RN está longe da imunização coletiva contra a covid-19

Publicação: 2021-01-27 00:00:00
Cláudio Oliveira
Repórter

O Rio Grande do Norte está longe de atingir o percentual de imunização coletiva contra o novo coronavírus. Considerando os números informados pelos municípios no sistema RN+Vacina, o imunizante foi aplicado em menos de 1% do necessário para chegar à essa imunidade de rebanho, estimada em 70% da população. Cerca de 46,1 mil doses de vacinas contra a covid-19 foram enviadas aos 167 municípios potiguares nos últimos dias. As Prefeituras informaram que a primeira dose do imunizante já foi aplicada em 22.715 pessoas até esta terça-feira (26). 

Créditos: Adriano AbreuEspecialistas defendem que imunização coletiva ou de rebanho só ocorre quando cerca de 70% da população é vacinada. No RN, não há prazo para que isso ocorraEspecialistas defendem que imunização coletiva ou de rebanho só ocorre quando cerca de 70% da população é vacinada. No RN, não há prazo para que isso ocorra

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN) avaliou que a situação é de estabilidade e que a “imunidade de rebanho", quando a maior parte da população estará imunizada criando uma barreira contra a circulação do vírus, ainda deverá demorar para acontecer devido as peculiaridades do novo coronavírus. 

A infectologista Marise Reis de Freitas, pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e integrante do Comitê Científico da Sesap, explicou que, em tese, será preciso vacinar 70% da população. Considerando que o Estado possui 3.534.165 habitantes, seria necessário imunizar 2.473.915 pessoas para chegar a tal índice e bloquear a cadeia de transmissão do vírus no Rio Grande do Norte. 

“O contingente de pessoas vacinadas ainda é muito baixo. Precisamos vacinar a população e chegar a pelo menos 50% e isso ainda vai demorar um tempo. Em tese, será necessário 70% para conseguir a imunidade de rebanho. A situação atual é de alerta", declarou a infectologista.

Ela ressaltou que, mesmo vacinadas, as pessoas precisarão manter os cuidados e a prevenção porque levará, pelo menos, 50 dias para as duas doses da vacina proporcionarem o efeito esperado. Além disso, será preciso observar se os vacinados ainda transmitirão o vírus. 

De acordo com a Sesap, somente na primeira etapa, o Estado tem 239.636 pessoas nos grupos prioritários para vacinar. São 79.638 profissionais de saúde, 2.000 idosos institucionalizados, 133.621 idosos a partir do 75 anos, 2.447 indígenas e 18.310 quilombolas. Contudo, apenas os dois primeiros grupos estão recebendo o imunizante. 

“O Governo do Estado deu início ao seu plano de vacinação dentro do estoque que foi recebido, pois depende da chegada de vacinas encaminhadas pelo Ministério da Saúde. Sabe-se que o início está em ritmo lento, mas com a chegada do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) aos laboratórios nacionais, a produção vai aumentar e devemos ter um recebimento maior de vacinas em breve", declarou a subsecretária de Planejamento e Gestão da Sesap, Lyane Ramalho.

Assim como a infectologista Marise Reis, ela ressaltou que, para o retorno à vida normal, ainda é necessário observar, através de estudos científicos, a imunogenicidade das vacinas, ou seja, o nível de imunidade que elas darão à população. “A vacinação é central no combate à covid-19, mas as medidas sanitárias não podem ser abandonadas, pelo menos até que esses dados sejam observados", frisou.

Estabilidade
Até esta terça-feira (26) o Rio Grande do Norte contabilizou 136.741 casos confirmados do novo coronavírus e outros 76.535 suspeitos. O número de óbitos subiu para 3.256, com 5 óbitos confirmados nas 24h anteriores. As vítimas eram residentes em Caicó (2), Natal, Jardim do Seridó e Santana do Matos e ainda havia 564 mortes suspeitas sob investigação.

Mais da metade das últimas mortes ocorreram na região do Seridó, que tem preocupado a Sesap. “Vivemos um momento de estabilidade em relação às taxas de ocupação de leitos no Rio Grande do Norte, em especial na Região Metropolitana de Natal. Porém, a área que ainda causa mais preocupação é o Seridó, que mantém uma taxa de ocupação de leitos um pouco mais alta", comentou Lyane Ramalho, ressaltando que a Secretaria conta com a perspectiva de abertura de mais leitos para o tratamento da covid-19 nessa região. A regional de saúde de Caicó recebeu 1.057 doses da vacina CoronaVac e 1.220 doses da vacina da Oxford.

Lyane Ramalho pontuou que o Estado não vive uma situação pior do que em períodos anteriores, mas os movimentos de aglomeração durante o veraneio e também a aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), durante os dois finais de semana, ainda preocupam porque podem mudar esse quadro nos próximos dias. “A vigilância epidemiológica do Estado segue observando os dados, em especial o indicador composto, para vislumbrar um possível momento de tranquilidade", frisou a subsecretária.

Vacinas são enviadas aos municípios potiguares
Os municípios já receberam remessas tanto de doses da Coronavac (produzida pelo Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac), quanto da vacina fabricada pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca. A vacina AstraZeneca/Oxford foi destinada para cidades que possuem Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) ou hospitais, contemplando 49 municípios. Os demais 118 receberam a Coronavac que, com o segundo lote, devem concluir a vacinação de todos os profissionais da saúde.

Natal foi a cidade que mais recebeu vacinas. Foram 1.078 doses da Coronavac e 10.180 da AstraZeneca/Oxford. A Prefeitura do Natal informou que, até esta terça-feira (26), tinham sido vacinadas 11.816 pessoas na capital.

Já para os profissionais da saúde, o Governo do Estado destinou 5.380 doses do imunizante AstraZeneca/Oxford para a vacinação dos servidores lotados nos hospitais de referência da rede estadual de saúde.

Através do envio direto aos serviços de saúde, a Sesap quer garantir o acesso de todas as trabalhadoras e trabalhadores de saúde que fazem parte da rede, exercem as atividades em escalas de plantão e estão impossibilitados de se deslocarem até as salas e postos de vacinação. Essa prática já é adotada nas campanhas de vacinação de influenza nos Estados e municípios.

Distribuição
Vacina Astrazeneca/Oxford distribuídas pela Sesap:
Natal
à Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel: 1.010
à Hospital José Pedro Bezerra (Santa Catarina): 630
à Hospital Giselda Trigueiro: 460
à Hospital Central Coronel Pedro Germano (PMRN): 290
à Hospital João Machado: 290
à Hospital Infantil Maria Alice Fernandes: 280

Parnamirim
à Hospital Regional Deoclécio Marques de Lucena: 390

Macaíba
à Hospital Regional Alfredo Mesquita Filho: 140

Pau dos Ferros
à Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade: 320

Mossoró
à Hospital Regional Tarcísio Maia: 140
à Hospital Rafael Fernandes: 130

Currais Novos
à Hospital Regional Mariano Coelho: 230

Caicó
à Hospital Regional do Seridó: 220

Açu
à Hospital Regional Nelson Inácio dos Santos: 150

Santo Antônio
à Hospital Regional Lindolfo Gomes Vidal: 150

São José de Mipibú
à Hospital Regional Monsenhor Antônio Barros: 150

João Câmara
à Hospital Regional João Câmara: 140

Apodi
à Hospital Regional Hélio Morais Marinho: 100

São Paulo do Potengi
à Hospital Regional Monsenhor Expedito: 90

Caraúbas
à Hospital Regional Dr Aguinaldo Pereira da Silva: 70












Leia também: