Selo publica Nísia Floresta e outros Notáveis do RN

Publicação: 2019-05-21 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ramon Ribeiro
Repórter

A escritora potiguar Nísia Floresta (1810-1885) viveu por 28 anos na Europa. Conheceu Portugal, Inglaterra, Alemanha, Grécia e Itália. Mas a maior parte do tempo residiu na França, onde teve contato com grandes escritores, dentre eles, Augusto Comte. Suas viagens pelo Velho Mundo renderam livros publicados em francês, como “Itinerário de uma viagem à Alemanha” (1857), já traduzido para o português, e “Três anos na Itália seguidos de uma viagem à Grécia”, publicado em dois volumes, o primeiro em 1864 e o segundo em 1872.

Nísia Floresta passou mais de duas décadas na Europa e conviveu com grandes escritores, dentre eles, Augusto Comte. Escritos desse período foram publicados originalmente em francês. É o caso de “Três anos na Itália”, em duas partes, a primeira traduzida por Francisco das Chagas Pereira em 1998. A segunda parte lançada agora foi concluída  por Selma Pereira, esposa do professor, após a morte
Nísia Floresta passou mais de duas décadas na Europa e conviveu com grandes escritores, dentre eles, Augusto Comte. Escritos desse período foram publicados originalmente em francês. É o caso de “Três anos na Itália”, em duas partes, a primeira traduzida por Francisco das Chagas Pereira em 1998. A segunda parte lançada agora foi concluída por Selma Pereira, esposa do professor, após a morte

O primeiro volume de “Três anos na Itália” foi traduzido por Francisco das Chagas Pereira e publicado pela Editora da UFRN em 1998. O mesmo professor iniciou a tradução da segunda parte, mas não conseguiu seguir com o trabalho devido a um câncer. Antes de falecer, o tradutor pediu a sua esposa, Selma Pereira, pós-graduada em Letras como ele, que continuasse a tradução. Eis que o trabalho chega à público agora numa edição da Editora do IFRN, com parceria da Academia Norte-Riograndense de Letras (ANRL), dentro do selo Notáveis do RN. O lançamento será na próxima sexta-feira (24), das 14h às 19h, no IFRN Cidade Alta. Na ocasião outros 20 livros da Editora do IFRN também estarão sendo lançados, dentre os quais “Vivi: O Homem que sabia viver”, do escritor, historiador Protásio Pinheiro de Melo.

Filho de Francisco e Selma, Saulo Pereira detalha o trabalho dos pais. “Mamãe e papai estudaram na França, fizeram especialização em Letras juntos. Tiveram contato com a obra de Nísia no idioma francês. Ela acompanhou a tradução do primeiro volume e tinha condições de dar seguindo na segunda parte”, conta Saulo. “Antes de morrer papai pediu pra mamãe que fizesse a segunda parte. Como era algo que trazia muitas lembranças, ela ainda levou cinco anos para decidir se fazia ou não o trabalho. Acabou fazendo”.

“Três anos na Itália” se desenvolve na forma de diário de viagem. Nísia relata sua passagem por Roma, Nápoles, Bolonha, Florença, Vaticano, Atenas, Esparta. Descreve o cotidiano nessas cidades, fala dos monumentos, da história local, das visitas aos museus, dá detalhes da paisagem natural e urbana, além de apontar para aspectos comportamentais. O livro também tem um lado de diário íntimo, com momentos de saudade seja dos filhos, da família dos amigos, e da pátria. Outro aspecto, este com mais ênfase no Volume II, se refere aos posicionamentos políticos e sociais de Nísia, sobretudo porque sua passagem pela Itália se dá justamente no período que o país vivia seu processo de unificação.

Obras saem através do selo Notáveis do RN
O selo Notáveis do RN é fruto de um acordo de cooperação entre a Academia Norte-Riograndense de Letras (ANRL) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Na sexta-feira (24), além de “Três anos na Itália seguidos de uma viagem à Grécia”, serão lançados os livros “Alfabeto Ecológico”, de Diógenes da Cunha Lima e Roberto Lima, e “Vivi: O Homem que sabia viver”, de Protásio Pinheiro de Melo.

“Alfabeto Ecológico” é voltado para o público infantil. Na obra estão poemas de Diógenes que focam no amor à natureza. O livro é ilustrado pela artista plástica Amanda Carreras Simões e traz as partituras dos poemas musicados por Roberto Lima. Já em “Vivi: O Homem que sabia viver” está o retrato do escritor e folclorista Veríssimo de Melo, feito pelo irmão, o escritor Protásio de Melo, conhecido pelas obras que deixou no campo da história potiguar.

Lançamento coletivo da da Editora do IFRN terá 20 obras
A Editora do IFRN começou a publicar livros em 2006. Desde então já foram lançados mais de 180 títulos nas mais variadas áreas do conhecimento. Em 2017 a editora instituiu uma política de publicações com base em editais abertos não apenas para professores e servidores da instituição, mas também para a comunidade de modo geral. Nesta sexta-feira (24) serão apresentadas as obras resultantes do edital de 2018.

Boa parte dos livros são técnicos e voltados para públicos específicos. Mas há obras de cunho histórico e literário que podem interessar o público geral. É o caso do livro “A Escola Normal de Natal (1908-1971)”, de Francinaide de Lima Silva Nascimento, que analisa a história da formação de professores e o surgimento de algumas instituições escolares na capital potiguar a partir do percurso da Escola Normal. Outro livro de cunho histórico é “Capítulos de História Intelectual do Rio Grande do Norte”, organizado por Bruno Balbino Aires da Costa e Saul Estevam Fernandes.

De viés literário, há as obras “Como se fosse de argila”, de Fatima Maria de Oliveira, e “(Eu) Conto em Livro”, organizada por Magda Renata Marques Diniz e Thayanny Kelinny Vasconcelos de Lima. O primeiro trata-se de uma obra de ficção composta de vinte contos, nos quais se retrata o cotidiano, urbano e rural, de mulheres representando diferentes papeis. O segundo, também de contos, é uma coletânea de textos de alunos do IFRN Canguaretama, inspirados, especialmente, em suas leituras literárias e em suas vivências na comunidade.

Serviço:
Lançamento de livros da Editora IFRN

Dia 24 de maio, das 14h às19h

IFRN Cidade Alta (Avenida Rio Branco, 743)

Entrada gratuita








continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários