Saúde: Pfizer tentará antecipar lote de 60 mi de doses do 4º para o 3º trimestre

Publicação: 2021-03-08 12:41:00
O assessor especial do Ministério da Saúde Aírton Antônio Soligo, conhecido como Aírton Cascavel, afirmou nesta segunda-feira que a Pfizer vai fazer um esforço para tentar antecipar a entrega ao Brasil do lote de 60 milhões de doses de sua vacina contra a covid-19 do quarto para o terceiro trimestre deste ano. Cascavel e o ministro da Economia, Paulo Guedes, falaram à imprensa nesta manhã após reunião de executivos da farmacêutica com o presidente Jair Bolsonaro e autoridades do governo federal.
Créditos: KEVIN DAVID/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOLaboratório Pfizer deve vender 100 milhões de doses da vacina ao governo federal até dezembroLaboratório Pfizer deve vender 100 milhões de doses da vacina ao governo federal até dezembro

Ambos buscaram minimizar os efeitos negativos das seguidas recusas do Planalto a propostas anteriores da Pfizer sobre o ritmo da vacinação no País. "Se nós tivéssemos assinado o contrato, que não era permitido por causa das cláusulas, nós só teríamos 500 mil em janeiro, 500 mil em fevereiro e 1 milhão (de doses) em março", sustentou Cascavel. "Ou seja, de tudo aquilo das propostas anteriores, foi 2 milhões a menos, que estão incorporados em maio, agora."

O assessor especial da pasta da Saúde defendeu que o governo federal "apostou certo" nas vacinas da AstraZeneca e na Coronavac, do Instituto Butantan. Ele admitiu que a entrega e a produção de doses da AstraZeneca demoraram a engrenar. "Mas, a partir de agora, o Brasil vacinará 1 milhão de doses por dia nos próximos 60 dias e, a partir de maio, passam a ser, no mínimo, 1,5 milhões de doses por dia", disse.

Cascavel relatou que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) está produzindo 400 mil doses por dia da vacina da AstraZeneca e o Butantan 660 mil doses diárias da Coronavac. "Nos próximos 30 dias, teremos a AstraZeneca entregando quase 20 milhões de doses e, lá (na companhia), temos um total de 260 mi de doses (contratadas)", apontou.

De acordo com o assessor, a Pfizer garantiu hoje a Bolsonaro que 5 milhões de doses antes prometidas apenas para o segundo semestre foram antecipadas e serão acrescidas aos 2 milhões já previstos para maio e 7 milhões de junho. Para o terceiro trimestre, o cronograma atual é de 10 milhões de doses por mês, chegando ao total de 99 milhões de doses em 2021 com os 60 milhões previstos para outubro, novembro e dezembro, mas que a farmacêutica tentará antecipar.

O assessor do ministro Eduardo Pazuello reafirmou que o governo federal busca fechar contrato de 30 milhões de doses com a Janssen. Bolsonaro terá reunião ainda hoje com executivos desse laboratório, segundo informou Guedes.

Estadão Conteúdo