RN ultrapassa 300 mortes pela covid-19 e tem 7.402 casos da doença

Publicação: 2020-05-31 00:00:00
A+ A-
O Rio Grande do Norte ultrapassou a casa dos 300 óbitos por covid-19. Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde Pública do RN (Sesap-RN), o Estado já possui 305 mortes por covid-19. Há ainda 64 óbitos em investigação. Os dados são do mais recente boletim epidemiológico da Sesap, divulgado neste sábado (30). De acordo com a pasta, o Estado já possui 7.402 casos confirmados, 14.172 suspeitos e outros 12.550 descartados. Além disso, há 1.824 recuperados.

Créditos: DivulgaçãoO Lacen já processou e liberou 8.770 exames de covid-19, 92% das 9.480 amostras recebidas desde fevereiroO Lacen já processou e liberou 8.770 exames de covid-19, 92% das 9.480 amostras recebidas desde fevereiro

As confirmações dos casos de covid vêm aumentando a cada dia e pode estar associada ao fato do crescimento no número análise de exames virais por parte do Laboratório Central do Rio Grande do Norte (Lacen-RN). Até a última atualização, o Lacen processou e liberou 8.770 exames de covid-19, o que equivale a 92% das 9.480 amostras recebidas desde o mês de fevereiro. Na sexta-feira (29), existiam 300 amostras que chegaram nos dois dias anteriores e devem ser processadas até este final de semana, de acordo com o diretor administrativo do Lacen, Derley Galvão. Segundo ele, no primeiro quadrimestre de 2019, o laboratório realizou 70 exames de vírus respiratórios. Já no mesmo período deste ano foram mais de 4 mil exames - um aumento de 6.500%.

Segundo a Sesap, a maior dificuldade do Lacen para entregar resultados dos exames de Covid-19 é a falta de material para a etapa de extração automatizada. A extração do material genético das amostras pode ser manual ou automatizada. Nesta última, o processo acontece por meio de equipamento robotizado que todos os Lacens possuem contratados, em regime de comodato, pelo laboratório Abbot, e que só pode usar reagente fornecido pela própria farmacêutica proprietária do equipamento.

O diretor Derley Galvão explicou ainda que o Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, há mais de um mês, se comprometeu, mas não fez contrato com a empresa para o fornecimento dos kits de extração.

Diante do impasse, o Governo do Estado comprou 62 kits. Inicialmente foram 27 kits que permitiram, durante três semanas, a liberação dos resultados em até 24h. A previsão é de que a demora no resultado dos exames volte a ocorrer porque a extração voltará a ser feita manualmente, o que permite 60 análises por dia. A automatização permite 200 extrações/dia.