Sesap/RN alerta para sintomas de nova síndrome inflamatória pediátrica

Publicação: 2020-08-01 00:00:00
Luiz Henrique Gomes
Repórter

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN) investiga se uma inflamação que afeta crianças e adolescentes pode estar ligada ao novo coronavírus. Nesta sexta-feira, 31, a subcoordenadora de Vigilância em Saúde da pasta, Alessandra Lucchesi, fez um alerta baseado em recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde para famílias ficarem atentas a sintomas inflamatórios, como febre constante, em crianças e adolescentes até 19 anos. A inflamação se chama Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica e já foi registrada em pelo menos dez crianças no Rio Grande do Norte. 

Créditos: Magnus NascimentoHospital Infantil Maria Alice Fernandes, na zona Norte de Natal, foi referenciado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública para atender os casos da nova síndromeHospital Infantil Maria Alice Fernandes, na zona Norte de Natal, foi referenciado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública para atender os casos da nova síndrome


A Síndrome pode ser uma das complicações da covid-19. A princípio, os sintomas mais comuns são febre alta persistente e, em alguns casos, problemas cardíacos. Entretanto, a Sesap/RN ainda investiga se os casos tem relação com a SARS-COV-2 (nome científico dado ao novo coronavírus). “A covid-19 é muito nova, então ainda estamos aprendendo bastante com o desenrolar dessa pandemia e a evolução clínica dessa doença. A partir disso, há uma preocupação tanto do Governo Federal quanto do Governo do Estado para investigação pós-Covid”, afirmou Lucchesi em coletiva de imprensa.

Esse tipo de inflamação já existe e pode ser causada por outras doenças virais. No entanto, o que a Sesap/RN investiga agora é se o novo coronavírus também pode causar a complicação. A orientação é para as famílias observarem o surgimento de possíveis sintomas em crianças e adolescentes que tiveram contato com infectados pelo novo coronavírus nos últimos 60 dias. Em paralelo, a Sesap/RN realiza uma investigação em retrospecto para identificar quais pacientes de 0 a 19 anos atendidos no Sistema Único de Saúde (SUS) apresentaram a síndrome para verificar se elas foram diagnosticadas com a covid-19.

A recomendação para famílias que tenham crianças que apresentem febre alta por pelo menos três dias seguidos é levá-las o mais rápido possível para uma unidade de saúde e descrever se a criança teve contato com pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus ou se ela mesma já tem um diagnóstico confirmatório para a covid-19. “Essa é uma recomendação nacional. Não é uma situação específica nossa, representativa nossa. O alerta é justamente para os pais ficarem mais atentos aos sintomas que a criança pode apresentar”, ressaltou Alessandra Lucchesi.

Sem protocolo
A Sesap/RN ainda não tem um protocolo de atendimento definido para os pacientes que apresentarem a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica, mas afirmou que isso vai ser apresentado nos próximos dias. A Secretaria justificou que foi notificada no dia 20 de julho pelo Ministério da Saúde, e, por isso, ainda não está com o protocolo pronto. Por enquanto, a unidade de referência para o atendimento infantil é o Hospital Infantil Maria Alice Fernandes, na zona Norte de Natal. As dez crianças que apresentaram a doença no Rio Grande do Norte foram atendidas nessa unidade nos últimos meses. 

Créditos: Elisa Elsie/Gov. do RNAlessandra Lucchesi detalhou que casos notificados pela Sesap estão sendo avaliados criteriosamente para saber ligação com covidAlessandra Lucchesi detalhou que casos notificados pela Sesap estão sendo avaliados criteriosamente para saber ligação com covid


Segundo Lucchesi, esses casos ainda estão em investigação e foram identificados pelos médicos pediatras. A Sesap/RN ainda verifica, no entanto, quando elas estiveram internadas, de quais cidades elas são e qual foi o diagnóstico geral dos pacientes. “Como os processos de investigação estão em fase de implementação, na próxima semana teremos mais condições de falar sobre estes pacientes”, afirmou. Alessandra Lucchesi garantiu que as crianças atendidas não precisaram de ventilação mecânica, utilizada nos casos mais graves de covid-19.

