Economia
RN terá 35 blocos petrolíferos à venda em novo leilão da ANP dia 4 de dezembro
Publicado: 00:00:00 - 26/11/2020 Atualizado: 23:47:28 - 25/11/2020
Cláudio Oliveira
Repórter

No próximo dia 4 de dezembro, 35 blocos exploratórios de petróleo em dois setores terrestres da Bacia Potiguar estarão disponíveis para serem arrematados no leilão do 2º Ciclo da Oferta Permanente da Agência Nacional do Petróleo (ANP).   A disponibilidade desses campos na região Oeste representa a retomada do crescimento do setor, impulsionada pelo ingresso de operadores independentes e por novas oportunidades de negócios.

Alex Régis
Blocos exploratórios ofertados estão localizados na bacia terrestre do Rio Grande do Norte

Blocos exploratórios ofertados estão localizados na bacia terrestre do Rio Grande do Norte


A perspectiva é que o Estado repita ou supere o desempenho de leilões anteriores, como no 1º Ciclo da ANP, em 10 de setembro de 2019, quando a empresa norte-americana Petro Victory arrematou 15 blocos; a Phoenix Energia, dois; Geopark Brasil e Imetame Energia, um bloco cada.   

No novo leilão, as 63 empresas inscritas na Oferta Permanente poderão apresentar lances entre os 14 setores de blocos exploratórios de nove bacias que, além da Potiguar, compreendem as bacias de Santos, Espírito Santo, Campos, Paraná, Amazonas, Recôncavo, Sergipe-Alagoas e Tucano. Há disponíveis, ainda, dois setores de áreas com acumulações marginais das bacias do Solimões e Recôncavo.

“Tivemos no último leilão o maior número de blocos arrematados. Neste agora são blocos que ainda não têm produção. Eles serão arrematados e as empresas vão fazer o desenvolvimento de pesquisas e apresentar o planejamento após o leilão. Elas têm até três anos para isso”, explicou o diretor da Redepetro/RN, Gutemberg Dias. 

Esse processo resulta da atual política da Petrobras, que, desinteressada em campos maduros, coloca-os à venda. São campos ofertados em licitações anteriores, não arrematados ou devolvidos à ANP. Ainda não foi apresentada uma estimativa sobre o número de empregos que devem ser gerados. 

Segundo a ANP, isso vai depender dos estudos das empresas compradoras. “Para isso acontecer, as empresas que arrematarem os blocos terão que encontrar petróleo ou gás e declarar comercialidade, comunicando à ANP que pretendem produzir nessas áreas”, informou a Agência, por meio de sua assessoria de imprensa.

De acordo com o diretor geral da ANP, Raphael Moura, o Rio Grande do Norte é o primeiro Estado a receber compradores de ativos da Petrobras e já apresenta números positivos na produção de petróleo neste novo momento. “O mercado no Rio Grande do Norte passa por grande transformação, com o ingresso de novas empresas. A expectativa é que seja ampliado o número de empresas e de áreas exploratórias ainda em 2020”, disse o diretor ao participar, por videoconferência, da abertura do Mossoró Oil & Gas Expo, maior evento do País na área, que acontece em Mossoró até esta quinta-feira (26).

Produção
O RN continua sendo o maior produtor de petróleo em terra do Brasil e o sexto na produção nacional. Com os novos investimentos nos campos maduros, existe a perspectiva de aumento de produção de petróleo que hoje está em 35 mil barris/dia.

Números apresentados no primeiro semestre deste ano contribuem para o otimismo do setor e comprovam o momento de reaquecimento da cadeia produtiva do petróleo e gás potiguar. Um exemplo vem da Potiguar E&P, que, seis meses após assumir os campos maduros de Riacho da Forquilha, na região de Mossoró, elevou a produção em 30%.

Grupo de trabalho
O Governo do Estado tem acompanhado os planos de desinvestimentos da Petrobras no RN. Por determinação da governadora Fátima Bezerra, foi criado um grupo de trabalho envolvendo o Governo e a estatal para discutir a situação da venda de ativos da empresa. Fátima garantiu que o Governo reforçará parceria com as empresas.

“Não estamos medindo esforços para que tenhamos um ambiente favorável aos negócios aqui no RN. Temos os investimentos em curso da PetroReconcavo, da Empresa Potiguar e da Associação Brasileira dos Produtores Independentes. Estamos sendo proativos e parceiros na celeridade e eficiência do licenciamento ambiental para que os investimentos dessas empresas já se iniciassem aqui em Mossoró, como foram iniciados”, destacou a chefe do executivo Estadual ao participar do Mossoró Oil e Gas Expo. Ela destacou ainda que, enquanto as novas empresas não se instalarem, a Petrobras precisa manter os níveis de produção para garantir empregos, arrecadação de ICMS e royalties.

Mossoró Oil & Gas Expo 
V Fórum Onshore Potiguar
Local:  Hotel Garbos

Programação de hoje
8h às 12h
Inovação Apresentação de Empresas Inovadoras 10 EMPRESAS
8h às 12h
Rodada de Negócios
8h às 18h
Simpósio de petróleo e gás do onshore brasileiro- Apresentação de trabalhos acadêmicos
14h às 15:30
Petróleo e Gás - Oportunidades e desafios para os fornecedores da Cadeia de Óleo e Gás.
16h às 17:30
Petróleo e Gás - Licenciamento ambiental: Novas perspectivas para o Onshore











Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte