Servidores ocupam Administração

Publicação: 2017-01-11 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Yuno Silva
Repórter

Servidores municipais de Natal ocupam, desde a manhã de ontem (10), a sede da Secretaria Municipal de Administração na Cidade Alta. Profissionais da área de saúde, incluindo enfermeiros e odontólogos, e da guarda municipal montaram acampamento na Semad no intuito de pressionar a Prefeitura de Natal para que atenda as três reivindicações que unem as categorias: pagamento dos salários dentro do mês corrente; informações detalhadas sobre a folha de pagamento; e a instalação de uma mesa de negociação permanente com o Executivo.
Adriano AbreuProfissionais da saúde, incluindo enfermeiros e odontólogos, da Guarda municipal e outras categorias montaram acampamento na Semad no final da manhã de ontemProfissionais da saúde, incluindo enfermeiros e odontólogos, da Guarda municipal e outras categorias montaram acampamento na Semad no final da manhã de ontem

Através de nota à imprensa distribuída às 12h dessa terça (10), a Prefeitura chegou a informar que a ocupação impediria a continuidade dos pagamentos para quem ganha entre R$ 2 mil e R$ 4 mil. Porém, às 15h15, o prefeito Carlos Eduardo, via Twitter, garantiu que “apesar de dirigentes sindicais tentarem impedir pagamento, Prefeitura vai pagar seus servidores hoje e amanhã”.

Em seguida, às 18h37, o chefe do Executivo voltou a postar no próprio perfil mantido no serviço de microblog: “Dirigentes sindicais impediram que  1.601 servidores, entre aposentados e pensionistas, recebessem os seus benefícios hoje (terça, dia 10)” – a declaração do prefeito deixa subentendido que o cronograma de pagamento previsto para ontem e hoje será concentrado nesta quarta (11). O Governo do RN também agendou para hoje o pagamento dos servidores estaduais que recebem até R$ 3 mil.

A reportagem da TRIBUNA DO NORTE tentou contato com Jandira Borges, titular da Semad, e Virgínia Ferreira, da Secretaria Municipal de Planejamento, para apurar detalhes sobre o cronograma dos pagamentos, mas não obteve sucesso – a assessoria de imprensa informou que ambas estavam em reunião.

A mobilização que resultou na ocupação da Semad foi puxada pelos sindicatos dos Servidores Públicos de Natal (Sinsenat), dos Trabalhadores da Saúde (SindSaúde-RN), de Guardas Municipais (SindGuardas-RN), dos Odontologistas (Soern) e dos Enfermeiros (Sindern).

De acordo com Soraya Godeiro, presidente do Sinsenat, a ocupação será mantida “até que as três reivindicações sejam atendidas. São reivindicações simples de serem atendidas. Da outra vez que desocupamos a sede da Prefeitura, ficamos só na promessa. Agora queremos resolver, essa gestão está sem credibilidade”, avaliou Soraya. Ela disse que a ocupação da Semad “não impede o envio das ordens de pagamento dos servidores para o banco. É tudo informatizado, dá para fazer tudo por celular”, aposta a sindicalista.

Souza Júnior, da direção do SindGuardas-RN, acrescentou que a Prefeitura “quer justificar o não pagamento com a ocupação”. Para Paulo Roberto, diretor do SindSaúde-RN, “o pagamento parcial de servidores é uma tentativa de desmobilizar o movimento. Temos reivindicações específicas para a Saúde, mas nesse momento as pautas estão unificadas”.

Soraya disse que a ocupação da Semad “representa 80% dos servidores municipais. Estão fora os servidores da Educação (cujos salários são complementados com recursos federais oriundos do Fundeb) e os altos salários”.

O Sinsenat deflagrou greve no dia 11 de novembro do ano passado, junto com Soern e Sindern, solicitando a regularização dos pagamentos de salários  dentro do mês corrente trabalhado. Pelo mesmo motivos o SindSaúde-RN anunciou greve no dia 16 de novembro e o SindGuardas-RN no dia 23 de dezembro.

Reivindicações
Conforme os sindicalistas acampados na Semad, a lei orgânica do Município determina que os salários devem ser quitados até o último do mês corrente trabalhado: “Não temos nenhuma novidade sobre o calendário de pagamento”, reclamam.

Soraya Godeiro, do Sinsenat, lembrou que “a última informação” sobre o custo da folha de pagamento dos servidores da Prefeitura de Natal é de que ela chega a R$ 52 milhões. “A direção da Sempla disse que com R$ 13 milhões dá para pagar 70% dos servidores, isso quer dizer que com R$ 39 milhões paga-se 30% da folha, o que confirma a existência de altos salários. Esses sim, podem estar ocasionando os atrasos e o congelamento dos salários”, justificou Soraya, reforçando o ponto 2 das reivindicações. Três datas bases, conforme os sindicalistas, não foram cumpridas.  

A terceira questão da pauta é a instalação de uma mesa permanente de negociação, que possa servir como interlocutora entre trabalhadores e gestores. “Se já tivesse sido instalada, como há tempos estamos pedindo, não estaríamos tendo que ocupar sede de Secretaria”, alegou a presidente do Sinsenat.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários