha o formulário virtual destinado ao cadastro de pretendentes ao apadrinhamento, disponibilizado no endereço eletrônico http://euexisto.tjrn.jus.br/pt/apadrinhamento.

Confirmada a inscrição, o candidato ao apadrinhamento será oficialmente convidado para assistir a Palestra de Apresentação do Projeto Padrinhos, que ocorrerá no dia 14 de setembro de 2019, das 14h às 18h, no Auditório do Ministério Público do rio Grande do Norte – Procuradoria Geral de Justiça, localizado na Rua Promotor Manoel Alves Pessoa Neto, 97, Candelária, CEP 59065-555, Natal/RN.