Queijo 'made in Taipu' mira a Europa

Publicação: 2016-11-06 00:00:00
A+ A-
Sara Vasconcelos
Repórter

Uma iguaria tipicamente italiana ganha o mercado americano com selo “made in Taipu”, município distante 52 quilômetros de Natal. Desde fevereiro, uma tonelada de  mozzarella de búfala produzida na Fazenda Tapuio, deixa a cidade  potiguar, a cada dois meses, para abastecer uma cadeia de restaurantes de Nova York, nos Estados Unidos. As remessas de mil quilos serão ampliadas em breve. A empresa - única exportadora de laticínio de búfala certificada do Brasil e única criadora do animal no Estado - vai ampliar a exportação nos  EUA e estuda, para 2017, adentrar os mercados europeu e asiático.
Créditos: Alex RégisProdução de queijos de búfala do RN é exportada para os EUA, mas fatia vendida no Brasil é maiorProdução de queijos de búfala do RN é exportada para os EUA, mas fatia vendida no Brasil é maior

Até chegar às mesas americanas, a empresa que trabalha com o gado bubalino no RN, desde 2000, levou três anos em adequações às regras de qualidade e segurança alimentar, estabelecidas pelo Ministério da Agricultura para exportações e de países importadores. As certificações exigem investimentos e alterações nos processos de produção, que passam desde as instalações até embalagens.

“Entre o importador nos procurar e termos a certificação de único laticínio do país apto a exportar foram três anos. O rigor das inspeções eleva a qualidade do produto ao padrão internacional. E adaptamos o produto ao gosto do consumidor”, conta o proprietário da fazenda Tapuio, o empresário Francisco Veloso.
Créditos: Alex RégisFrancisco Veloso, diretor da empresa Tapuio: Planos de expansãoFrancisco Veloso, diretor da empresa Tapuio: Planos de expansão

Diferente do que segue para redes de supermercados, hoteis e restaurantes brasileiros, foi criado um produto para atender o paladar  do público americano: a mozzarella bola para churrasco, mais consistente e não derrete. A partir do próximo mês, a Tapuio passa a fornecer também para o estado da Flórida, com volume similar.

Paralelo a expansão dos  produtos em solo norte-americano, a Tapuio  trabalha na captação de  mercados no velho continente e na Ásia. “Recebemos hoje [terça-feira], um e-mail de um importador de Hong Kong interessado nos nossos produtos”, revela.

Consultoria

No último mês, a empresa passou pela consultoria do alemão Heinz-Günter Seibert, que resultou na elaboração de um plano de estratégia e marketing para os próximos 5 anos, que incluem desde mudanças nos rótulos dos produtos até a criação de uma gerência para exportação na unidade produtora.

“Já somos credenciados a exportar, a consultoria nos mostrou outras perspectivas de produtos, mercados, além de valorizar nossos diferenciais. Com a gerência iremos identificar mercados, empresas, analisar as adequações, fazer contatos nos países o que facilita os negócios”, explica Veloso.

A consultoria aponta novas possibilidades de chegar ao mercado germânico e demais países da Europa seja com a exportação direta, seja com a comercialização do produto pré-pronto a ser  beneficiado e finalizado no país importador - alternativa que também reflete no custo com logística.

As remessas enviadas para os Estados Unidos seguem por modal aéreo, devido a natureza do produto fresco. A possibilidade de trabalhar com um produto pré-pronto congelado permite usar o transporte marítimo.

Para ter ideia da diferença no planejamento financeiro, o frete aéreo para os EUA, por quilo do produto, é de US$ 1,50, enquanto embarcados em navios saem por US$ 0,38.  “A diferença é que no aéreo leva um dia e pelo mar 30 dias”, afirma o empresário.

Consultor alemão ajudou a identificar desafios e potenciais

Durante quatro semanas, entre  setembro e outubro deste ano, a Fazenda Tapuio recebeu o consultor alemão Heinz-Günter Seibert para o trabalho de diagnóstico dos potenciais e desafios, além da elaboração de projetos para ampliar a competitividade dos produtos  voltado às exportações no continente europeu. Sem custos para o empresário, a oportunidade surgiu por meio de parceria firmada entre a Federação das Indústrias do RN (Fiern) com estados, instituições e entidades empresariais da Alemanha.

“A Fiern intermediou esta  consultoria gratuita nas áreas de gestão, marketing e venda por um profissional com experiência no mercado alemão, o que faz toda a diferença na hora de se lançar no mercado europeu”, afirma o diretor da Tapuio, Francisco Veloso. 

A consultoria resultou no  desenvolvimento de rótulos, com  informações bilíngues e destaque para diferenciais dos produtos, como a forma de manejo do rebanho e certificados de qualidade e exportação,  selo de pureza, não uso de conservantes, além da  elaboração de um plano de marketing para 5 anos e a criação de uma gerência de exportações. 

Por meio do programa Senior Experten Service (SES), da Fundação da Indústria Alemã para a Cooperação Internacional, profissionais com experiência comprovada em determinado segmento, geralmente já aposentados, se habilitam para um intercâmbio em outros países num sistema de colaboração para o desenvolvimento de empresas. O  SES é uma organização de utilidade pública que leva serviço para “países em desenvolvimento, emergentes e em transição”.

Raio-x do negócio
Números da fazenda Tapuio

1.400 cabeças de búfalo
3,5 mil litros de leite produzidos
por dia
30 toneladas de queijo são produzidos por mês
1 tonelada de mozzarela de búfala é exportada,  a cada 2 meses, para os EUA
146 empregos diretos gerados
27% maior a produtividade do do gado de corte bubalino em relação ao gado bovino

Fonte: Empresa





Deixe seu comentário!

Comentários