Rotina de estudos durante a pandemia de covid-19 não foi fácil

Publicação: 2021-01-17 00:00:00
Na tarde do dia 20 de maio de 2020, Gustavo Fontenele soube que o seu ano teria dois meses a mais. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) havia acabado de anunciar o adiamento das provas do Enem de novembro para janeiro, e o primeiro pensamento do estudante foi: “Terei mais tempo para estudar”. Teve. Mas, na última semana de preparação, na quinta-feira, (14) confessou: “Preferiria que tivesse sido antes”. O cansaço chegou – para Gustavo e para a maioria dos estudantes que se dedicaram horas para o exame deste domingo.

“O adiamento estourou muitos alunos de cansaço pela rotina de estudos e outros acabaram se prejudicando porque pararam de estudar em dezembro e ficaram sem uma preparação nesta reta final”, avaliou o diretor do Over Colégio e Curso, Carlos André. O diretor se referiu aos alunos de maneira geral e destacou que o colégio que dirige tentou trabalhar a saúde mental para não esgotar os alunos antes da prova. “Na última semana apenas revisamos conteúdos, poupamos a energia do aluno para ele chegar pronto na prova”, disse.

Créditos: Adriano AbreuGustavo Fontenele diz que cansaço chegou, mas quer se sair bemGustavo Fontenele diz que cansaço chegou, mas quer se sair bem

Estudante do Over, Gustavo conta que, apesar do cansaço, está empolgado e disposto – ou melhor, como ele disse, “está no gás” – para a prova deste domingo. Desde o início da sua rotina de estudos, que inclui aula das 7h às 12h20 e estudo individual das 14h às 20h, ele consegue controlar o cansaço mental com a prática de exercício físico diariamente. Nas últimas semanas, diminuiu a carga de estudos para tentar relaxar. O objetivo é se sair bem o suficiente para ser aprovado no curso de Medicina.

Não foi fácil manter uma rotina de estudos no início da pandemia. O estudante se distraía com facilidade nas aulas remotas e tinha dificuldade de fazer a mente entender que a casa, agora, era um ambiente de estudos. Aos poucos, conseguiu se adaptar e ganhar confiança para a prova. Em setembro, as aulas presenciais da escola onde estuda voltaram e a situação pareceu mais dentro do normal.

Assim como no Over, as últimas semanas de preparação no CEI Romualdo focaram em evitar o esgotamento mental dos alunos. A psicóloga Amanda Palácio relata que a rotina dos alunos inclui aulas e atividades lúdicas, como oficinas de dança e tie-dye, como forma de reduzir o estresse. “Cada vez mais a saúde mental está em evidência, e neste último ano mais do que nunca. Assim como os conteúdos são importantes, a saúde mental também é. Esse Enem talvez seja um divisor de águas: vai ficar evidente que o aluno que chegar bem emocionalmente na prova, depois de enfrentar tudo que enfrentou, vai estar muito mais na frente do que em relação a outros”, declarou.

Créditos: Adriano AbreuPsicóloga Amanda Palácio relata que a rotina dos alunos inclui aulas e atividades lúdicas, como forma de reduzir o estressePsicóloga Amanda Palácio relata que a rotina dos alunos inclui aulas e atividades lúdicas, como forma de reduzir o estresse

Carlos André concorda com a psicóloga e afirma, com a ressalva de que “é triste dizer isso”, que o Enem deste ano deve ser “o exame mais fácil para os alunos que se preparam até agora em janeiro e chegam sem estarem esgotados mentalmente”. “A gente tem várias situações de alunos no Enem deste ano, que variam de acordo com a escola, com a situação da família, com a situação financeira. Vai ser um exame atípico, isso eu não tenho dúvidas”, disse.

Nos simulados do Over, os alunos treinaram a realização da prova do Enem com todas as adaptações anunciadas pelo Inep: uso obrigatório de máscara, distanciamento social, salas sem ar-condicionado. Ao todo, foram 30 provas para os estudantes. “Para mim, é mais uma prova que estou acostumado a fazer. Os simulados me ajudaram muito a me sentir adaptado, a ter que usar a máscara o tempo inteiro”, declarou Gustavo. Além dos simulados, essa é a terceira vez que ele vai prestar o Enem, aos 17 anos – com a prova em si, diz, já está familiarizado. Neste ano, ele também prestou o vestibular da Universidade de Campinas, em São Paulo, com os mesmos protocolos. “O mais importante agora é me manter tranquilo”, disse.

Números do Enem 2020

Rio Grande do Norte tem mais de 129 mil inscritos
Datas do exame
Impressa:  17 e 24 de janeiro
Digital: 31 de janeiro e 7 de fevereiro

Enem 2020 - Mudanças causadas pela pandemia


Gerais
Os portões serão abertos às 11h30 (Horário de Brasília), 30 minutos antes do previsto nos editais.
O número de participantes em sala foi reduzido. A ocupação será de 50% da capacidade máxima de cada sala.
Os locais de prova serão higienizados antes de cada aplicação e organizados para garantir o distanciamento social adequado. As etapas de produção e distribuição de provas também observaram as regras para higienização de materiais.
Obrigatório o uso de máscaras de proteção facial durante toda a aplicação. O participante que não utilizar a máscara cobrindo totalmente o nariz e a boca, desde sua entrada até sua saída do local de provas, ou recusar-se, sem justificativa, a respeitar os protocolos de proteção contra a Covid-19, a qualquer momento, será eliminado do exame.
Só será permitida a retirada da máscara para alimentação ou ingestão de líquidos. O participante poderá levar mais de uma máscara para troca ao longo do dia.
A higienização das mãos com álcool em gel, próprio ou fornecido pelo Inep, será obrigatória antes da entrada na sala de provas. Recipientes de álcool ficarão disponíveis durante toda a aplicação.
A ida ao banheiro será permitida desde que seja respeitada a distância prevista nos protocolos.
Pessoas acometidas ou com sintomas de COVID-19 e outras doenças infectocontagiosas previstas nos editais não devem comparecer aos locais de prova no dia da aplicação. Nesses casos, a condição deverá ser comunicada e comprovada, por meio da Página do Participante, para que seja avaliada a possibilidade de reaplicação.

Grupo de risco

As pessoas consideradas de grupos de risco (idosos, gestantes e pessoas com doenças respiratórias ou que afetam a imunidade), identificadas com base nas inscrições, terão ensalamento diferenciado.
A ocupação nessas salas será de até 25% da capacidade máxima. Além da redução de pessoas por ambiente, uma sala de até 12 pessoas será destinada aos participantes que, segundo critérios do Ministério da Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), são mais vulneráveis à COVID-19.

Números


Brasil
5.687.397 inscritos devem realizar a prova impressa neste domingo (17)
96.086 inscritos devem realizar a prova digital no dia 31 de janeiro
16.289 candidatos têm 60 anos ou mais e são do grupo de risco do novo coronavírus

Rio Grande do Norte

129.101 inscritos devem realizar a prova impressa neste domingo (17)
2.126 inscritos devem realizar a prova digital no dia 31 de janeiro
379 candidatos têm 60 anos ou mais e são do grupo de risco do novo coronavírus