RN tem saldo de 8.270 novas empresas de maio a agosto deste ano e crescimento de 8,95%

Publicação: 2020-09-19 00:00:00
Margareth Grilo
Editora Executiva

Apesar da pandemia de covid-19 afetar a atividade econômica em todo o território nacional, a criação de novos negócios superou o de fechamentos de empresas tanto no período de maio a agosto deste ano, como no acumulado de 2020. No Rio Grande do Norte, no segundo quadrimestre deste ano, foram abertas oficialmente 12.054 empresas entre matrizes e filiais ante o encerramento de 3.784. Essa movimentação gerou um saldo de 8.270 novos negócios, 8,95% maior que no 1º quadrimestre deste ano, colocando o RN na 6ª posição entre os estados nordestinos. O primeiro quadrimestre teve abertura de 12.012 firmas e a extinção de 4.422, o que resultou na abertura líquida de 7.590 negócios. 

Créditos: Kleber Sampaio/ABrComércio lidera o ranking dos dez setores que mais abriram empresas no segundo quadrimestreComércio lidera o ranking dos dez setores que mais abriram empresas no segundo quadrimestre

Os dados estão na ferramenta Mapa das Empresas, divulgada pela Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia. De janeiro a agosto deste ano, o Estado registrou a abertura de 24.232 CNPJs e a extinção de 8.251, um saldo de 15.891 novos negócios. Com o número, o Estado passou a ter 236.402 companhias ativas. Nos últimos 12 meses, o RN registrou uma abertura líquida de 23.991 novas empresas.

Embora o resultado do acumulado do ano e do segundo quadrimestre sejam positivo, o relatório mostra que, no mês de agosto, houve leve queda de 0,56%, com o registro de 3.693 empresas em solo potiguar, ante 3.714 em julho deste ano. Em contrapartida, 1.080 empresas tiveram que fechar suas portas. O número é 2,17% menor que o registrado em julho, 1.104. O governo federal começou a inserir dados, mensalmente, no Mapa das Empresas, em janeiro deste ano.

O Mapa traz ainda um apanhado sobre os tempos médios de abertura de empresas em cada estado e no Distrito Federal. No segundo quadrimestre de 2020, o Rio Grande do Norte foi o sétimo do País com menor tempo médio: 2 dias. Pelos dados, houve uma redução de um dia e 21 horas, no comparativo entre o 2º e o 1º quadrimestre deste ano, nesse quesito.

No caso de Natal, que no  1º quadrimestre deste ano, aparecia entre as cinco capitais com  como maiores tempos médios de abertura de empresas (26ª), com 4 dias e 14 horas, houve evolução. Esse tempo reduziu para dois dias e cinco horas, no segundo quadrimestre, e ocupa a 12ª posição no País.

Cenário nacional
O Mapa mostra que o Brasil registrou a abertura líquida de 782.664 empresas no segundo quadrimestre de 2020. No total, 1,114 milhão de novas firmas foram abertas de maio a agosto de 2020, um aumento de 6% em relação ao primeiro quadrimestre do ano e uma alta 2% em relação ao mesmo período do ano passado.

Ao mesmo tempo 331.569 empresas encerraram suas atividades de maio a agosto, um volume 6,6% menor que o dos primeiros quatro meses de 2020. Na comparação com o segundo quadrimestre de 2019, a queda no fechamento de firmas chegou a 17,1%.

A maior parte dos novos CNPJs criados no segundo quadrimestre do ano foi de empreendedores individuais, incluindo os microempreendedores (MEIs), com 944.469 registros de maio a agosto, uma alta de 2,4% em relação aos quatro primeiros meses de 2020.
Com os resultados do período, o número de companhias ativas no País chegou a 19,289 milhões no fim de agosto, uma alta de 4,5% em relação ao fim de abril. Do total, 13,783 milhões são empreendedores individuais ou MEIs.

77,75% das empresas abertas são MEI
No Rio Grande do Norte, das 24.232 firmas abertas de janeiro a agosto deste ano, 21.289  são do tipo Empresa individual. Dessas,  18.842 estão classificadas como Microempreendedor Individual (MEI) - um volume representa 77,75% do total de empresas abertas no Estado no segundo quadrimestre do ano. No total, são 182.596 (77,23%)  empresários individuais ativos, incluindo os MEI.

No País, que possui 13.783.503 empresários individuais ativos, incluídos os MEI, foi registrada a abertura de 944.469 empresários individuais no País, representando aumento de 2,9% em relação ao primeiro quadrimestre de 2020 e aumento de 1,4% em relação ao segundo quadrimestre de 2019. 

De acordo com a ferramenta de dados, os dez setores que mais abriram empresas foram: comércio (1.429); promoção de vendas (922); cabeleireiros e manicures/pedicures (921); fornecimento de alimentos (758); comércio varejista de mercadorias em geral (697); restaurantes e similares (674); lanchonetes, casas de chá e sucos (660); comércio varejista de bebidas (563);   comércio varejista de cosméticos (487) e obras de alvenaria (465).

Quando O setor de serviços responde por 46% das empresas em funcionamento no País, seguido pelo comércio com 35,21%. Na sequência aparecem indústria de transformação (9,53%), construção civil (8,09%), agropecuária (0,64%), extrativa mineral (0,14%) e outras (0,45%). O comércio varejista de vestuário e acessórios liderou a criação de empresas no segundo quadrimestre do ano, com 68.711 novas firmas. Na sequência, vem a abertura de 51.153 empresas de promoção de vendas. Outras 43.378 firmas foram abertas para o fornecimento de alimentos preparados para consumo domiciliar.

Já entre os segmentos que mais fecharam firmas no período estão o comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios; lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares; e comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios. Ainda não há detalhamento, por segmento, por estados.

De acordo com o boletim, muitos empreendedores ao iniciarem seus negócios têm optado por constituírem-se como empresários individuais, sobretudo como MEIs, que representam hoje cerca de 55% dos negócios ativos do Brasil e 79,8% das empresas abertas no segundo quadrimestre. Para o ministério, isso “reforça a importância dos pequenos negócios para o país, além de serem um dos pilares da retomada da economia brasileira no pós-covid”.

A subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato do Ministério da Economia, Antonia Tallarida, disse que a abertura de MEIs no país não é reflexo do desemprego. “A gente não viu a crise impactando nesse número [abertura de MEIs]. O MEI entra como uma suplementação da renda, é uma política que ajuda o empreendedor que decide largar seu emprego para começar seu negócio. E está funcionando muito para essa economia sob demanda, motoristas e entregadores de aplicativos. Mas a gente não entende que o MEI está sendo uma saída para o desemprego. O crescimento do meio é exponencial, tende a crescer cada vez mais. Mas se a gente comparar a variação de 2018 para 2019 e de 2019 para 2020, houve inclusive uma desaceleração [na criação de MEIs]”, disse Antonia Tallarida.

Mapa das empresas
RIO GRANDE DO NORTE
1º Quadrimestre de 2020
Ativas: 227.682
Abertas: 12.012
Fechadas: 4.422
Saldo: 7.590
2º Quadrimestre de 2020
Ativas: 236.402
Abertas: 12.054
Fechadas: 3.784
Saldo: 8.270
No acumulado do ano
Ativas: 236.402
Abertas: 24.232
Fechadas: 8.251
Saldo: 15.981

Estados do Nordeste 
Saldo entre abertura e fechamento de empresas (2º Quadrimestre de 2020)
1º BAHIA    33.684
2º PERNABUCO 21.923
3º CEARÁ 21.178
4º MARANHÃO 10.734
5º PARAÍBA 9.621
6º RIO GRANDE DO NORTE 8.270
7º ALAGOAS 7.466
8º PIAUÍ 6.213
9º SERGIPE 5. 084


Ranking
Tempo de abertura de empresas no 2º Quadrimestre de 2020 e variação em relação ao  1º Quadrimestre de 2020 
1º GOIÁS
1 dia e 1 hora (- 11 horas)
2º DISTRITO FEDERAL 
1 dia e 2 horas (+ 1 hora)
3º MATO GROSSO 
1 dia e 10 horas (- 12 horas)
4º SERGIPE 
1 dia e 10 horas (- 6 horas)
5º MATO GROSSO DO SUL 
1 dia e 13 horas (- 15 horas)
6º RONDÔNIA
1 dia e 15 horas (- 16 horas)
7º RIO GRANDE DO NORTE
2 dias (- 1 dia e 21 horas)
27º BAHIA
7 dias e 18 horas (- 2 dias e 14 horas)

Soma o tempo gasto na viabilidade e no registro da empresa
 
Capitais
Natal é a 12ª no ranking com o tempo de 2 dias e 5 horas para viabilidade e abertura de uma empresa
- 2 dias e 10 horas foi a redução no 2º quadrimestre em relação ao 1º quadrimestre de 2020










Leia também: