RN 'zera' casos de Covid-19 no sistema prisional

Publicação: 2020-09-26 12:35:00
A Secretaria da Administração Penitenciária (Seap) confirmou neste sábado (26), que não tem casos confirmados de Covid-19 na população carcerária do Rio Grande do Norte. Com 10.447 presos, o Estado é um dos primeiros do Brasil sem registros atuais de infeção em internos e policiais penais e o único do Nordeste sem óbitos em razão da pandemia do novo Coronavírus entre a população carcerária e trabalhadores do sistema.

Créditos: Comunicação/SEAPCom o isolamento, foram adotados protocolos e medidas sanitárias para a prevenção e o combate a doença.Com o isolamento, foram adotados protocolos e medidas sanitárias para a prevenção e o combate a doença.

O secretário da Administração Penitenciária, Pedro Florêncio Filho, fez uma avaliação sobre a pandemia no sistema prisional local.  Ele explicou que as 17 unidades prisionais do RN foram isoladas em 13 de março, atendendo a recomendação do Comitê de Crise da pasta. Com o isolamento, foram adotados protocolos e medidas sanitárias para a prevenção e o combate à doença. “O primeiro registro de infecção entre os servidores aconteceu em 3 de abril e entre as pessoas privadas de liberdade ocorreu em 19 de maio. Já o gráfico com a curva da pandemia começou a cair em meados de agosto”, informou Florêncio.

Segundo relatou, o Comitê de Crise acompanha os casos no sistema e tem uma estatística diária do número de infectados, subsidiando as decisões da pasta. Os dados indicam que 529 internos testaram positivo para o Covid-19, cerca de 5% do total da população carcerária, e todos foram curados. Entre os policiais penais, foram computados 186 casos. Não existe registro de servidor infectado há mais de 20 dias.

O secretário ressalta que o efetivo foi testado quase que por completo e que, no Nordeste, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o RN teve um dos mais baixos índices de infeção entre os policias penais. Entre os presos, é o quarto Estado da região com mais registros.

“O esforço dos servidores nas unidades foi decisivo para o enfrentamento da infecção. Passados seis meses de pandemia e com os números favoráveis, retomamos as visitas presenciais com todo cuidado e precaução. Não podemos relaxar e vamos permanecer atentos aos protocolos”, disse.

Visitas
Nas unidades com até 600 presos, as visitas já foram retomadas obedecendo a uma série de critérios e protocolos. As visitas, por exemplo, se limitam a uma pessoa por interno e não existe qualquer contato físico. Na próxima semana, será a vez das unidades maiores: Penitenciária Estadual de Parnamirim, Cadeia Pública Dinorá Simas, Penitenciária Rogério Coutinho e Penitenciária Estadual de Alcaçuz.

Segundo Pedro Florêncio, as medidas sanitárias e de prevenção continuam: os presídios são desinfectados diariamente; policiais penais, internos e usuários utilizam equipamentos de proteção individual e tem álcool para higienização à disposição; o horário do banho de sol dos apenados foi prolongado; colchões são expostos diariamente ao sol. Os novos internos passam por exames das unidades de saúde e ficam em quarentena.