RN é o 2º em apreensão de cocaína

Publicação: 2019-03-12 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Henrique Gomes
Repórter

O Rio Grande do Norte é o segundo estado brasileiro com a maior quantidade de cocaína apreendida pela Polícia Federal nestes três primeiros meses de 2019, com 3,4 toneladas. Dados do órgão concedidos à reportagem na manhã desta segunda-feira, 11, mostram que o estado está atrás somente do Paraná, que registra 6,2 toneladas. A maior parte das apreensões do Rio Grande do Norte diz respeito às que foram feitas no Porto de Natal nos dias 12 e 13 de fevereiro em cargas destinadas à Holanda, somando 3,2 toneladas.

Entre os dias 12 e 13 de fevereiro deste ano foram apreendidas pela Polícia Federal 3,2 toneladas de cocaína no porto de Natal
Entre os dias 12 e 13 de fevereiro deste ano foram apreendidas pela Polícia Federal 3,2 toneladas de cocaína no porto de Natal

Ao todo, 17,5 toneladas da droga foram apreendidas pela Polícia Federal no Brasil este ano. A quantidade encontrada no Rio Grande do Norte corresponde a 19,3% desse total. Outros estados com grandes apreensões de cocaína são São Paulo (3,17 toneladas), Mato Grosso do Sul (2,09 toneladas) e Mato Grosso (1,5 tonelada).

O volume de cocaína não leva em consideração as apreensões em outro países de cargas exportadas pelo Brasil. Somada a essas, a cocaína apreendida dentro de exportações a partir do Porto de Natal chega a 10 toneladas. A reportagem questionou a Receita Federal, que registra essas apreensões externas, qual foi o volume total feito em 2019 no Brasil, mas o órgão afirmou que ainda não há um balanço parcial do ano.

Os três primeiros estados (PR, RN e SP) com maiores apreensões da PF este ano tem uma característica semelhante: são regiões litorâneas. Semelhante ao Rio Grande do Norte, a maior parte da droga no Paraná foi feita em porto, o de Paranaguá. Foram 3,5 toneladas encontradas no local em pelo menos três apreensões. Elas estavam 'camufladas' em cargas de frango congelado e de madeira. No caso do Porto de Natal, as cargas eram de manga e melão. O destino da droga de Paranaguá também era o mesmo da cocaína encontrada em Natal: o Porto de Rotterdã, na Holanda.

Os outros dois estados com grandes apreensões (MS e MT) são regiões que fazem fronteira com a Bolívia e Paraguai. Os cartéis da Bolívia são apontados como os donos da cocaína encontrada no Porto de Natal e os principais produtores da droga para a Europa. Delegados da Polícia Federal consideram os dois estados como corredores para escoar a droga. As maiores apreensões ocorridas nos estados foram em carros e depósitos de drogas, que serviriam de 'entreposto' até o destino para sair do Brasil.

Evolução
De um ano para o outro o Rio Grande do Norte saltou oito posições entre os estados com as maiores apreensões da Polícia Federal. Durante 2018, 1,7 tonelada de cocaína foi encontrada pelo órgão. O estado terminou o ano em décimo lugar entre os que mais tiveram apreensões. Um galpão encontrado em Parnamirim, região metropolitana de Natal, em novembro do ano passado, concentrou a maior parte da cocaína descoberta. A Polícia Federal descobriu o local subterrâneo com 1,39 tonelada da droga.

Oficialmente, o órgão não confirma se a droga era destinada à exportação ou para consumo local. Mas investigadores ouvidos pela reportagem garantem que o local também devia servir de entreposto para exportação. A justificativa é que o consumo local de cocaína não demanda uma quantidade tão grande.

Até as apreensões no Porto de Natal, essa havia sido a maior na história do estado. Em anos anteriores, a quantidade de cocaína apreendida era considerada baixa: 22 kg em 2017, menor que outros 22 estados. Há nove anos, em 2010, a quantidade que a Polícia Federal encontrou de cocaína foi de 7 kg.

O histórico mostra que o estado se tornou uma rota internacional para o tráfico de drogas nos últimos anos. Para o delegado da Polícia Federal Agostinho Cascardo, a quantidade de cocaína apreendida é grande porque a rota de tráfico passou a utilizar os navios. Segundo conta, o tráfico internacional é antigo no estado e no Brasil, mas funcionava principalmente através de aviões de carga e 'mulas' (pessoas que transportam a droga no estômago). A diferença é que utilizando os navios são transportas em toneladas.

“O Brasil sempre foi um corredor de drogas. As drogas são produzidas na Bolívia, Peru e Colômbia, entram pelas fronteiras do Brasil e saem por avião ou navio. Antes, eram exportadas mais por avião, agora está sendo mais por navio”, explicou o delegado em entrevista feita com a reportagem no dia 14 de fevereiro, um dia depois das apreensões do Porto de Natal.

Números
Cinco estados com maiores apreensões de drogas pela PF em 2019*

1. Paraná: 6.234,1 kg

2. Rio Grande do Norte: 3.408,2 kg

3. São Paulo: 3.178,3 kg

4. Mato Grosso do Sul: 2.094,7 kg

5. Mato Grosso: 1.519,4 kg

Total do Brasil: 17.588 kg

*Dados atualizados até a manhã do dia 11 de março

Cinco estados com maiores apreensões de drogas pela PF em 2018

1. São Paulo: 32.796,56 kg

2. Paraná: 11.842,68 kg

3. Mato Grosso: 5.905,3 kg

4. Bahia: 5.851,05 kg

5. Mato Grosso do Sul: 4.074,61 kg

10. Rio Grande do Norte: 1.727,03 kg

Total do Brasil: 79.173,58 kg

Fonte: Polícia Federal

Audiência
A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte realiza hoje, às 14h, uma audiência pública para debater soluções para o Porto de Natal. O deputado estadual Ubaldo Fernandes, idealizador da audiência, convocou representantes da Codern, Polícia Militar, Polícia Federal, além de entidades sindicais que atuam no Porto de Natal e a cooperativa de empresas de fruticultura para participar. Para o deputado, a suspensão das atividades de exportação no Porto é grave. “Isso retira dinheiro do Rio Grande do Norte no ICMS e aumenta o custo para os empresários”, afirmou.













continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários