Projeto Seridó

Publicação: 2020-11-26 00:00:00
colunanotas@tribunadonorte.com.br

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, vai lançar hoje o edital para contratação da empresa que deverá elaborar o projeto executivo e de estudos complementares do Sistema Seridó, no Rio Grande do Norte. A abertura da licitação é o primeiro passo para a execução das obras, que vai beneficiar cerca de 280 mil pessoas em 24 municípios potiguares. Com a presença de Rogério Marinho, o lançamento do edital será nesta quinta-feira (26).

A estimativa é de que o Governo Federal invista cerca de R$ 280,6 milhões para a construção de mais de 330 quilômetros de canais adutores, estações de bombeamento, de tratamento e de pontos de catação de água. O Projeto Seridó será executado em duas etapas e contém 10 trechos. Na etapa norte, captará a água no Reservatório Armando Ribeiro Gonçalves, em Jucurutu. Já o Sistema Seridó Sul levará as águas do Rio São Francisco a partir do Reservatório Oiticica. O Governo do Estado cedeu os estudos de viabilidade técnica, econômico-financeira e ambiental e o projeto básico dos sistemas adutores.

Disputa na Femurn
A Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn) já tem pelo menos dois candidatos à sucessão do atual presidente, o prefeito de São Paulo do Potengi, José Leonardo Csssimiro. Estão na disputa os prefeitos de Lagoa Nova e São Tomé, Luciano Santos (MDB) e Anteomar Pereira (Republicanos). As eleições devem ocorrer em janeiro.

Articulação 
O prefeito reeleito de Lagoa Nova, Luciano Santos (MDB), anunciou esta semana que deverá concorrer à presidência da Fermurn. Luciano preside o Consórcio de Resíduos Sólidos do Seridó. Ele confirmou que está em articulação com os diversos prefeitos das mais diferentes regiões do Estado. 

Preocupação com a covid 
O deputado estadual José Dias (PSDB) demonstrou ontem, durante um pronunciamento na Assembleia Legislativa, preocupação com os casos crescentes de coronavírus, tanto no RN como nos demais estados do país. Segundo o deputado, é preciso proteger as pessoas que correm mais risco com a doença. “A campanha [eleitoral] foi feita de forma muito aberta e participativa, o que tinha o risco enorme de aumentar os casos de coronavírus. A juventude estava no limite de tolerância e foi para rua. Vimos no mundo inteiro um grito de independência da juventude, curtindo a vida como se nada tivesse acontecendo. É perigoso”, disse o parlamentar.

Prevenção com racionalidade
Para o deputado José Dias, “não deve haver lockdown”, como forma de combater o aumento de casos de covid-19. “Devem ser preservados os mais vulneráveis com racionalidade. Assim como também as empresas e atividades essenciais à vida humana”, destacou. Antes, o parlamentar abordou ainda a questão eleitoral, destacando que recentemente “passamos por um processo político no qual não podemos apontar ganhadores e perdedores”. “Houve modificação e permanência de lideranças. Eleição municipal não existe questão ideológica, é o problema local, o interesse da comunidade que conta”, apontou, durante o pronunciamento.

Transição 
A prefeita eleita de Goianinha, Hosanira Galvão (PL), anunciou ontem sua equipe de transição. A coordenação caberá com Gustavo Matias Dantas.

Cobrança das reformas 
O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a cobrar do Congresso Nacional o avanço na tramitação de reformas que já foram enviadas pelo Executivo antes mesmo da pandemia de covid-19. "As reformas estão lá, vamos avançar. O grande desafio da classe política hoje é não permitir que se perca essa arrancada da economia. É uma recuperação cíclica, forte. Os dados de consumo de energia, diesel, a arrecadação, o emprego - tudo indica isso" afirmou, em participação com o presidente Jair Bolsonaro em um encontro com investidores promovido pelo Grupo Voto. "Já é um fato que Brasil vai crescer 3% ou 4% em 2021 se nós não fizermos besteira. Se fizermos besteira, afunda de novo", completou.

Demostração de resiliência 
O ministro Paulo Guedes seguiu reclamando das críticas em relação à passividade do governo - e da equipe econômica - diante dos desafios à frente para a saída da pandemia. "Contra os fatos não há argumentos. Contra os números não há narrativas que se sustentem. Nós trabalhamos e razoavelmente bem, para não dizer que fomos extraordinários ou excepcionais. O Brasil mostrou resiliência e eu dizia que o Brasil ia surpreender o mundo", repetiu. 

Punição  
O Senado aprovou um projeto que aumenta a pena para invasões e furto de dados praticados pelo ambiente digital. A proposta ainda dependerá de votação na Câmara. Atualmente, a lei prevê reclusão de três meses a um ano e multa para quem invadir um dispositivo para adulterar ou destruir dados. Com o projeto, a pena seria elevada para um a quatro anos. Se o invasor obtiver conteúdo privado ou sigiloso, o projeto aumenta a pena para dois a cinco anos .