Faixa etária
A faixa etária afetada pela Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica, de pessoas com até 19 anos, é o grupo com menor registro de mortes confirmadas como decorrentes da infecção provocada pelo novo coronavírus no Rio Grande do Norte. Segundo a plataforma Covid-19 do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), baseada nos dados da Sesap/RN, 22 vítimas fatais do novo coronavírus no Estado tinham 19 anos ou menos. O número corresponde a 1,2% das 1.777 mortes confirmadas pela doença no território potiguar até esta sexta-feira, 31.

Número de mortes por covid-19 chega a 1.777
O Rio Grande do Norte atingiu nesta sexta-feira, 31, 1.777 mortes em decorrência da covid-19. São 27 mortes a mais registradas nas últimas 24 horas, sendo que seis ocorreram nesse período. O restante estava em investigação. O Estado possui ainda 50.416 infecções confirmadas do novo coronavírus.  Os dados foram apresentados nesta sexta-feira pela subcoordenadora de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), Alessandra Lucchesi.

Segundo a Sesap/RN, outras 62.115 pessoas continuam suspeitas de estarem com a Covid-19. Outras 185 mortes estão investigação.
Nesta sexta-feira, 327 estavam internados em leitos públicos destinados ao tratamento da covid-19 no Estado, sendo 188 pessoas em leitos críticos (UTI e semi intensivo) e 139 clínicos. A taxa de ocupação de leitos críticos no território potiguar, principal termômetro para medir a pandemia, era de 61%.

Apesar da recente queda no número de casos e óbitos diários registrados no Rio Grande do Norte, o contágio do novo coronavírus tem crescido nas cidades do interior que ainda não haviam sido atingidas com tanta incidência. “Estamos verificando o crescimento de casos em algumas cidades, e por isso a importância de manter cuidados simples, como a higienização de celulares, mãos, o uso da máscara", declarou Lucchesi. 

Fiscalização no litoral e açudes será reforçada
Neste fim de semana, o secretário estadual de Segurança Pública, coronel Francisco Araújo, disse que as forças de segurança do Estado vão concentrar ações nos municípios litorâneos e nos grandes açudes públicos do interior. Segundo Araújo, as cidades de Macau e Tibau do Sul receberão uma atenção maior por terem registrado aglomerações no último fim de semana. “Verificamos aglomerações nestas cidades e nos reunimos com os prefeitos ontem [quinta-feira] para reforçar junto com o próprio município as ações de segurança", declarou.

A governadora Fátima Bezerra se reuniu com prefeitos, prefeitas e representantes de 23 municípios praianos na quinta-feira (30). A pauta da reunião foi o alinhamento das ações de apoio à fiscalização planejadas para o este final de semana para evitar aglomerações nas praias e proximidades, conforme já registrado em finais de semana anteriores. A meta é reduzir ainda mais a taxa de transmissão e de novos casos da covid-19 e fazer com que as ações do Estado sejam cada vez mais eficientes.

Para isso, novamente, por meio do Pacto Pela Vida, o Governo do RN disponibilizou diversas equipes da Força de Segurança do Estado (Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros) para apoiar e fortalecer os efetivos de policiais e de agentes de saúde dos municípios.

O secretário estadual de Saúde Pública, Cipriano Maia, reiterou  que embora o Estado esteja em um momento de fazer jus à conquista da redução dos índices de transmissão e ao declínio de casos e óbitos por coronavírus, registrados na maioria das regiões, não vivemos um momento de relaxamento, pois a pandemia não acabou. “Precisamos ficar mais alertas do que já estamos, pois se não contermos a tendência da população em se aglomerar, corremos sérios riscos do aumento de casos”, enfatizou.