Reino Unido: Johnson é transferido para unidade de terapia intensiva por covid-19

Publicação: 2020-04-06 16:42:00
A+ A-
O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, foi transferido para a unidade de terapia intensiva (UTI) do hospital St. Thomas, em Londres, um dias após ser internado com persistentes sintomas de coronavírus. O líder britânico havia sido diagnosticado com o doença no final de março. Em comunicado um porta-voz do governo disse que as condições de saúde do premiê pioraram nesta tarde e que, por isso, os médicos decidiram mandá-lo à UTI. Segundo a nota, o ministro das Relações Exteriores do país, Dominic Raab, assumirá as funções de Johnson no que for necessário.

Boris Johnson, de 55 anos, tornou-se no dia 27 de março no primeiro líder de uma grande potência a anunciar que testou positivo para o coronavírus. Ele se isolou em um flat de Downing Street e, na sexta-feira, informou que ainda estava lá por apresentar temperatura alta.
Créditos: Frank Augstein/Associated PressBoris Johnson premiê britânicoBoris Johnson premiê britânico
Downing Street ressaltou que não se trata de uma internação de emergência. Os médicos do premiê consideraram sensato que ele fosse examinado pessoalmente. "Johnson permanece no comando do governo", afirmou Downing Street.

"O primeiro-ministro agradece às equipes do Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) pelo trabalho duro e incrível que estão fazendo e pede ao público que continue a seguir as orientações do governo para permanecer em casa, protegendo o NHS e salvando vidas", afirma o comunicado oficial.

Carrie Symonds, noiva do primeiro-ministro que está grávida, afirmou no sábado que ela passou a última semana de cama com sintomas do coronavírus, mas após sete dias de descanso estava se sentindo melhor e se recuperando.

Mensagem real

Ainda ontem, em um pronunciamento nacional, a rainha Elizabeth II agradeceu aos profissionais de saúde que trabalham sem trégua contra a pandemia e aos britânicos que ficaram em casa para conter a propagação da doença.

"Quero agradecer a todos os que estão na linha de frente", destacou ela, em uma mensagem à nação considerada histórica. O coronavírus já matou quase 5 mil no Reino Unido. 


Estadão Conteúdo