Riscos de retração em 2019

Publicação: 2019-01-08 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Antônio Felipe
laf@tribunadonorte.com.br

 O Instituto para Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) diz em seu relatório semanal que em 2019,  o foco continua nos riscos de retração da economia global e na lenta redução de liquidez dos bancos centrais. A volatilidade em todas as classes de ativos - acentuada pelas condições de transação - está próxima dos níveis mais altos desde fevereiro de 2018, no caso do S&P 500 e dos Treasuries, pontua a entidade. Para a maior parte das moedas no mercado de câmbio, a volatilidade é a mais alta desde o segundo trimestre de 2017. E no caso do petróleo está no maior nível desde o primeiro trimestre de 2016.

Promessa  
O governo Bolsonaro promete não aumentar impostos. Essa promessa deve incluir contribuições e alíquotas de tributos já existentes. O governo precisa ter mais clareza sobre esse delicado tema. Se não aumentar impostos e alíquotas, como vai isentar do Imposto de Renda quem ganha até R$ 5 mil? Essa é uma promessa de campanha.um olho no mercado externo e, nos preços e tarifas controladas.

Previsão
 Na primeira semana cheia do ano, o mercado vê crescimento menor do PIB e taxa de juro em 7% em 2019.  A alta do PIB de 2018 permanece em 1,30%, no boletim Focus do Banco Central. São previsões dentro do esperado pelo governo que trabalha com

Estatísticas
 As vendas do Natal sobem em 2018, mas ainda estão 3,2% abaixo do patamar de 2013, revela a  Serasa Experian. A recuperação do comércio ainda está longe. A alta acumulada dos dois últimos anos (2018 e 2017), de 9,6%, os três anos seguidos (2016/15/14) acumularam queda de 11,7%.

Decisão
O Prefeito de Natal, Álvaro Dias, em entrevista à TRIBUNA DO NORTE, avisa que tomará medidas impopulares. Sendo em benefício para a grande maioria da população serão bem vindas e populares, especialmente, em educação, creches, saúde e mobilidade urbana. 

Prefeituras sem receitas?
 Cerca de 70% das prefeituras terceirizam mão de obra, o que “permite” aumentar o quadro sem  extrapolar limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. Dois em cada três municípios brasileiros terceirizam mão de obra, segundo levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Mostra o estudo que apenas 10% das prefeituras que terceirizam mão de obra contabilizam esse gasto como dispêndio com pessoal. Estão burlando a lei. 

Arrecadação  
Já os estados aumentaram o ICMS ao longo dos anos, de vários produtos, para cobrir as despesas com aposentadorias de servidores públicos. Gastaram muito e hoje, somente seis Estados devem superar a recessão econômica em 2019. Quase todos enfrentam dificuldade para pagar os servidores.

Colchão
As reservas internacionais da China atingem US$ 3,073 trilhões em dezembro. Para se ter uma idéia da distância das reservas do Brasil, as nossas somam pouco mais de 10%, cerca de 350 bilhões de dolares. A China aprovou ontem investimento de US$ 125 bilhões em projetos ferroviários. Já o Brasil fez a opção pelo caminhão.

Chuvas (I) 
O período de chuvas no semiárido só começa em março. Hoje, os reservatórios do RN acumulam 960 milhões de metros cúbicos. Ou seja, as reservas hídricas do Rio Grande do Norte estão em 21,7% da capacidade de armazenamento. Precisaria chover 800 milímetros/mês, de março a maio, para recuperar o nível dos reservatórios secos.

Chuvas (II) 
Choveu no interior do Nordeste no fim de semana passado. Desde a manhã de sexta-feira (4), até a manhã de ontem (7), as chuvas voltaram ao interior do Rio Grande do Norte provocadas pela atuação de um Vórtice Ciclônico, com precipitação acima de 100 milímetros(mm), em Jucurutu. Foram registradas chuvas em 48 postos pluviométricos. 

Adubo
O primeiro registro de um biofertilizante no Brasil inaugura uma nova classe de produtos à disposição do agricultor. Segundo o diretor técnico da Microquímica, Roberto Berwanger Batista, os biofertilizantes atuam no metabolismo das plantas promovendo maior proteção, reação ao estresse e melhor desempenho com aumento de produtividade.

Farmácias
O faturamento de farmácias cresce 11,9% e das redes associadas mais 19,3%. Mais uma vez o mercado farmacêutico mostra sua força, crescendo muito acima da economia nacional. Os dados apontam que no comparativo entre o período de dezembro de 2017 à novembro de 2018, o faturamento das farmácias do Brasil foi acima de R$ 119 bilhões, contra R$ 106,800 bilhões. período do ano anterior.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários