SEEC/RN pede ampliação de prazo de inscrições do Enem

Publicação: 2020-05-22 00:00:00
A+ A-
Tales Lobo 
Repórter

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e o Ministério da Educação (MEC) confirmaram o adiamento das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A nova data ainda não foi divulgada, mas segundo os órgãos o exame deve ser até 60 dias após previsto no edital, em janeiro de 2021.  O secretário de  Educação do Rio Grande do Norte, Getúlio Marques, comentou ter pedido uma ampliação do prazo de inscrição para o concurso para o dia 5 de junho, pois, segundo ele, muitos alunos da rede pública estão com dificuldades na realização das inscrições, cujo prazo vence às 23h59 desta sexta-feira, 22.

Inicialmente, as provas estavam previstas para os dias 1º e 8 de novembro, na versão impressa, e dias 22 e 29 de novembro, na versão digital. As inscrições, que foram iniciadas no dia 12 de maio, seguem até às 23h59 desta sexta-feira, 22. Em nota oficial, MEC e Inep informaram que farão uma pesquisa entre os candidatos, através da Página do Participante, para escolha da nova data de realização das provas.

De acordo com informações do Inep, até a quarta-feira, 20, cerca de 4,3 milhões de pessoas já haviam realizado as inscrições no Enem. Dados da Secretaria de Estado da Educação (SEEC/RN) mostram que 29.220 alunos da rede estadual de ensino estão aptos para realizar o exame e outros 4.640 estudantes que cursam o 3º ano ensino médio na rede privada do Rio Grande do Norte também devem fazer as provas.

O titular da SEEC/RN, Getúlio Marques, avaliou como positivo o adiamento, mas pondera que o limite para a mudança da data entre 30 e 60 dias não seja o ideal, uma vez que não há previsão concreta de retorno das atividades presenciais.

“Nós não somos muito a favor da forma (do adiamento). Primeiro porque a nossa preocupação é com aqueles alunos que não conseguem nem se inscrever. Uma boa parte dos alunos da rede pública se inscreve para o Enem nas escolas. É a mesma história que a gente tem falado das aulas remotas. Muitos não têm equipamentos em casa, não têm computadores. Para a gente (secretários de Educação), a melhor data, é uma data que seja após o término das aulas, quando se discutir o retorno da pandemia. Por isso estamos fazendo um ofício para o MEC pedindo uma prorrogação das inscrições para pelo menos o dia 5 de junho”, declarou Getúlio Marques.

Ele afirmou que há diálogo com a diretoria do Inep, mas critica a postura do ministro da Educação Abraham Weintraub, que é quem dá a palavra final: “O MEC só entrou nessa (adiamento) após a aprovação no Senado. Tivemos reunião com a presidência do Inep, que se mostrou até sensível, mas depende da palavra do ministro. Infelizmente o ministro é de uma insensibilidade e irresponsabilidade à toda prova. Não conversa com a gente e toma as decisões sozinho”, lamentou Marques.

Escolas particulares
Na rede privada, a reação positiva também está presente. A diretora pedagógica do Colégio CEI Romualdo, Ana Flávia Azevedo, fala em “bom senso”, e fala na dificuldade em encontrar uma nova data para realização do exame antes do retorno das aulas presenciais. Segundo a educadora, a expectativa é de provas em janeiro.

“O bom senso prevaleceu. Eu acho que o MEC não tem como marcar uma nova data, já que a gente não sabe quando vão voltar às atividades presenciais. O objetivo desse adiamento é que todos os alunos tivessem o mesmo direito, mas a gente não sabe quando o País vai voltar. Eu acredito em uma expectativa para janeiro, sem a necessidade de perder o ano letivo”, ressaltou Ana Flávia.

Mesmo sem um panorama concreto de volta às aulas na rede pública, o secretário de educação incentiva os alunos e elogia a atuação dos professores durante a pandemia. “Sabemos que é difícil, mas pedimos que nossos alunos, mesmo em casa, tentem estudar. Que os professores possam contribuir como sempre contribuíram, ajudando a alcançar os sonhos dos alunos”, argumentou Getúlio Marques.





Deixe seu comentário!

Comentários