Receita aumenta e prejuízo é reduzido no América

Publicação: 2020-10-17 00:00:00
O América voltou a trabalhar no vermelho. Na prestação de contas realizadas pelo presidente Ricardo Valério, referente ao mês de setembro, apareceu um prejuízo de R$ 11. 565,51, classificada pelo dirigente com uma situação “muito razoável dentro do quadro gravíssimo provocado pela pandemia e agravado para o futebol que equivocadamente continua sem público”. Em contrapartida ao resultado negativo, que teve como um dos motivos a contratação de novos reforços e o pagamento de algumas rescisões contratuais, o clube registrou um aumento de receitas de 24,54%, saindo de R$ 332.400,32, em agosto, para R$ 415.332,00.  

Créditos: CANINDÉ PEREIRA

Esse incremento de R$ 82.931,68 nas receitas foi provocado, segundo o presidente americano, pelo retorno do patrocínio de Arenas das Dunas e cotas Liga Nordeste, além de uma maior arrecadação sócio torcedor/conselheiros, que voltaram a contribuir com o clube num momento dos mais delicados. 

Mas dentro desse aspecto de entrada de recursos, em setembro houve uma nova queda nas receitas provenientes da arrecadação dos aluguéis, de algumas salas e imóveis em nome do Alvirrubro. Ricardo Valério destaca que o problema ocorreu muito mais pela posição atípica do mês passado, quando foram contabilizados os pagamentos dos imóveis em atrasos do período da pandemia. Dessa forma ele classifica que a questão tem pouco peso na análise do balanço atual.

Na questão financeira, o atual presidente salienta que o clube está com as contas mais ou menos equilibradas. Uma fator que pode contribuir muito para que as contas voltem a operar dentro da normalidade total, pode ser a decisão de liberar a presença de público nos estádios. A questão está para ser definida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), mas depende do aval das autoridades sanitárias dos estados com representantes disputando o Brasileirão. Por uma questão de equilíbrio técnico entre os clubes, a CBF só vai abrir os estádios, quando a liberação estiver ocorridos em todas as localidades.

“O prejuízo operacional de R$ 11.565,51 tem que ser considerado ainda como muito razoável dentro do quadro gravíssimo provocado pela pandemia e agravado para o futebol que equivocadamente continua sem público, onde os times estão pagando para jogar , fora os elevados custos do futebol profissional. Ainda assim, conseguimos reduzir os prejuízos operacionais entre agosto e setembro/2020 em 73.54%, tendo em vista que o resultado negativo do mês passado foi da ordem de 
R$ 43.715,23 e baixamos agora em setembro para apenas R$ 11.565,51", explicou Ricardo Valério.

O dirigente, em tom bastante realista, fala aos americanos que embora venha conseguindo manter as contas em dia, não se pode se descuidar do controle com as finanças,já que as fontes de arrecadação ainda estão escassas.