RN perde voo charter direto de Milão

Publicação: 2016-10-08 00:00:00
A+ A-
Yuno Silva
Repórter

Falar do potencial turístico de Natal e do Rio Grande do Norte é lugar comum, unanimidade, mas mesmo com todos os atrativos naturais derivados da combinação sol, mar e dunas, o Estado acaba de perder para Pernambuco um voo charter vindo da Itália. Operado pela Linea Aerea Meridiana Fly, o  charter internacional que fazia a rota Milão-Fortaleza-Natal-Milão fez seu primeiro pouso no Recife na última quinta-feira (6), e uma das justificativas levantadas foi a falta de natalenses interessados em atravessar o Atlântico.
Operado pela Meridiana Fly, o charter fazia a rota Milão-Fortaleza-Natal-Milão há quase um ano e trazia para a capital potiguar cerca de 60 passageiros por semana
O tema veio à tona após publicação de uma nota do empresário Ruy Gaspar, secretário Estadual de Turismo (Setur), onde tenta esclarecer os motivos para o fim do voo. Ele lembra que a operadora italiana comunicou a decisão de desviar a rota há cerca de quatro meses, e que o Governo do RN foi informado da impossibilidade de reverter a situação a curto prazo. “Promovemos o destino RN como não se fazia há pelo menos 15 anos na Itália”, escreveu Gaspar.

Por semana, entre 60 e 70 turistas italianos desembarcavam em Natal e, de acordo com Ruy Gaspar, era injetado perto de R$ 1 milhão mensais na economia local. A captação do voo foi anunciada com festa e como grande conquista pelo Governo Estadual no segundo semestre do ano passado. “É uma decisão comercial. Os voos charters funcionam bem se houver fluxo nos dois sentidos, e Natal sempre foi muito bom no receptivo. É um destino comparável com Fortaleza e Recife, mas com um terço do potencial emissivo dessas cidades”, declarou Ruy Gaspar em entrevista à TRIBUNA DO NORTE. “A aposta da Merydiana Fly foi Recife, uma capital com densidade populacional bem maior e com poder aquisitivo mais alto, portanto, com potencial emissivo de turistas mais viável do que Natal”, acrescentou o secretário na nota oficial.
Ruy Gaspar: “Charters funcionam bem com fluxo nos dois sentidos”
Sobre a falta de natalenses interessados em ir para aquele país da Europa, detalhe que viabilizaria a manutenção da rota, a reportagem questionou se foi feito algum trabalho do Governo para promover o destino Itália: “Não houve nenhuma divulgação sobre o voo, a Itália é um destino naturalmente procurado, e o interesse maior é nosso. O que poderíamos fazer nós fizemos, o Estado não pode se meter na divulgação para enviar gente daqui pra lá, é um problema da companhia aérea e da própria Abav (Associação Brasileira de Agências de Viagens)”, sentencia.

Apesar de identificar que o problema é na “emissão de passageiros natalenses” e afirmar que “o Governo não pode se meter” nesta questão, o secretário estadual, em outro trecho da nota divulgada, “provoca” a Prefeitura de Natal, sugerindo que faltou “sensibilidade e união” no tocante a divulgação e promoção da cidade – “a mais beneficiada pelo fluxo de turistas que visitam o RN”, afirmou. No texto, ele sugere que o Município deveria investir “10% da arrecadação de ISS da rede hoteleira com divulgação” para garantir a manutenção de conquistas como o charter internacional.

Em tempo: o Governo do RN anunciou cortes drásticos no Orçamento Geral do Estado para 2017 em setores como Saúde Educação e Turismo. A Setur, que historicamente não possui orçamento próprio, detalhe que impede a pasta de elaborar um planejamento a médio e longo prazos, terá uma queda de 48,99% nos recursos disponíveis para promoção e investimentos.

Falta de diálogo
A reportagem procurou a direção da Abav-RN para comentar o assunto, mas o presidente Abdon Gosson não foi localizado até o fechamento dessa edição. Já o presidente da ABIH-RN (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), José Odécio Júnior, que ficou sabendo do cancelamento do charter internacional pela imprensa, criticou a falta de comunicação.

“Estou há um ano e quatro meses à frente da ABIH-RN e em nenhum momento fomos convidados pelo Governo ou pela Setur, nem pela operadora Merydiana Fly para tratar do tema. Então não fomos omissos como ficou subentendido. Não nos furtamos a colaborar, somos o único setor que investe em ações para atrair turistas”.

Odécio lamenta a perda do voo, diz que não pode opinar por não ter participado do processo, e reforçou a necessidade da Prefeitura do Natal investir em divulgação o interesse através de um Fundo criado com fins promocionais.  “Temos lutado para a regulamentação do Fundo, para que se tenha uma verba de divulgação e promoção turística. O setor reivindica que o Município destine 10% do ISS arrecadado juntos à rede hoteleira para esse fim”, pontuou o presidente da ABIH-RN. “Quanto mais turistas, maior a arrecadação de impostos, maior ocupação de hotéis e pousadas, aquece os setores de comércio e serviços, aumenta o fluxo das companhias aéreas. Todo mundo sai ganhando”.

PROMOÇÃO DO DESTINO
A ABIH-RN, a operadora de turismo CVC, mais as secretarias Estadual (Sectur) e Municipal (Setur) de Turismo, entre outros parceiros, estão promovendo um 'mega fantur' no RN com presença de 200 agentes de viagem de várias partes do Brasil. Desde o dia 1º de outubro, os agentes estão sendo apresentados à atrações turísticas em solo potiguar. O evento terminou ontem.

Vale lembrar que Natal passou muitos anos na vice-liderança dos destinos mais procurados, de acordo com dados da CVC, atrás de Porto Seguro na Bahia. Atualmente está em quarto lugar, atrás de Porto Seguro, que se mantém no topo, Maceió e Fortaleza. A Setur e a Sectur, junto com a própria ABIH-RN, também são parceiras e estão presentes no 2º Hiper Feirão Flytour, que acontece desde a sexta-feira (7) e segue até domingo (8) na cidade de Santos (SP).