Servidores e representantes do Governo se reúnem para discutir salários e previdência

Publicação: 2020-01-15 15:36:00
A reunião entre representantes do Fórum dos Servidores com a equipe econômica do Governo do Estado começou no início da tarde desta quarta-feira (15), na sede da Governadoria, zona Sul da capital potiguar, este é o primeiro encontro entre as partes em 2020 e, segundo falou em entrevista à TRIBUNA DO NORTE no último dia 8, a ocasião servirá para que o Governo divulgue o calendário de pagamento de todo o ano, bem como discuta com os servidores pontos fundamentais da proposta reforma da previdência dos funcionários públicos estaduais.

A reunião começou por volta das 14h e conta com a presença de representantes do Fórum dos Servidores, Sinpol, Gabinete Civil, Administração, Tributação e Controladoria Geral do Estado.
Créditos: Márcio FrancoReunião acontece na sede da GovernadoriaReunião acontece na sede da Governadoria
Reunião acontece na sede da Governadoria

Na manhã de hoje, o Fórum dos Servidores esteve reunido no auditório do Sindicato dos Auditores Fiscais do RN (Sindfern-RN). A presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público da Administração Direta do Estado do Rio Grande do Norte (Sinsp-RN), Janeayre Souto, afirma que o intuito do Fórum dos Servidores neste primeiro encontro com os representantes da administração estadual é realizar cobranças em relação ao que foi proposto e prometido no início da administração, em janeiro de 2019.

“Nós iremos cobrar do Governo do Estado tudo o que foi entregue ao Fórum Estadual dos Servidores lá em janeiro de 2019, quando dizia que todo recurso extra que chegasse iria para o pagamento dos atrasados e não é isso que estamos assistindo. Os servidores amargam três folhas de salários atrasados e assistimos o governo antecipar para todo dia 15 de cada mês os salários dos cargos comissionados”

Previdência

Outro ponto crucial do encontro são as dicussões sobre a proposta de reforma da previdência dos servidores. Janeayre Souto reitera que a categoria permanece contra a proposta de reforma e classifica como “injusta” a medida que, segundo ela, fará que os funcionários públicos “trabalhem mais” para que consigam se aposentar. “Somos contra. O governo além de não conceder o reajuste salarial dos servidores, ainda propõe redução salarial quando propõe aumento de alíquota. É muita injustiça uma reforma que obriga os servidores a trabalhar mais, pagar mais impostos e ter salários mais baixos no final das contas”, comenta.






Leia também: