Servidores do RN param dia 21 e ameaçam greve geral

Publicação: 2016-09-30 00:00:00
A+ A-
Os servidores públicos estaduais foram às ruas, ontem, em protesto contra o Governo do Estado e ameaçam uma greve geral, por tempo indeterminado, caso a possibilidade de fracionar o pagamento dos salários seja concretizada. Na manhã de ontem (29), diversas categorias se reuniram em assembleia geral unificada e decidiram cruzar os braços  no próximo dia 21 de outubro. Será uma paralisação de alerta, segundo os sindicalistas.
Na manhã de ontem, diversas categorias se reuniram em assembleia geral unificada, aprovando indicativo de mais dois protestos
Antes, os servidores aprovaram a realização de um ato unificado no próximo dia 6 de outubro, em frente à Governadoria, com uma feijoada para os servidores públicos estaduais. E no dia 21,  decidem se cruzarão os braços por tempo indeterminado.  O Governo do Estado não se posicionou sobre a ameaça de greve no serviço público, mas a secretaria de Comunicação informou que está agendada para a próxima semana, inicialmente, exatamente no dia 6 de outubro, uma reunião para definir o calendário de pagamento dos salários, já que há dependência de acompanhar o comportamento das receitas.

A reunião entre o núcleo financeiro do Governo do Estado, que inclui os secretários de Estado do Planejamento e das Finanças, Gustavo Nogueira, e André Horta, da Tributação, as lideranças sindicais, foi agendada na última quarta-feira (28). Ontem, a mobilização dos servidores começou por volta das 9h da manhã, após a assembleia - realizada na Praça Cívica, em Petrópolis - aproximadamente 300 sindicalistas realizaram uma caminhada pelas ruas de Cidade Alta. Na Avenida Rio Branco, as categorias se juntaram aos bancários e seguiram até a Prefeitura de Natal, onde terminaram o ato.

Participaram do ato representantes do Sinai, Aduern, Sindasp, Sindsaúde, Sindjustiça, Sindsemp, Sinpol, Sinsp, Sintern, Sindijustiça, Sindsprev e Soern. na pauta, os atrasos no pagamento dos salários do funcionalismo estadual, as possíveis demissões de servidores do quadro do estado e propostas no âmbito federal que afetam diretamente os servidores públicos.

De acordo com Janeayre Souto, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público da Administração Direta, os atos serão realizados em decorrência do não cumprimento da constituição estadual - que estabelece o pagamento da folha no 30º dia do mês - e a proposta do fracionamento dos salários. “Sabemos que existe ‘gordura’ para queimar. Apresentamos propostas como a redução do expediente e dos cargos comissionados. Nos vamos seguir para a paralisação dos servidores, mas também queremos dialogar”, afirmou a sindicalista.

Em reunião com os líderes sindicais, na manhã da última quarta-feira, o secretário Gustavo Nogueira, afirmou que para garantir o pagamento dos vencimentos dos servidores ativos, inativos e pensionistas ao mesmo tempo, o governo estuda pagar a folha por faixas salariais,  como foi feito nos últimos meses, ou, até mesmo, a possibilidade de fracionamento dos salários de setembro, a partir de um determinado teto salarial, para os que têm maior rendimento. A queda nos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE) somou R$ 320,1 milhões de janeiro a agosto deste ano, é uma das principais causas do atraso. O valor corresponde a, aproximadamente, 75% de uma folha do funcionalismo público potiguar, que gira em torno de R$ 420 milhões/mês.

O que
Servidores têm atos públicos programados para os dias 6 e 21 de outubro, em protesto pela proposta de fracionamento no pagamento dos salários do funcionalismo estadual



Deixe seu comentário!

Comentários