RN e RJ concentram 76,4% dos casos de chikungunya registrados no país

Publicação: 2019-12-20 00:00:00
A+ A-
A Secretaria Estadual de Saúde reuniu ontem, na UFRN, prefeitos e secretários de saúde para alertar sobre a necessidade do engajamento no combate e prevenção às endemias, em especial as arboviroses, diante dos índices crescentes de doenças como Dengue, Chikungunya e Zika com tendência de epidemia à medida que boa parte do Estado entra em estação chuvosa nos primeiros meses de 2020.

Créditos: DivulgaçãoReunião para discutir ações para enfrentamento das endemias no RN  teve participação do Ministério da SaúdeReunião para discutir ações para enfrentamento das endemias no RN teve participação do Ministério da Saúde
Reunião para discutir ações para enfrentamento das endemias no RN teve participação do Ministério da Saúde

O Rio Grande do Norte é, de acordo com o boletim mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde, o segundo do país em número de casos de chikungunya (13.494), e segunda maior incidência — são 384,8 por grupo de 100 mil habitantes. Perde apenas para o estado do Rio de Janeiro, com 85.302 casos e taxa de 494,1/100 mil habitantes.

Os dois estados, sozinhos, concentram 76,4% dos casos prováveis de Chikungunya no Brasil. O cenário discutido ontem no Encontro de Gestores aponta a necessidade de medidas para frear e evitar uma situação ainda mais adversa, com reflexo na rede de atendimento à população e eventual crescimento das despesas no auxílio às pessoas doentes. O secretário estadual de saúde, Cipriano Maia, afirmou que o Estado, junto com as prefeituras, têm que fortalecer a promoção à saúde e a vigilância epidemiológica.

Uma das medidas será a realização de fóruns regionais para alertar a necessidade de intensificar as ações, a partir de janeiro do próximo ano, antes que as epidemias de arboviroses se instalem no Rio Grande do Norte. "Queremos refletir sobre a situação e sair daqui com o compromisso de que trabalharemos no sentido de intensificar nossas ações", disse.

Rodrigo Said, coordenador-geral de vigilância em arbovirose do Ministério da Saúde, representou o Ministério nesse encontro e destacou que anos de 2017/2018 o Brasil viveu momentos importantes com as primeiras conferências nacionais de Vigilância Sanitária, que culminou em 2019 com a Portaria que implantou as diretrizes de Vigilância em Saúde.

Aproveitou que estavam ali reunidos gestores municipais para alertar sobre a queda da cobertura vacinal, sobretudo do sarampo, a partir de 2016. Para ele, o grande desafio da Saúde no país é exatamente a intensificação das ações das equipes de vigilância.

"Temos que pensar como qualificar estas ações, sendo papel do Ministério da Saúde dar total apoio aos estados e municípios".

Com a presença de prefeitos e secretários municipais de Saúde, o encontro discutiu a qualificação da informação e a vigilância dos óbitos no RN, o cenário das arboviroses, das doenças negligenciadas e da imunização no Estado, além do plano de qualificação das vigilâncias como estratégia de alteração da situação de Saúde. Ao final, foi apresentado o Protocolo de Intenções com encaminhamento da Pactuação entre os Gestores.

Dados das arboviroses no RN

Dengue: 31.745; Incidência (905,2 casos/100 mil hab.);
Chikungunya: 13.494; Incidência (384,8 casos/100 mil hab.);
Zika: 1.209; Incidência (34,5 casos/100 mil hab.);

Fonte: MS - Semana Epidemiológica 

Deixe seu comentário!

Comentários