Servidores do Estado têm pagamento suspenso

Publicação: 2012-03-30 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
O clima de revolta tomou conta dos servidores públicos que subiam, ontem, a rampa da Secretaria Estadual da Educação e da Cultura (SEEC) em busca de informações sobre o corte dos salários em março. A medida alcançou 1.755 funcionários entre ASGs, técnicos de nível médio e professores, ativos e inativos, em decorrência de erros no cruzamento de dados e de um censo interno realizado em conjunto com a Secretaria Estadual da Administração e dos Recursos Humanos (Searh), conforme admitiu a coordenadora de Recursos Humanos da SEEC, Ivonete Bezerra da Costa.
Adriano AbreuRaimundo Martins, ASG lotado no gabinete da secretária, entrou na lista dos ausentesRaimundo Martins, ASG lotado no gabinete da secretária, entrou na lista dos ausentes

A finalidade, segundo a coordenadora, era detectar os servidores que por ventura não estivessem no exercício da função. Ao serem cruzados os dados do Censo e das planilhas com as informações elaboradas pelos gestores escolares, “houve o equívoco” que terminou colocando na lista os nomes dos servidores “que estavam indevidamente na relação de ausentes”. Por causa disso, continuou ela, passou a contar, do rol dos ausentes, servidores que estão em gozo de licenças prêmios, férias, cedidos a outros órgãos e até aposentados, que têm “todos os atos oficiais publicados” no Diário Oficial do Estado ou em Boletins Administrativos.

A coordenadora de Recursos Humanos da SEEC disse que “não deu tempo”  de fazer as correções necessárias e se decidiu publicar a listagem completa dos servidores, mas a SEEC e a Searh já estão trabalhando para republicarem a lista real dos servidores que não foram localizados no trabalho, depois de feito o  levantamento, no começo de março, da situação de lotação dos servidores da Educação.

Ela explicou que os servidores não localizados terão um prazo de 15 dias para comparecerem à unidade da Diretoria Regional de Ensino (Dired) de suas respectivas áreas de lotação, a fim de comprovarem o local de desempenho de suas atividades funcionais, sob pena de serem abertos os devidos inquéritos administrativos, ao tempo que fica suspenso o pagamento dos vencimentos até que seja regularizada a situação.

O edital de convocação com a lista, mesmo equivocada, dos servidores não localizados, foi assinado pelos secretários Betânia Leite Ramalho (SEEC) e Antonio Abner da Nóbrega (Searh) na terça-feira, dia 27, e publicado na edição do dia seguinte do Diário Oficial. Ivonete Bezerra informou, ainda, que os servidores prejudicados com o erro, vão receber os salários de março em folha suplementar entre os dias 10 e 15 do próximo mês. Quanto aos servidores tido como  ausentes das funções, a área de Recursos Humanos orienta aos servidores cedidos, aposentados ou em licença, que apresentem uma cópia do Diário Oficial do dia 28 de março ou do Boletim Administrativo.

Com relação aos outros servidores, orienta-se feitura de requerimento para reassumir o cargo, com cópia do Diário Oficial do dia 28, ficha cadastral, justificativa do afastamento, declaração de exercício de onde estava trabalhando, além de cópias de documentos pessoais e do contracheque. Segundo ela, quem não abriu o processo ficará sujeito a uma sindicância administrativa para averiguar se houve abandono de emprego.

Professor nega que esteja ausente

Marco Aurélio Varela da Silva é professor de Língua Portuguesa do Estado há 28 anos e é um dos servidores surpreendidos com a suspensão do salário, ontem, primeiro dia do pagamento da folha salarial de março do funcionalismo estadual. Ele conta que se encontra numa situação inusitada, porque não tem aluno para dar aula. Varela explicou que desde o ano passado que procura uma escola para ensinar, pois as salas de aula da noite das duas escolas estaduais onde lecionava – Padre Monte e Café Filho – nas Rocas e em Nova Descoberta, respetivamente, “foram  fechadas por falta de aluno”. Ele estava revoltado porque foi listado como um professor ausente.

Janete Ferreira Cruz também teve o salário cortado e estava voltando ontem de uma licença especial. “Tirei uma licença prêmio de seis meses, me deram três e ficaram três dentro, quando volto recebo esse presente”. Para ela, erros dessa natureza poderiam ser evitados dentro da SEEC: “Falta um cadastro de banco de dados dos servidores”.

A dirigente do Sinte-RN, Janeayre Souto, esteve com outros sindicalistas na Coordenadoria de Recursos Humanos da SEEC, onde soube que o pagamento dos salários dos servidores será efetuado em folha suplementar: “A Secretaria não podia ter agido unilateralmente, sem receber a defesa prévia dos servidores”. Em decorrência dessa medida, segundo ela, muitos dos funcionários prejudicados poderão entrar com uma ação por danos morais contra o Governo.

Raimundo Martins é ASG e trabalha dentro do gabinete da secretária Betânia Ramalho. Ele foi surpreendido com a suspensão do salário e mesmo que receba em folha suplementar só R$ 600,00 de vencimentos, tirados os descontos, vai ter prejuízo porque tem contas para pagar.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • escacaciviana

    Hoje 16 de abril continuo sem receber o meu salário de março, e aí o que tenho que fazer? tudo que foi exigido pela SEEC já foi enviado e nada. Dá pra continuar assim?

  • sfgalvao

    É um absurdo, agente que trabalha até mais que outros, fica nessa situação, sem o salário, devido a incompetencia da secretaria. Agora ficamos no prejuizo até que eles procurem resolver. Eu que tenho mais de 10 anos cedidos de forma legalisada, com publicação e tudo, na mesma situação.

  • verafla2008

    Eu estou lotada na Escola Estadual Zila Mamede, não estou afastada nem de atestado, trabalhando todos os dias e tive meu pagamento suspenso e agora como vou pagar minhas contas que já começam a vencer dia 30.

  • mariadasns

    Estes, são os servidores da educação que a Sec. de educação disse não existir, coitada da secretaria , faz tudo que a amiga Rosalba manda. Quando estava na UFRN, era bem conseituada, junta-se a politico é o que ganha. Disse que tem 3.500 professores ganhando dinheiro sem trabalhar, não sabe o que fala. PAPELÃO.

  • marcianoinchains

    é preciso exonerar o servidor público concursado para desonerar o Estado dos vários tributos e gastos com aposentadoria para poder, com uma receita mais folgada, aplicar o orçamento em investimentos. Exonerações em massa de servidores são a saída para um Estado mais ágil.

  • marcosarc13

    Voces sabem porque muitos não querem serem professores? eu sei a resposta porque quando se trata de ser mestre tudo é mais dificil, para aumantar salario é uma "briga", para lutar por melhores condições de trabalho é outra "briga" e ate mesmo para receber o salario que é de direito é complicado, a SEEC sempre foi uma eterna incompetente no quesito de administração.