RN demonstra consternação

Publicação: 2011-03-30 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Representantes do Rio Grande do Norte lamentaram ontem a morte do ex-vice-presidente e empresário José Alencar. O empresário mineiro foi lembrado pelo espírito empreendedor – quando atuou no Estado – pelo homem público e pelos 13 anos de luta contra o câncer. Alguns dos potiguares ressaltaram o período de convivência com o ex-companheiro de Lula da Silva. É o caso do ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves, que lembrou o interesse de Alencar pelo Rio Grande do Norte. “Antes de mais nada, ele era um amigo com quem tive a honra de conviver. Ele também foi parceiro e amigo do Rio Grande do Norte”. Garibaldi lembrou que o ex-vice-presidente investiu no setor industrial, instalando em São Gonçalo do Amarante uma filial de sua fábrica de confecções. Por intermédio dela, assinalou o peemedebista, propiciou a geração de empregos e o bem-estar de centenas de famílias potiguares. “José Alencar será sempre lembrado pela sua coragem, perseverança, obstinação, determinação e amor ao país. Foi um homem vitorioso na vida pessoal, empresarial e política”.

O senador José Agripino Maia (DEM), lembrou do período em que foi governador do Rio Grande do Norte, quando tinha a presença constante de Alencar. “Quando eu era governador, José Alencar veio ao estado várias vezes como empresário e deixou no Rio Grande do Norte milhares de empregos gerados pelo espírito empreendedor determinante na sua trajetória. O Brasil perde um homem público com uma grande história de vida, com muitas lições de superação. José Alencar era uma figura exemplar”.

A governadora Rosalba Ciarlini divulgou nota de pesar: “o sentimento nacional sobre José Alencar é de que ele é um herói, um exemplo de vida. Apesar da gravidade de sua doença, soube manter a serenidade e com sua luta demonstrou que o brasileiro não desiste nunca. O Rio Grande do Norte é devedor ao empresário e político José Alencar, que em terras norte-rio-grandenses gerou emprego, renda e desenvolvimento em seu complexo de indústrias localizado em Macaíba e São Gonçalo do Amarante. Que as novas gerações sigam a determinação do homem José Alencar, que sempre lutou por um Brasil mais justo e próspero para todos os brasileiros”.

Para o líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Henrique Alves, morreu ontem “um dos maiores homens públicos do país”. “Exemplo de fibra e coragem para todos nós”. Henrique estava em reunião com a liderança do governo quando soube da notícia. Por causa da morte do político e empresário mineiro as votações no Congresso Nacional foram suspensas. O deputado federal João Maia, amigo pessoal do ex-presidente José Alencar, com quem entrou no Partido Liberal, hoje Partido da República (PR), comentou a morte do ex-vice-presidente: “Em 2002, quando decidi entrar na política, fui consultar o então senador Zé Alencar. Entramos no Partido Liberal juntos. Zé Alencar, que investiu e gerou emprego e renda no RN, veio várias vezes participar de encontros... para me ajudar a organizar o partido. Decidimos juntos quebrar um tabu e apoiar Luiz Inácio Lula da Silva para Presidente da República”.

No Rio Grande do Norte as manifestações sobre a morte do ex-vice-presidente vinham de todas as esferas políticas. O presidente da Assembléia Legislativa, deputado estadual Ricardo Motta (PMN), fez um minuto durante a sessão legislativa de ontem. Na Câmara Municipal de Natal os trabalhos foram cancelados. Ricardo Motta observou que “o país perde um brasileiro de biografia impecável, de trajetória pessoal de sacrifícios e vitórias, empreendedor exemplar, com fortes ligações com o nosso Estado, onde gerou milhares de empresas através do Parque Industrial da Coteminas. José Alencar representa o brasileiro típico, lutador, valente, que não perde a esperança por maior que seja a dificuldade. Não desanimou em nenhum instante do seu martírio, que fica para a história como exemplo a ser seguido pelas novas gerações.”

A prefeita de Natal, Micarla de Sousa, lembrou da luta contra o câncer durante os últimos 13 anos do ex-vice-presidente. “O político e empresário José Alencar foi uma figura importante para a capital potiguar, já que investiu na Região Metropolitana, por meio do seu complexo de indústrias, contribuindo com a geração de emprego e renda também para os natalenses. Com a sua partida, fica em nossas mentes o largo sorriso em seu rosto que externava a esperança na luta pela vida.

fábricas no rio grande do norte

A Companhia de Tecidos Norte de Minas (Coteminas), fundada pelo ex-vice-presidente da República José Alencar, tem duas unidades no Rio Grande do Norte — uma em São Gonçalo do Amarante e outra em Macaíba. Ontem, a direção da empresa informou que as atividades das duas fábricas prosseguem normalmente. Apesar da consternação causado pela morte do empresário, a indústria vai intensificar o trabalho como forma de homenagear o empresário José Alencar.

Com fábricas em Minas Gerais, Paraíba, Rio Grande do Norte e Santa Catarina, além de filiais na Argentina, México e Estados Unidos, a Coteminas é, atualmente, uma das maiores empresas do Brasil. Em solo potiguar, a fábrica de São Gonçalo do Amarante está voltada para a produção dos fios e tecidos e a de Macaíba utiliza parte desse tecido para a produção de lençóis, camisas e outras peças das marcas da própria empresa, como Santista e Artex.

Por José Alencar ter se tornado uma pessoa pública, a direção da empresa prefere que a própria sociedade faça as homenagens ao fundador da Coteminas, e diz que a melhor forma dos funcionários do grupo lembrarem o  empresário é continuar com o trabalho. “A homenagem maior que podemos prestar a ele é fazer o que ele mais gostava: continuar trabalhando com todo o empenho. E nossas máquinas continuam trabalhando a todo vapor, principalmente hoje [ontem]. Nosso luto será trabalho”, disse João Batista Gomes de Lima, diretor da Coteminas no Rio Grande do Norte.

Fundada por Alencar em 1967 na cidade de Montes Claros (MG), a Coteminas é hoje a maior fabricante de tecidos de cama, mesa e banho do Brasil e uma das maiores do mundo, além de fabricar outros produtos têxteis. Sua receita em 2009 foi de R$ 3,1 bilhões e tem em seu portfólio marcas tradicionais do setor, como a Artex, a Santista e a Calfat.

A empresa possui atualmente 11 unidades fabris no Brasil, localizadas nas cidades de Montes Claros (MG), Macaíba (RN), São Gonçalo do Amarante (RN), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB) e Blumenau (SC). Além disso, possui operações em outros países, como Argentina, Estados Unidos e México.

A Coteminas gera cerca de 16 mil empregos diretos no Brasil e cerca de 25 mil em todo o mundo e suas unidades fabris produzem fios, tecidos, malhas, camisetas, meias, toalhas de banho e de rosto, roupões e lençóis. Seus principais mercados são o Brasil, os Estados Unidos, a Europa e os demais países do Mercosul.

As operações da empresa no exterior se iniciaram em 2000, quando adquiriu uma fábrica na Argentina. Depois, investiu em instalações nos EUA, no México e no Canadá. Em 2005, entrou de vez no mercado internacional de itens de cama, mesa e banho ao adquirir a americana Springs Global.

A empresa é comandada desde 1996 por Josué Christiano Gomes da Silva, filho de José Alencar, que à época decidiu deixar o comando para poder se dedicar mais à vida pública.

Antes de comandar a Coteminas, Alencar também já havia atuado como viajante comercial, atacadista de cereais, dono de fábrica de macarrão e atacadista de tecidos. Seu primeiro negócio próprio foi a loja “A Quebradeira”, aberta por ele na cidade de Caratinga (MG), em 1950, quando tinha apenas 18 anos.

A Coteminas constituiu a quase totalidade de seus maiores empreendimentos em regiões incentivadas pela superintendência, tais como a Cotenor e a Cebractex (complexo industrial têxtil integrado), em Montes Claros (MG) ou mais recentemente a Wentex (fabricante de roupas), em São Gonçalo do Amarante (RN).

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários