Protesto popular na BR 101 termina em confronto com PM

Publicação: 2013-05-16 00:50:00 | Comentários: 6
A+ A-
Roberto Lucena e Maria da Guia Dantas - Repórteres

Oito meses depois do último protesto popular, os manifestantes – em sua maioria estudantes – retornaram às ruas de Natal, no final de tarde de ontem, para protestar contra o aumento na tarifa do transporte público de passageiros. Desafiando uma decisão judicial que proibia a ocupação da BR-101, os integrantes da chamada “Revolta do Busão” ocuparam todas as faixas da via. O Batalhão de Choque da Polícia Militar (BPChoque) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) usaram balas de borracha, bombas de efeito moral e spray de pimenta para encerrar o movimento. Pelo menos cinco estudantes foram presos.
Alex RégisAssim como no ano passado, o protesto foi orquestrado pelas redes sociais. Desta vez, houve participação mais efetiva de entidades estudantisAssim como no ano passado, o protesto foi orquestrado pelas redes sociais. Desta vez, houve participação mais efetiva de entidades estudantis

Assim como ocorreu ano passado, a manifestação de ontem foi orquestrada pelas redes sociais. No entanto, dessa vez, houve uma participação mais efetiva de entidades estudantis. O motivo do protesto foi o anúncio do aumento da tarifa de ônibus que, a partir do próximo sábado, passará de R$ 2,20 para R$ 2,40. O reajuste corresponde a um aumento de 9,09%. De acordo com a informação divulgada pela Semob, o reajuste é menor do que o percentual de inflação acumulada durante 28 meses, que teria sido de 15,54%. O valor praticado é menor que o pedido pelos empresários, que era de R$ 2,75.

Através das redes sociais, os manifestantes anunciaram que o protesto seria pacífico. A concentração começou ao lado do shopping Via Direta onde policiais do BPChoque já estavam presentes. De lá, o grupo composto por aproximadamente duas mil pessoas seguiu rumo ao cruzamento das avenidas Hermes da Fonseca e Bernardo Vieira. Durante o trajeto, algumas pessoas jogavam bombas, invadiam faixas da via oposta e pichavam paredes de prédios públicos e privados.

Ao chegar em frente a uma universidade privada, o grupo se dividiu e cenas de vandalismo foram registradas. Jovens encapuzados chutaram lixos, batiam nos carros e ônibus e ameaçavam motoristas. Ao chegar ao cruzamento, todas as vias já estavam bloqueadas pela Semob e nenhum veículo passava no local. A ação prévia da Semob acabou frustrando os estudantes que queriam promover um “roletaço” nos ônibus. Como não havia ônibus trafegando, eles decidiram retornar ao local de início da manifestação.
Alex RégisEstudantes tentaram fazer roletaço nos ônibus, mas foram impedidos pela polícia militar. Pelo menos cinco pessoas foram detidasEstudantes tentaram fazer roletaço nos ônibus, mas foram impedidos pela polícia militar. Pelo menos cinco pessoas foram detidas

Na caminhada de retorno, o enfrentamento com a polícia foi inevitável. Nas proximidades de um shopping center, de acordo com o major Marinho, subcomandante do BPChoque, os policiais tentaram negociar a dispersão do movimento. Sem acordo, a polícia atirou balas de borracha e bombas de efeito moral contra a multidão. Mesmo assim, parte dos manifestantes continuou a caminhada. Foi no viaduto do 4°Centenário que o movimento foi disperso com uma nova saraivada de tiros de balas de borracha e spray de pimenta.

Na ação, pelo menos três pessoas foram presas pela Polícia Militar e mais duas foram detidas pela PRF. Algumas pessoas reclamaram do “excesso” de força da polícia. Policiais do BPChoque recolheram a máquina fotográfica do fotógrafo Rogério Marques. Quando devolveram o equipamento, as fotos feitas durante a manifestação já não estavam no cartão de memória. “Eu estava trabalhando e a polícia fez isso. É um absurdo”, contou. Já o estudante Paulo de Tarso, 18 anos, foi atingido por uma bala de borracha no rosto. “Acho que eles excederam.  O protesto estava pacífico”, disse.

Depoimentos

“A movimentação estava ocorrendo tudo na tranquilidade. Eu estava caminhando normalmente até que a polícia começou a atirar contra a gente. Uma bala atingiu meu rosto e outras pessoas que estavam perto de mim também foram atingidas. Acho que a ação foi desproporcional” - Paulo de Tarso, estudante

Eu estava apenas trabalhando, tirando fotos durante o protesto. De repente chegou um policial do BPChoque e pediu minha máquina. Consegui o equipamento de volta, mas apagaram todas as fotos. Isso é um absurdo” - Rogério Marques, fotógrafo

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • oxingamento

    Manifestantes atirando bombas?? Estou surpresso com o teor dessa matéria. Ao ler a manchete esparava encontrar a a descrição do q eu resenciei ontem à noite. A manifestação era pacífica mesmo - apesar da tensão de alguns integrantes. A SEMOB foi realmente bastante inteligente, desviando os veículos antes q fossem cercados pelos manifestantes mas o Batalhão de Choque mais parecia um bando de criançinhas armadas. Eles, sim, criaram confusão sem necessidade. Ñ dialogaram, jogaram bombas de gás lacrimejante, atiraram à esmo e covardemente espancaram até mulheres.

  • silvestresilvarn

    Estudantes fazem protestos? Estes que se dizem estudantes e fazem protestos referente ao aumento das passagens, não deveriam ser qualificados como estudantes. Não sou contra a manifestações afinal esta é a única maneira que nós temos para expressar nossa idiguiniação. Mas depedrar, pichar isso não é ato de estudante, e sim de vandalos.Afinal de contas como vão ser estes profissionais quando formados? Fica a dica;

  • celsiusbo

    Protestar sim. Agora tirar o direito de quem nao quer participar do movimento impedindo outras milhoes de pessoas de transitar nas ruas em busca de seus compromissos nao pode. O que ouve foi destruicao do patrimonio publico e privado, vandalismo ao transporte coletivo de uso publico.

  • iriamarim

    Quem vandalizou foi a policia, pois não admitem nenhum tipo de protesto por parte da população, é um crime o que a policia de Natal está cometendo. E a Midia quer distocer as coisas, na tv só colocam quem é contra, e uma reporter ainda distorce os fatos, porque a mídia vangloria a ação policial? foram comprados pelos empresários?

  • avaliador_rockeiro

    Nada tendenciosa essa matéria. Querem passar a imagem para a população de que os estudantes foi quem fez vagabundagem, para assim justificar a ação extremamente violenta dos "cães do governo" (polícia) que foram extremamente covardes. Se eles começaram a atirar, por que não revidar com pedras e paus? Bela democracia onde não se pode protestar, lutar pelos seus direitos. Viva a opressão. Viva a ditadura.

  • nivaldo.santos

    Este movimento é legitimo desde que não agrida aos direito dos outros, direito a locomoção, as ações policiais foram tomadas conforme as ações dos vandalos e marginais assim por dizer, que usam a personificação de estudantes, para extor suas carencias e fraquesas, aos quais estão pensando que pela desordem podem conseguir tudo, errado e culpa desta situação é de todos, pois somos responsaveis pela atual situação. Temos uma arma forte as mãos, o voto, as aleições veem ai, usem este poder com sabedoria, pois assim poderemos melhorar a nossa situação, não com os aumentos abusivos das passagens, mais também da alimentação, medicamentos, planos de saúde e a eterna miséria calamitante na qual se traformaram a educação, a segurança pública e a saúde na nossa querida cidade de Natal e o nosso estado. Sejamos fortes mas não descontrolados.