Alex Medeiros
Recomeça o jogo na FIFA
Publicado: 00:00:00 - 08/09/2021 Atualizado: 23:29:42 - 07/09/2021
Alex Medeiros 
alexmedeiros1959@gmail.com

A súmula do jogo que não houve já está com os velhinhos da FIFA. Assim como um relatório preliminar assinado pelo árbitro da partida, o venezuelano Jesus Valenzuela, e o supervisor da Conmebol, o colombiano Alejandro Hernández. Enquanto Brasil e Argentina têm seis dias de prazo para se explicarem, os integrantes do conselho disciplinar da entidade máxima do futebol mundial se debruçam sobre os documentos para emitir uma sentença.

Divulgação


De posse da documentação, os assessores iniciam um longo processo de avaliação das evidências e dos depoimentos que possam esclarecer os reais acontecimentos do domingo na arena do Corinthians e que provocaram a suspensão da partida depois que agentes públicos da Anvisa e da Polícia Federal invadiram o campo para impedir a atuação de quatro jogadores argentinos que estavam proibidos de circular após chegarem do Reino Unido.

É essa comissão que irá indicar a decisão a ser tomada pela FIFA. Se retoma o jogo a partir dos 5 minutos, podendo determinar local neutro, se tira pontos ou suspende alguma seleção. Saliente-se que jogo oficial não fica inconcluso.

Um assessor da Conmebol, chamado Héctor Baldassi, ex-árbitro na Copa do Mundo de 2010 e especializado nos regulamentos internacionais, se disse preocupado com a questão de achar uma nova data para uma nova partida.

Até chegar a janela de novembro, o calendário mundial está todo preenchido com as ligas de clubes e outros eventos envolvendo seleções, como a Liga das Nações da UEFA. Quanto à Copa 22, tudo tem que definir em março e abril.

Como o clássico tem que ocorrer, CBF e AFA só podem esperar, porque como trata-se de eliminatória da Copa somente a FIFA tem jurisdição tanto esportiva quanto regulatória para decidir. Brasil e Argentina estão nas mãos da Suíça.

Enquanto isso, uma guerra de contrainformação se trava entre a imprensa brasileira e a argentina. Os jornais hermanos chamam o caso de “Brasilgate” e os sites daqui culpam diariamente a seleção albiceleste e a AFA pelo caso.

Na segunda-feira, os canais de TV brasileiros Sportv e ESPN chegaram a admitir que a seleção brasileira poderia perder os pontos do jogo pelo fato da invasão em Itaquera ter ocorrido numa partida com o mando de campo nosso.

Mas no início da noite e durante o feriado de ontem, quando as atenções se dividiam para as manifestações nas ruas e os jogos das eliminatórias da Europa, uma nota dura da CBF acusou as irregularidades da congênere AFA.

Ontem bem cedo eu destaquei no blog da Tribuna Online que a nova nota destoa da primeira, emitida ainda no domingo após a confusão. Naquele instante, brasileiros e argentinos estavam convergindo quanto aos episódios.

Outro fato novo foi o comentário do presidente da FIFA, Gianni Infantino, num discurso gravado direto de Genebra, na sessão inaugural da Assembleia da Associação Europeia de Clubes. A primeira frase foi “isso tudo é uma loucura”.

Depois disse que os acontecimentos em São Paulo podem levar a repensar o calendário mundial, para poder proteger os atletas. E afirmou não haver tabus, “as portas estão abertas a todas as ideias”. Sabe o peso de Brasil e Argentina.

Nos resta acompanhar a novela à distância, direto da Suíça, e voltar os olhos para os novos confrontos da canarinho e da albiceleste, que enfrentam na quinta-feira respectivamente Peru e Bolívia. Os peruanos não querem jogar no Recife, mas um pepino pra CBF descascar. Segue o jogo.

Controle 
Só falta o superministro Alexandre de Moraes mandar instalar microfones em bares e restaurantes, para ter conhecimento e controle das opiniões contra ele e o STF, como ocorreu com um publicitário no bairro Pinheiros, em São Paulo.

Críticas 
Se você, leitor, estiver lendo a coluna, significa que no bar que eu comemorei ontem o 7 de setembro não tinha uma escuta do ministro do STF. Porque não foram poucas as críticas e piadinhas que todos fizeram na resenha cívica.

Festa da Nação 
As manifestações de ontem são a retomada de uma festa cívica que foi grande nos anos 60/70 e que depois foi desestimulada pelos governos esquerdistas desde 1994. A partir de 2022, os estudantes se rejuntarão aos militares.

Picardia 
Pouco tempo depois que as TVs divulgaram imagens de Jair Bolsonaro chegando de Rolls Roice guiado por Nelson Piquet, um gaiato vendo o fracasso da manifestação de esquerda disparou: “Lula vem com Barrichello”.

Carajo 
O governo desastroso da esquerda na Argentina transformou um economista em fenômeno de popularidade. Javier Milei está atraindo multidões nas ruas do país, e o povo repercute seu slogan a plenos pulmões: “Llberdade, caralho!”.

Popularidade 
Ser popular nas redes sociais é como ser milionário no jogo de tabuleiro “Banco Imobiliário”. E convém não confundir com capital eleitoral. Os dois maiores ídolos de Natal, Marinho Chagas e Alberi, naufragaram em eleição.

Transferência 
Um dos casos mais clássicos de popularidade com efeito eleitoral no RN foi quando Carlos Alberto de Souza, na eleição de 1986, decidiu eleger Oswaldo Garcia e Jeová Alves, contra todos os prognósticos e análises de especialistas. 

Eleição 
Amanhã, quinta-feira 9, é o dia para inscrição das chapas que disputarão a eleição da SAMBA – Sociedade dos Amigos do Beco da Lama e Adjacências. A comissão eleitoral estará a postos das 8h às 17h no Museu Café Filho.




Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.






Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte