Projeto para o Reis Magos é vetado

Publicação: 2013-09-10 00:00:00
Andrielle Mendes - Repórter

A Prefeitura de Natal rejeitou o projeto enviado pelo grupo Hotéis Pernambuco S.A. para a área que hoje abriga o hotel Reis Magos, na praia do meio. O grupo, que pretendia demolir o prédio atual - construído na década de 60 - e construir um complexo que reuniria apartamentos, escritórios e lojas, terá agora que apresentar uma nova proposta para o Município. A Prefeitura não fixou uma data para receber o novo projeto, mas disse ter pressa.
Imagem mostra como ficaria o hotel Reis Magos, de cara nova: Três prédios seriam construídos
O projeto enviado, segundo Fernando Bezerril, secretário municipal de Turismo, não se adequava ao Plano Diretor da cidade - instrumento que disciplina o uso do solo e impõe um limite para altura de prédios em determinadas áreas – e por isso foi rejeitado antes mesmo de o grupo se reunir com a Prefeitura.

A ideia do grupo, esclareceu o secretário, era construir três prédios – onde hoje há apenas um - com aproximadamente sete andares e 20 metros cada.

saiba mais

Eudes Galvão, arquiteto da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo, afirmou, porém, que o prédio não poderia ultrapassar a altura atual, que é de aproximadamente 12 metros. “Construir um prédio mais alto feriria o Plano Diretor e seria um obstáculo para a visão que as pessoas têm da praia”, justificou.

O empresário José Pedroza, um dos sócios do grupo, aguardará ser notificado oficialmente pela Prefeitura, mas já antecipou que apresentará “um projeto menor que se adeque a legislação”, sem detalhar que projeto seria esse e o que ele vai prever.

Reformar a estrutura atual, segundo Pedroza, não seria mais viável do ponto de vista econômico. “Para revitalizar a estrutura atual, sem considerar as surpresas que encontraremos ao longo da reforma, gastaríamos cerca de R$ 30 milhões, sem contar o que gastaríamos com equipamentos, móveis, pessoal. Eu não saberia dizer em quanto tempo teríamos o retorno desse investimento nem que retorno teríamos”, disse.

Pedroza descartou a possibilidade de vender o prédio para outros grupos e disse que ‘há muitas coisas que podem ser feitas naquela  área’. “Como o nosso empreendimento de R$ 90 milhões foi inviabilizado pelo Plano Diretor, vamos apresentar um projeto menor, dentro do que a cidade permite”, disse ainda.

A Prefeitura também tem planos para o prédio. O Município, segundo Fernando Bezerril, pretende desapropriar a área, tão logo a Secretaria de Serviços Urbanos conclua um estudo que determinará quanto poderá ser pago pelo imóvel ao grupo proprietário. A Prefeitura pensa em transformar o hotel num centro administrativo. A Secretaria Municipal de Turismo, por sua vez, pensa em transformá-lo numa espécie de albergue. Também haveria interessados em comprar o imóvel e revitalizá-lo, segundo Fernando Bezerril.