Referência em cirurgias

Publicação: 2019-06-27 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte esteve no Hospital Infantil Varela Santiago para conhecer a situação atual da unidade, que é referência em cirurgias, tratamento de câncer e outros procedimentos no atendimento de crianças. Os deputados Galeno Torquato (PSD), Eudiane Macedo (PTC), Getúlio Rego (DEM) e Gustavo Carvalho (PSDB) visitaram as instalações e conversaram com o médico Paulo Xavier, diretor superintendente da instituição. Galeno Torquato disse que “recebeu com indignação” a informação de que o Governo do Estado não deu continuidade ao convênio que mantinha com o hospital há mais de 30 anos. “A Comissão irá em busca de explicações da governadora e do secretário de saúde”, disse Galeno.

‘Falta sensibilidade’
O deputado Getúlio Rêgo, que também é médico, declarou que “faltou sensibilidade do Governo ao não realizar o repasse integralmente”. “Esse hospital é digno de aplausos, o tratamento para o paciente e para família é de cinco estrelas”, disse Getúlio. A deputada Eudiane Macedo acredita que "o Hospital Varela Santiago presta um serviço de fundamental às crianças do Estado e precisa manter esse convênio com a Secretaria Estadual de Saúde."

Repercussão no plenário
A situação do Hospital Varela Santiago também voltou a ser assunto de discussão no plenário da Assembleia. Os deputados Ubaldo Fernandes (PTC), José Dias (PSDB), Nelter Queiroz (MDB), Dr. Bernardo (Avante), Hermano Morais (MDB) e Cristiane Dantas (SDD) cobraram uma ação imediata do Governo do Estado para assegurar a continuidade do convênio e regularidade nas transferências.

Atrasos na saúde
O deputado José Dias (PSDB) aproveitou a discussão sobre a crise na saúde estadual, ontem, “para fazer um pequeno reparo”. Segundo ele, esse problema é uma oportunidade “para que se saiba que não se pode cometer o mesmo erro do  passado”. José Dias afirmou que se fala sobre o atraso de repasses da saúde do governo Robinson Faria, mas “quem  não pagou foi o Estado do  Rio Grande do Norte, a responsabilidade é do  governo”. José Dias acrescentou que a governadora Fátima Bezerra (PT) “foi eleita dizendo que seria diferente, a salvadora da pátria e uma pessoa capaz de fazer milagres”.

Atendimento médico
O deputado federal Eliéser Girão está em São Paulo, onde faz uma série de exames. A assessoria disse que hoje vai divulgar um boletim sobre os diagnósticos. 

Interiorização do turismo
Prefeitos e representantes do “trade” turístico potiguar, que participaram de uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, por iniciativa do deputado estadual Tomba Farias (PSDB), foram unânimes em cobrar do governo do Estado apoio “aos municípios potiguares vocacionados para o turismo religioso”. Ele pediram investimentos em infraestrutura, acessos e divulgação.

Etapa da discussão
A Comissão Especial da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados encerrou ontem a fase de discussões do parecer do relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). O relator vai apresentar a complementação de seu voto, com algumas alterações ao seu texto original, hoje (27), a partir das 9h. A intenção do relator seria colocar o parecer em votação amanhã, mas as divergência entre o Palácio do Planalto e lideranças do Congresso Nacional podem adiar a apreciação.

Levy na CPI
O ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Joaquim Levy disse que a instituição não tem nada a esconder e conta hoje um grau de transparência que poucos bancos possuem. A suposta resistência em "abrir a caixa- preta" do BNDES foi apontada como uma das causas da saída de Levy, anunciada num domingo, 16 de junho, um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro dizer que ele estava com a "cabeça a prêmio".  Levy sustenta, no entanto, que atuou para ampliar a transparência nas informações do banco enquanto esteve à frente da instituição. "Acho que fiz esforços de sucesso em comunicar tudo que acontece no BNDES", afirmou, em depoimento à CPI do BNDES, na Câmara dos Deputados.

História registrada
Questionado pelos parlamentares da CPI do BNDES sobre abertura da caixa-preta da instituição, o economista Joaquim Levy disse que o banco fez diversas apurações internas e chegou a contratar investigação independente, realizada por auditores externos. Ele disse que essas informações são compartilhadas com o Tribunal de Contas da União (TCU), Controladoria-Geral da União (CGU), Ministério Público Federal (MPF) e, agora, com a CPI. "O sentido mais preciso da caixa-preta é aquele artefato que registra o que aconteceu com qualquer veículo. Acho que o BNDES tem a história registrada. Se houve acidente ou não, aí varia da apreciação de cada um", comentou.



continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários