RN pode ter 80% dos prefeitos com candidaturas à reeleição

Publicação: 2020-01-19 00:00:00
A+ A-
Praticamente 80% dos 167 prefeitos do Rio Grande do  Norte, no exercício do cargo,  estão aptos a uma candidatura à reeleição no pleito de 4 de outubro de 2020, segundo dados da Federação dos Municípios do  Rio Grande do  Norte. Apenas 32 dos prefeitos já estão no segundo mandato e não poderão se candidatar nas eleições deste ano.

Créditos: Arquivo/TNEleitores vão às urnas no dia 4 de outubro de 2020Eleitores vão às urnas no dia 4 de outubro de 2020
Eleitores vão às urnas em outubro deste ano para a escolha dos prefeitos e vereadores

Embora 135 prefeitos possam ir às urnas, não constam dessa listagem os eleitos em 2016, que por diversos motivos foram afastados dos mandatos e perderam direito à reeleição.  Nesses casos, os prefeitos que assumiram os cargos, ficaram habilitados a disputar o primeiro turno do pleito eleitoral, como é o caso do prefeito de Água Nova, Francisco Ronaldo de Souza, que assumiu o posto  da prefeita afastada Rafaela Carvalho, assim como o prefeito de Alto do  Rodrigues, Nixon da Silva Baracho, que foi eleito em pleito suplementar no fim de 2018, devido a cassação do mandato do prefeito Abelardo Rodrigues Filho, que estava no segundo mandato.

Também tem direito a concorrer à reeleição o prefeito de Ceará-Mirim, Júlio Cesar Câmara,  que assumiu o cargo depois de eleição suplementar, devido a cassação do  mandato de Marconi Barreto. 

Em Galinhos, o prefeito Francinaldo Silva da Cruz também ganhou eleição suplementar com o afastamento do prefeito Fábio Rodrigues, assim como Francisco Adriano de Holanda, que substituiu Mozaniel de Melo Rodrigues em Guamaré.

Já em Pendência, o atual prefeito Flaudivan Martins Cabral ganhou eleição suplementar, substituindo ao afastado Fernando Antonio de Medeiros.
Parazinho foi outro município potiguar onde teve eleição suplementar, com Carlos Veriano de Lima assumindo a prefeita depois da cassação da prefeita Rita de Luzier Martins, bem como Ivanildo Ferreira Filho, substituto da prefeita cassada de Santa Cruz, Fernanda Costa Bezerra, enquanto em Pedro Avelino o afastamento da prefeita Neide Suely Costa resultou na eleição suplementar do prefeito José Alexandre Sobrinho.  Já em João Câmara, Manoel dos Santos Bernardo substitui Mauricio Caetano Damacena.

Outros prefeitos que têm direito à reeleição, assumiram mandatos de eleitos em 2016 por outras motivações, como foi o caso do prefeito de Natal, Álvaro Dias, que assumiu o cargo em 2018 devido a renúncia do prefeito Carlos Eduardo Alves para a disputa da eleição de governador daquele ano. 

Em Pedro Velho, a vice-prefeita Derjelane Macedo assumiu a chefia do Poder Executivo em função do falecimento da prefeita Patrícia Targino. No caso de Santana do Matos, a vice-prefeita Maria Alice Silva, que é mulher do ex-prefeito Francisco de Assis Silva, assumiu o mandato em decorrência da renúncia do prefeito José Edvaldo Guimarães Júnior por ter passado em dois concursos públicos para o cargo de médico.



Deixe seu comentário!

Comentários