RN tem 23,2 mil exames de alta complexidade pendentes

Publicação: 2017-12-07 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Yuno Silva
Repórter

A Central de Regulação da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), setor responsável pela lista de pacientes que aguardam a vez para realizar algum tipo de procedimento médico  através do Sistema Único de Saúde (SUS) no RN, informou que 23.241 exames de alta complexidade cadastrados no sistema estão pendentes – vale ressaltar que há pacientes na fila que necessitam de mais de um procedimento. Considerando que a média mensal de exames realizados pela Sesap é de 7,5 mil, a espera por uma ressonância magnética, uma tomografia computadorizada ou uma cintilografia (óssea, renal ou do miocárdio) pode chegar a até 90 dias.

Na Liga, são contratadas pela Sesap 700 tomografias por mês
                                Na Liga, são contratadas pela Sesap 700 tomografias por mês

“Se os médicos que solicitam e os que autorizam os exames seguissem as orientações dos protocolos clínicos elaborados pela Secretaria, não teríamos toda essa demanda reprimida. Acredito que esse número cairia 40%”, disse Valdimar Augusto, coordenador do complexo estadual de regulação da Sesap. Valdimar reforçou que todas as 167 secretaria municipais do Rio Grande do Norte receberam o caderno com as orientações.

O coordenador cita como exemplo a regulação promovida em municípios da Região Metropolitana de Natal, onde os protocolos clínicos (normas e procedimentos formais) são seguidos “rigorosamente”, onde a demanda reprimida é quase zero. “Só assim para reduzir a lista de espera”, garantiu.

Dos 23.241 procedimentos de alta complexidade listados na fila de espera da Central de Regulação da Sesap, as principais demandas são para ressonância (13.260); tomografia (8.557); cintilografia (853); exames de litotripsia (311) e densiometria óssea (238). As especialidades que mais solicitam exames são oncologia e neurologia.

Uma das problemáticas apontadas pela Sesap, que contribui para o acúmulo de ressonâncias magnéticas, é o baixo número de prestadores de serviço para realizar esse tipo de exame em crianças: “É preciso contar com a presença de anestesistas para sedar os pacientes nesses casos”, explicou Valdimar Augusto, coordenador do complexo estadual de regulação. Atualmente mais de 2 mil crianças estão na lista da Central de Regulação à espera dos exames.

Em Natal, a maioria dos exames de alta complexidade são realizados pela Liga Norte-riograndense Contra o Câncer, pelo Hospital Universitário Onofre Lopes e Hospital do Coração; em Mossoró os principais prestadores de serviço são o Instituto de Neuro Cardiologia Wilson Rosado e Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer.

Diferente do alto índice de ações judiciais movidas contra o Estado para garantir a realização de cirurgias através do SUS, que atingiram a marca de 2.865 processos apenas no primeiro semestre de 2016, as ações pedindo exames de alta complexidade em 2017 somaram 101 judicializações. 

Números
23.241 exames de alta complexidade estão pendentes na lista da Central de Regulação da Sesap

As principais demandas:
13.260 – ressonância
8.557 – tomografia
853 – cintilografia
311 – litotripsia
238 – densiometria óssea

7.500 média mensal de procedimentos de alta complexidade realizados no RN

60 dias é o tempo médio de espera dos pacientes por exames de alta complexidade

101 ações judiciais foram movidas em 2017 contra o Estado para garantir a realização de exames de alta complexidade


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários