Covid-19: contagem de óbitos gera dúvidas e Sesap explica; veja

Publicação: 2020-08-11 00:00:00
A+ A-
Luiz Henrique Gomes
Repórter 
 
Instabilidades nos sistemas do Ministério da Saúde para registros de casos e mortes decorrentes da covid-19 causaram represamento das estatísticas e um posterior pico de números no Rio Grande do Norte e em outros cinco Estados brasileiros nas últimas semanas. Os dados prejudicam a análise da situação da pandemia do novo coronavírus e geraram questionamentos. No dia 1º de agosto, por exemplo, 102 óbitos foram registrados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN), mas apenas quatro eram das 24 horas anteriores ao boletim diário.

Créditos: Adriano AbreuNúmero de mortos por covid no Estado de aproxima dos 2.000Número de mortos por covid no Estado de aproxima dos 2.000


O presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed/RN), Geraldo Ferreira, questionou na última sexta-feira, 7, a diferença entre o registro por dia e o número de óbitos ocorridos dentro das 24 horas anteriores à divulgação do dado. A Sesap/RN explicou que a retenção e posterior “explosão” das mortes aconteceu devido à instabilidade do sistema. A justificativa está no próprio Boletim Epidemiológico 128, do dia 1º de agosto.

“Informamos que o alto volume de notificações e confirmações de óbitos no dia de hoje é referente a semanas epidemiológicas anteriores. Um atraso no envio das informações teve reflexo no quantitativo de óbitos reportado hoje pela SESAP em seu boletim de informações para a Covid-19 no estado do RN. Nas últimas 24h foram confirmados 4 óbitos”, afirma a Sesap/RN no documento. No dia 23 de julho,  A TRIBUNA DO NORTE antecipou o problema.

 Pelo menos outros cinco Estados, além do Rio Grande do Norte, tiveram problemas semelhantes nas últimas semanas. Foi o caso de São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Bahia e Piauí. O jornal Folha de S. Paulo destacou o problema no dia 6 de agosto.

Além dessa instabilidade, a Sesap/RN já considera o tempo de 15 dias como período em que os dados podem ser revisados para inserção de mais casos ou mortes do novo coronavírus devido ao trâmite para registro de informações. Segundo a subcoordenadora de Vigilância em Saúde da Sesap/RN, Alessandra Lucchesi, as informações “passam por diversas etapas” de registros. Os dados podem ser colocados em sistemas do Ministério da Saúde ou sistemas próprios da Sesap/RN.

Oficialmente, todos os casos precisam ser registrados digitalmente no sistema oficial do Ministério da Saúde por cada unidade de saúde no momento em que o paciente é atendido com suspeita de covid-19. Entretanto, segundo Lucchesi, há municípios potiguares que ainda trabalham com o registro manual e físico das informações. “Alguns municípios optam que essas informações sejam feitas de forma física, no papel, e enviam para a Secretaria de Saúde para que as informações possam ser inseridas no sistema do Ministério da Saúde”, informou.

O mesmo acontece com a internação de pacientes e óbitos decorrentes da covid-19. Nesses casos, a Sesap/RN precisa ser comunicada através de um sistema próprio com a declaração do óbito ou ficha de notificação de internação. “Infelizmente, esses fluxos geram problemas para essa informação ser incluída no sistema do Ministério da Saúde no prazo de 24 horas da suspeita do caso, como é recomendado”, declarou Lucchesi.

Depois de notificado, a Secretaria de Estado da Saúde precisa investigar os óbitos para confirmar se são ou não decorrentes da doença. Pacientes que faleceram sem o resultado dos exames podem, por exemplo, ficar entre os óbitos investigados. Segundo Alessandra Lucchesi, isso explica por que há mais óbitos registrados nos boletins do que os ocorridos no período de 24 horas entre um boletim e outro.
 
Boletim Epidemiológico
O Rio Grande do Norte chegou a 1.977 óbitos em decorrência da covid-19 nesta segunda-feira,10. São três mortes ocorridas nas últimas 24 horas e sete a mais que o registrado no último sábado, 8. Outras 194 óbitos permanecem sob investigação da Sesap/RN. No total, o RN acumula 55.420 casos confirmados da doença. Além disso, a Sesap/RN apresenta 50.841 casos inconclusivos e 18.016 suspeitos. O número de pessoas que apresentaram sintomas e não testaram para a doença é de 90.563.