Roteiro pé na areia

Publicação: 2018-01-12 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Além do calor, do barulho das ondas e das paisagens ensolaradas, o litoral também abre o apetite para iguarias que têm a cara e o sabor do mar. E em período de alta estação, com muita gente de férias e turistas em evidência, escolher aquele ponto perto do mar onde a comida e os serviços são de primeira, vira uma ótima pedida.

Com vista da falésia de Tabatinga, um dos espaços preferidos dos passantes, no litoral sul, é o Bar NuGrau e a Casa da Tapioca
Com vista da falésia de Tabatinga, um dos espaços preferidos dos passantes, no litoral sul, é o Bar NuGrau e a Casa da Tapioca

O caderno FDS saiu em campo para ouvir dos mais variados praieiros, quais são os points que deverão estar em qualquer roteiro com vista para o mar de 2018. Entre espaços já conhecidos e outros mais escondidinhos, tem um lugar ao sol (com sombra) para todos.

O restaurante Pajé Culinária à Beira-Mar é um dos novos points de Maracajaú, e o atual favorito do jornalista gastronômico Benício Siqueira. “É um conjunto de coisas boas: o ambiente é relaxante, a comida é ótima, e o banho de mar é tranquilo. É um lugar perfeito para ir com a família, tem até uma pousada nas proximidades”, explica. O cardápio do Pajé foi o último trabalho da chef Gláucia Veras, que elaborou vários quitutes à base de frutos do mar. Entre eles os bolinhos de bobó de camarão, ensopado de caranguejo, polvo grelhado ao vinagrete, entre outros.

A chef 'master' Irina Cordeiro afirma que a Barraca do Duca, em Pirangi, serve a melhor comida de praia que ela já provou. “Um caranguejo delicioso no coco com farofa, peixe assado ou frito, caldo maravilhoso, e um pastel de camarão super recheado. É barato, aceita cartão, e ainda tem mesas embaixo de um coqueiro. O que eu posso querer mais?”, diz ela, que frequenta o local desde 2010.  Irina ressalta que o lugar costuma ser bem tranquilo, até mesmo no domingo. O atendimento também é um ponto alto. “O atendente Papa Léguas é gentil e atende super bem. E o bicho corre!”, brinca.   

Para o produtor cultural Marcelo Veni, o Bar do Cocota, em Baía Formosa, é exemplo de simplicidade e excelência. “Comidas e petiscos praianos bem feitos e com preços muito em conta. Sugiro o caldo de cação e o caranguejo criado em cativeiro com caroço de dendê”, diz. Marcelo ressalta ainda o prato de albacora (o “atum” de Baía Formosa) com cerveja cai bem a qualquer momento. “Também se pode almoçar um PF de praia com arroz, feijão, peixe frito, pirão, e macaxeira frita na manteiga da terra”, delicia-se.

O Cantinho da Ostra, na Lagoa de Guaraíras, em Tibau do Sul, encanta a produtora cultural Natália Santana há cinco anos. “O lugar tem uma vista incrível. Mostra o encontro da lagoa com o mar, além de um entardecer fantástico”, lista. A cozinha também é um destaque. Ela indica petiscos como as pizzas de ostra e de frutos do mar, feitas no forno a lenha e a preços honestos. Também são servidas ostras in natura e gratinadas, além de caldos, peixe frito, e petiscos tradicionais de praia. “Já fizemos um bate e volta e vale a pena demais”, afirma.

Wendell Paiva, empresário do ramo turístico, ficou impressionado com o Caranguejo do Olavo, recém-aberto na praia de Camurupim. “Atendimento, qualidade e localização perfeitos. É visível que a experiência de 34 anos do Camarão do Olavo mantém o padrão de qualidade por aqui”, diz. O ambiente também faz a sua parte. “A praia é ótima para banho. Você fica em frente a um mar tranquilo, é uma delícia”, ressalta.

A jornalista e produtora cultural Suzy Leal não abre mão dos clássicos. “O Nugrau, em Tabatinga, barzinho pé na areia em cima da falésia oferece tudo: visual, natureza, ótimo lugar para conversar e encontrar amigos”, diz. Além da comida saborosa, é claro. “Os pastéis de camarão são os melhores do estado. E tem a cerveja mofada...só de falar já quero estar lá”, brinca. Ela faz questão ressaltar que, quando está em Natal, não abre mão da ginga com tapioca na Redinha. “É onde passo a maior parte do verão”, diz.

O chef Walrison Albino vai até a badalada Pipa para saborear a Barraca da Neide. “Ela tem o que muitos cozinheiros não têm: ousadia. São pratos simples, mas sempre com aquele toque pessoal dela”, afirma. Em Natal, o rolé é em Ponta Negra, no sempre cheio Old 5. “O ambiente é bem agradável, a comida é boa, e adoro o público alternativo, ao lado da vista privilegiada de lá”, conta. Litoral norte? Ele indica a Barraca do Júnior, em Santa Rita. “Comida boa e preço justo, cerveja gelada. Para quem gosta de comer peixe frito e pagar pouco, é a melhor escolha”, conclui.

O chef e jornalista Alexandre Gurgel segue para Tabatinga quando pensa na fórmula praia + litoral. “Gosto do Bar do Galego com suas galinhas torradas e à cabidela, além dos pastéis do Nugrau, claro, que são obrigatórios para quem passa por ali”, afirma. No caminho para Nísia Floresta ele também indica a Casa da Tapioca, onde só se come tapioca, beiju, grude, e bolos de tabuleiro. “A gente vê a produção de tudo na hora. Isso é um privilégio em tempos de gourmetização de tudo”, diz.

O artista plástico e professor Max Pereira não quer ir muito longe. “Um dos meus lugares favoritos fica ali nos quiosques entre as praias do Meio e do Forte. A cerveja está sempre gelada, a comida é boa e 'nos preços'. E ainda tem banho em piscinas naturais com o visual singular do Forte, da ponte, e os prédios da Av. Café Filho. É uma experiência bem incomum de Natal que muita gente ainda não percebeu”, explica.

O jornalista Carlos de Souza conta que ficou encantado com a descoberta recente que fez na praia de Zumbi, em Rio de Fogo: os pastéis. “É na área de quiosques da praia onde estão os melhores pastéis que já provei. Tem de arraia, carne de sol, frango com queijo ou catupiri regados com cerveja, cachaça, suco, água de coco, refrigerante. Tudo bom demais, o resto é besteira”, afirma.

O ator José Neto Barbosa  indica a Barra do Cunhaú. “Lá tem o Pastel do Valmir, junto à Barraca do Tonho, onde você come um pastel de camarão sem igual. A própria Barra do Cunhaú é mágica, paradisíaca! Lá tem prática de kitesurf, travessias no braço de mar, e dá pra conhecer os mangues”, elogia.

Mais badalada que nunca, São Miguel do Gostoso já desponta há tempos com suas qualidades gastronômicas. Uma delas é o restaurante Jangadeiro Samburá de Sabores, já com dois anos de estrada. A casa só atende por reservas e trabalha com menu degustação. A chef Irina Cordeiro foi consultora do restaurante.

Em Tabatinga, o restaurante Tempero da Zefinha já entrou na rota de favoritos de muita gente. Cativou paladares pelo uso criativo de frutos do mar frescos, temperos orgânicos, ingredientes de qualidade, e o clima caseiro do ambiente. A casa não conta com um cardápio fixo, e os pratos saem conforme os ingredientes disponíveis. O cenário é uma palhoça estilizada com vista para o mar. É fácil embarcar no clima.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários