Economia
RN tem 3º maior preço médio da gasolina C no Nordeste
Publicado: 00:00:00 - 31/08/2021 Atualizado: 23:15:42 - 30/08/2021
O Rio Grande do Norte tem o terceiro maior preço médio da gasolina C comum no Nordeste, de acordo com o mais recente levantamento da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis (ANP). Somente Piauí e Alagoas têm preços médios mais altos, respectivamente, R$ 6,479 e R$ 6,186. Entre as capitais, Natal também é a terceira com maior preço na região (R$ 6,030). Em Teresina, o valor médio é R$ 6,476; em Maceió, R$ 6,176.

Marcelo D. Sants
Nas últimas quatro semanas, o preço da gasolina comum teve redução de 2,72% no Estado

Nas últimas quatro semanas, o preço da gasolina comum teve redução de 2,72% no Estado


De acordo com o levantamento da ANP referente à semana de 22 a 28 de agosto, o preço do litro da gasolina já ultrapassa os R$ 7 em três regiões do País - Norte, Sudeste e Sul. Neste mês (até 28/08), a gasolina acumula alta de 1,98%, ante julho, sendo 0,44% somente na última semana, chegando a um valor médio no País de R$ 5,922. 

No RN, o preço médio da gasolina C Comum registrou queda de 0,38% na semana de 22 a 28 de agosto, passando de R$ 6,108 para R$ 6,085, e de 2,72% em quatro semanas. No mês, a alta foi de 2,82%, com preço caindo de R$ 6,305 em julho, para R$ 6,127 em agosto. Na capital, o valor médio caiu 0,81% na semana passada, saindo de R$ 6,079 para R$ 6,030, e 3,89%, em quatro semanas, segundo a ANP.

O maior preço médio da gasolina foi encontrado em Bagé, no Rio Grande do Sul (R$ 7,219/litro), e o mais barato em alguns municípios de São Paulo, inclusive a capital (R$ 5,099/litro). O preço médio do País ficou em R$ 5,982 por litro na semana passada. O último aumento da gasolina foi realizado nas refinarias da Petrobras em 12 de agosto, da ordem de 3,5%. 

Após um ano e três meses de altas consecutivas, o valor do combustível acumula aumento de 53,54% desde maio do ano passado, dois meses após o começo da pandemia, quando o preço médio era de R$ 4,01, segundo análise da ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas. No ano, a gasolina já subiu 51%.

Obtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 29 de agosto com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que Amapá (6,65%) e Distrito Federal (6,43%) registraram as maiores altas no período. Apenas o Rio Grande do Norte apresentou queda no valor do combustível no período (-1,43%). Entre as capitais, o valor médio do combustível foi de R$ 6,111.

Rio de Janeiro (R$ 6,52) e Brasília (R$ 6,379) foram as que apresentaram maiores preços em agosto. Já os menores valores médios foram encontrados em Curitiba (R$ 5,658) e São Paulo (R$ 5,692).

Explicações
Segundo analistas, apesar dos 20 aumentos já aplicados na gasolina este ano, ainda existe defasagem em relação ao mercado internacional, o que deve ser recomposto gradualmente pela Petrobras ao longo do tempo, à medida em que o preço do petróleo evolui no mercado internacional.

Nesta segunda-feira (30), o petróleo reduzia perdas registradas na semana passada e operava cotado a US$ 71,61 o barril do tipo Brent. Além do impacto da alta do petróleo, o preço da gasolina no posto de abastecimento também tem sido afetado pela adição do etanol, produto também em alta no mercado, cuja mistura obrigatória ao combustível fóssil é da ordem de 27%.

Etanol
O preço médio do etanol no País no mês de agosto foi de R$ 4,499. Apesar da sequência de altas da gasolina, esse combustível ainda segue sendo o mais vantajoso para se abastecer o veículo em todo o País. O método utilizado nesta análise, descontando fatores como autonomias individuais de cada veículo, é de que, para compensar completar o tanque com etanol, o valor do litro deve ser inferior a 70% do preço da gasolina.

No Estado, o etanol hidratado teve redução de 0,53%, caindo de R$ 5,518 para R$ 5,489, na semana passada. Mas continua com o quarto preço médio mais alto do País, e o maior do Nordeste. Em 12 meses, houve aumento de 53,49%. No caso do óleo diesel S10, o RN tem o segundo maior preço no Nordeste (R$ 4,911), superado apenas por Alagoas (R$ 5,018). A variação na semana passada foi de 0,37%, e em quatro semanas, 0,28%.











Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte