Sejuc sem recursos para fechar túneis de Alcaçuz

Publicação: 2012-01-10 00:00:00
A+ A-
Marco Carvalho - repórter

Os problemas de infraestrutura enfrentados pelas unidades prisionais do Rio Grande do Norte facilitaram novamente a ação de criminosos em busca da liberdade. Ontem, quatro homens conseguiram fugir do Presídio Estadual de Alcaçuz. Eles aproveitaram a estrutura de um túnel já descoberto anteriormente pela direção da penitenciária – mas que não foi inutilizado da maneira mais apropriada – para escapar do local. A fuga foi descoberta por agentes penitenciários e policiais militares da guarda externa, o que impediu outros 35 apenados de retornarem à sociedade de forma ilegal. De acordo com informações de agente penitenciários de Alcaçuz, outros túneis que não foram fechados corretamente podem deflagrar novas fugas em breve.
Quatro detentos usaram túnel, aberto em dezembro passado, para fugir na madrugada de segunda (09)
“É fato que todas as unidades do Sistema Penitenciário do RN precisam de reformas urgentes. São mais de 10 anos sem qualquer alteração nesse sentido”, informou o coordenador do Sistema Prisional do Estado, José Olímpio. De acordo com informações do chefe de segurança dos agentes penitenciários de Alcaçuz, Joelson Galúcio, há túneis preparados em todos os pavilhões da unidade – com exceção do recém inaugurado -, mas não há estrutura para fechá-los. Estima-se que o túnel utilizado ontem para a fuga possui cerca de trinta metros de comprimento, dos quais mais de 50% já estava pronto.

Este túnel havia sido descoberto pela direção da unidade no dia 20 de dezembro passado e teve a sua origem lacrada com cimento. “No entanto, eles cavaram o caminho e aproveitaram o que não foi derrubado do outro túnel antigo”, esclareceu o major Marcos Lisboa, diretor de Alcaçuz.

 Segundo ele, quatro celas já estavam com os cadeados arrombados e todos aguardavam a oportunidade para ganhar a liberdade, quando a ação foi abortada. Os homens que fugiram foram identificados como Júlio César Ferreira da Silva, Bruno Pierre Araújo Falcão da Silva, Lindomar Pereira do Nascimento e José Marcelo da Silva. A direção da unidade não soube informar por quais crimes os acusados estavam detidos.

Segundo o agente Joelson Galúcio, a direção havia realizado uma “cotinha” para conseguir o dinheiro e tapar, ao menos, a entrada do túnel. “O certo seria usar uma máquina grande para derrubar o túnel inteiro. Os pedidos são realizados à Sejuc [Secretaria de Justiça e Cidadania], mas não são atendidos”, afirmou. Ele esclareceu ainda que durante as obras do novo pavilhão durante o ano de 2011 vários caminhos foram descobertos por acaso. “Com o trânsito de máquinas pesadas, os túneis acabavam desabando e atingido o veículo”, disse Joelson Galúcio.

Para José Olímpio, coordenador do Sistema Prisional, a solução está distante. “Realmente, o procedimento mais adequado seria derrubar para acabar com o caminho criado. Mas, para isso, precisaríamos de grandes máquinas, uma vez que alguns túneis têm até oito metros de profundidade”. Olímpio relatou ainda que no ano passado, quando houve a suspeita de soterramento de presos, até mesmo o Corpo de Bombeiros enfrentou dificuldades. “O Corpo de Bombeiros foi acionado e quase que não conseguia acabar a escavação”.

Enquanto máquinas propícias não são disponibilizadas, o coordenador do Sistema Prisional utiliza paliativos. “A saída que encontrei foi jogar água pelo túnel. Assim, as paredes cedem e fecham o caminho”, disse. A entrada da equipe de reportagem da TN não foi permitida na unidade. Do lado externo do presídio foi possível perceber que novamente apenas a saída foi fechada com pedras.

Guaritas

Parte das guaritas do Presídio Estadual de Alcaçuz estão desguarnecidas. A guarda externa do Sistema Prisional do Estado é responsabilidade da Polícia Militar. Ontem, dos 11 pontos, seis deles estavam ocupados por policiais.

O major Castelo Branco, comandante da Companhia Independente de Guardas de Presídios, confirmou que passa por um período de deficiência de efetivo.

“Com o período de férias, enfrentamos realmente uma fase um pouco mais difícil. Mas sempre há remanejamento para que o trabalho não seja prejudicado”, disse. 

EFETIVO

Segundo informações da PM, vinte e cinco homens são responsáveis pela guarda externa do presídio. “Hoje, estamos com vinte homens, por que alguns também estão de licença médica. Mas Alcaçuz sempre tem prioridade e buscamos repor”, informou o major Castelo Branco.

Bate-papo

» Marcos Lisboa, diretor de Alcaçuz

O túnel utilizado ontem para a fuga já havia sido descoberto pela direção. O fechamento ocorreu de forma inadequada?

O problema é que precisamos de um maquinário para inutilizar completamente o caminho aberto pelos presos. No dia 20 de dezembro, descobrimos e fechamos a origem. A solicitação das máquinas é feito à Sejuc [Secretaria de Justiça e Cidadania] e estamos esperando.

Enquanto isso, que tipo de medidas a direção toma para evitar que presos retomem os acessos para túneis já cavados?

Fizemos uma vala de cerca de 2,5 metros de profundidade para que eles não conseguissem passar. Mas os túneis cavados são mais profundos. Uns chegam a ter oito metros de profundidade. É uma medida paliativa, nós sabemos.

Como o senhor avalia a estrutura de Alcaçuz?

É uma estrutura antiga, principalmente onde funcionava o pavilhão 4, que foi desativado. O secretário está disposto a ajudar e a comunicação com a Sejuc tem ocorrido. No novo pavilhão, é quase impossível cavar um túnel. É concreto para todo lado.


Deixe seu comentário!

Comentários

  • powerblack

    Incríveis são as desculpas para tamanha incompetência! Os presos sem nenhuma máquina sofisticada cavam um túnel maior do que a administração consegue cavar (2,5 metros), não fazem nenhum barulho (ou todos são surdos?), e apenas por má sorte não fugiram em massa (sem querer, um guarda viu). Não conseguir fechar um túnel é o cúmulo da INCOMPETÊNCIA e falta de zelo com a Segurança Pública!