RN registra 81 homicídios na primeira quinzena do ano

Publicação: 2018-01-15 08:58:00
O Rio Grande do Norte registrou 81 homicídios nos primeiros 15 dias do ano. Só neste final de semana (12 a 14 de janeiro) foram 28 crimes contra a vida. Os dados foram divulgados na manhã desta segunda-feira (15) pelo Observatório da Violência do RN (Obvio).

Créditos: DivulgaçãoObvio contabiliza 81 homicídios na primeira quinzena do anoObvio contabiliza 81 homicídios na primeira quinzena do ano

Obvio contabiliza 81 homicídios na primeira quinzena do ano

O levantamento mostra que, em números absolutos, houve uma "aparente redução" de 13,8% no comparativo com o mesmo período do ano passado. No entanto, destaca a rebelião que aconteceu na Penitenciária Estadual de Alcaçuz dia 14 de janeiro de 2017, quando 26 detentos foram mortos no confronto entre duas facções criminosas. De acordo com o relatório, esse é o motivo pelo qual o número de crimes registrados na primeira quinzena de 2018 não superam o mesmo período do ano passado.

O relatório aponta que essa redução percentual deve ser diluída ao longo do ano, caso não haja uma redução no número de mortes registradas diariamente. Em 2018, o Observatório contabilizou uma média 5,79 crimes contra a vida por dia em todo estado. O levantamento contempla homicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e outras condutas violentas que resultem em óbito. Esses crimes são classificados como Condutas Violentas Letais Intencionais (CVLIs).

O município de Mossoró, na região Oeste do estado, concentrou o maior percentual de CVLIs neste final de semana com uma taxa de 17,86% dos homicídios. Seguido de São Miguel do Gostoso e Natal, ambos com 14,29% e São Gonçalo do Amarante (10,71%). O dia mais violento deste período foi o sábado (13), quando ocorreram 53% dos crimes contra a vida registrados no fim de semana. A maior parte dessas pessoas morreu dentro de casa (36%). As vias públicas tiveram o segundo maior percentual (29%), seguido de equipamentos públicos (11%), locais próximos a residência das vítimas, e margens de rodovia (todos com 7%) e povoados ou sítios (3%).


Leia também: