RN estuda desestatização da Potigás

Publicação: 2017-05-16 00:00:00
Aura Mazda e Ricardo Araújo
Repórteres

A viabilidade da desestatização ou ampliação de abertura de capital da  Companhia Potiguar de Gás (Potigás) será alvo de análises financiadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES). A Companhia será a segunda instituição ligada ao Governo do Rio Grande do Norte, com fonte de recursos própria e superavitária, que será avaliada pelo Banco. No mês passado, o Consórcio Aqua venceu processo licitatório aberto pelo BNDES para realizar estudos similares junto à Companhia de Águas e Esgotos (Caern).

Créditos: Magnus NascimentoA Potigás fornece gás encanado para 18.484 clientes potiguares. Faturamento previsto para 2017 supera despesas em R$ 88,8 milhõesA Potigás fornece gás encanado para 18.484 clientes potiguares. Faturamento previsto para 2017 supera despesas em R$ 88,8 milhões

A Potigás fornece gás encanado para 18.484 clientes potiguares. Faturamento previsto para 2017 supera despesas em R$ 88,8 milhões

saiba mais

Ainda sem saber o custo de mercado dos dois órgãos que passarão por avaliação do Banco, o Poder Executivo confirmou, em nota, que está realizando “estudos para avaliar o valor dos ativos do Estado, para mapear processos, e se existe a possibilidade de parcerias” e que esses “estudos estão em andamento. Ressaltou, entretanto, que não há possibilidade de venda da Caern e não fez referência a negociação integral da Potigás. De acordo com informações da Companhia que fornece gás encanado para 18.484 clientes potiguares, a estimativa de faturamento para este ano é de R$ 190,9 milhões. A empresa encerrou 2016 com balanço de R$ 158,7 milhões.

A Potigás foi procurada para detalhar o estudo financiado pelo BNDES e informou, através de assessoria de imprensa, que “trata-se de um assunto de prerrogativa exclusiva dos acionistas, não cabendo a interferência do corpo diretivo da Companhia Potiguar de Gás. Até o momento, de conhecimento da Potigás, todas as tratativas do Governo do Estado foram no sentido de mensurar o valor do ativo, mapear os processos e estimular o desenvolvimento das atividades com vistas à atração de novas indústrias ao Rio Grande do Norte e a geração de emprego e renda, por meio do insumo do gás natural canalizado”.

Conforme dados divulgados pela Potigás, a estimativa de vendas para este ano superará as despesas da empresa em R$ 88,8 milhões. Os recursos deverão financiar “investimentos na ordem de R$ 10,9 milhões para o ano de 2017, que incluem as obras de ampliação da rede, modernização de sistemas, obras de suporte e interligação de novos clientes”. Sobre o processo da dívida milionária da Potigás com a Petrobras, a estatal alegou que “não há um entendimento pacificado que comprove a responsabilidade da Potigás em relação a dívida gerada pela concessão do benefício, cabendo à Potigás a venda do gás, não o gerenciamento do programa”. De acordo com balanço publicado em outubro do ano passado pela Potigás, a dívida cobrada pela Petrobras é de R$ 138,5 milhões.

A possibilidade de privatização da Potigás foi vista com bons olhos pela Federação das Indústria do Rio Grande do Norte (Fiern), que vê a operação como parte do processo de modernização da gestão dos Estados brasileiros. “Eu acho que se isso acontecer, será moderno para o Estado do Rio Grande do Norte. As empresas de gás precisam ser privatizadas. Se o Governo fizer a privatização, será um grande acerto. A iniciativa privada pode oferecer um serviço mais barato e com qualidade melhor. A privatização da Potigás poderá ser uma grande conquista para o Rio Grande do Norte”, declarou Amaro Sales, presidente da Fiern.

O presidente do Sindicato  da Indústria da Fiação e Tecelagem do Rio Grande do Norte (Sift/RN), João Lima, não acredita que, caso a Potigás seja vendida, as empresas consumidoras do gás encanado fornecida pela Companhia sofram perdas. “Eu não vejo problema. O serviço feito pela Potigás é muito simples. É fornecer o gás, medir o consumo e enviar o boleto. Não vejo mudanças significativas para os consumidores, para o setor industrial. A priori, não vejo mudanças”, analisou.

Números

113,8
milhões de metros cúbicos é o quantitativo de venda estimado em gás encanado para 2017.

R$ 190,9
milhões é o valor estimado da receita com as vendas de gás.

R$ 89
milhões é o custo médio anual com aquisição de gás e custas operacionais, e R$ 13 milhões é gasto médio, por ano, com despesas gerais e administrativas.

O que é a Potigás?

A Potigás, é uma sociedade de economia mista e tem como sócios o Governo do Estado do Rio Grande do Norte e a Petrobras Gás S/A – Gaspetro. É responsável exclusiva pela distribuição de gás canalizado no estado potiguar. Foi fundada em novembro de 1993 (Lei Estadual n. º 6502 de 26.11.1993) e suas operações tiveram início em 8 de março de 1995. A Potigás teve em 2016 uma receita líquidas de R$ 111 milhões, com 18.484 clientes que são atendidos por uma rede de distribuição de 390 quilômetros em todo o RN. Por dia, são vendidos uma média de 280 mil metros cúbicos de gás. Os dados estão na demonstração financeira das companhias de gás, divulgadas pela Abegás, em janeiro de 2017.